Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 30-04-2022
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 28-02-2006

    SECÇÃO: Crónicas


    foto

    Adeus

    Quando na escola de Provesende, o Prof. Matos falou da conquista de Lisboa aos mouros, soube como os portugueses eram valentes e como D. Afonso Henriques era um bravo Conquistador! Martins Moniz, ao morrer entalado na porta do Castelo, foi o mártir .

    A acção dos Cruzados na conquista não era desconhecida(!?). Por quê ?

    Nas procissões da Senhora da Azinheira desfilavam (muitos) de vestes brancas e carapuços, tendo nas costas a cruz vermelha.

    A mãezinha (avó materna, viúva, a tratar dos netos) ia dizendo:

    – São muitos, pois as vestimentas são baratas, e S. Martinho sempre teve procissões grandes, muitos andores e duas bandas de música!...

    A CONQUISTA

    DE LISBOA

    AOS MOUROS

    Os Cruzados eram guerreiros, vindos de Inglaterra e Alemanha, para irem libertar o túmulo de Cristo dos muçulmanos e, no caminho, ajudaram na reconquista cristã.

    Na recordação ficou a luta religiosa, entre árabes e cristãos. Será preciso recordar que, no final da conquista de Lisboa, os Mouros tiveram vida condigna, no bairro da Mouraria, e os cruzados foram à vida, sem direito a espólio de guerra?! Tudo por Deus, tudo por Alá...

    Estar com Deus, seja qual for a via de contacto, é ir ao encontro da tranquilidade de espiríto. Já na antiguidade egípcia se fazia a saudação ao Deus Amon. Tão forte é a ligação ao Céu que o Pai-Nosso e a Avé-Maria terminam em Amen (para o deus Amon!)

    O José Agostinho Correia, primeiro emigrante da Tenaria a ir para França nos anos cinquenta, disse, quando saudado pela Maria Ventura:

    – Adeus é para quem morre!!!

    Jamais esqueci o dito do Zé Agostinho, ex-seminarista de Poiares e ex-furriel.

    A palavra adeus é de grande e profundo sentimento. Iria dizer que invoca mais do que a saudade. Adiós, good-bye, shalon, tchau, au revoir e auf wiedersehen são expressões de menos significado. Seria possível em francês dizer-se “... fez adeus e foi-se embora”?!

    Foto RUI LAIGINHA
    Foto RUI LAIGINHA

    MODOS

    DE EVOCAR

    DEUS

    Onde param os abraços e os beijos ternurentos das despedidas no aeroporto de Pedras Rubras? E os minutos passados à espera de dizer adeus, lá do alto do edifício, aos amigos a caminho do avião?!

    Entre modos de evocar Deus, há um quase esquecido, que muito me comove, quando o ouço ou pronuncio: “Deus lhe pague”.

    Após ultrapassados os sessenta anos, a acuidade visual e os movimentos vão sendo mais calmos, para não dizer mais lentos, e, ao receber um delicado auxílio, só um “Deus lhe pague” retribui a amabilidade... Até o famoso compositor Wolfgang Amadeus Mozart, nascido em 1756 em Salzburgo, tem Deus no nome. Nas comemorações dos 250 anos do seu nascimento, muito se tem feito na homenagem ao músico-compositor. Estou em crer que, num campo de batalha, ouvindo-se as suas melodias, as armas silenciavam e as baionetas embainhavam!

    MOZART

    E O VINHO DO PORTO

    Se os 250 anos do nascimento de Mozart merecem a atenção do Mundo Cultural, nós não podemos esquecer as comemorações dos 250 anos da criação da primeira região vinícola do Mundo, no tempo do Marquês de Pombal – Região Demarcada do Douro.

    A estátua do Marquês, colocada na avenida do Douro (Peso da Régua) devia ser decorada a néon, apesar de quase só representar os caracóis do Estadista!

    Os transmontanos e durienses devem comemorar o acontecimento – dois séculos e meio de história é obra!

    Se as sinfonias de Mozart alegram o coração, o Vinho do Porto faz cantar o espiríto!

    Por: Gil Monteiro

     

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.