Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-07-2020
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 15-01-2006

    SECÇÃO: Desporto


    Andebol do CPN começa a recuperar a velha mística

    A secção de andebol do CPN está apostada em fazer regressar o clube aos velhos e saudosos tempos de glória que nos últimos anos têm andando um pouco afastados da modalidade. Para tornar esse desejo em realidade, a secção do clube criou um projecto cuja base assenta numa forte aposta no sector da formação. Tiveram, no entanto, que ser tomadas algumas decisões drásticas para que este projecto possa ter êxito – algo que já está a acontecer –, nomeadamente em acabar com a equipa sénior do clube. Esta é uma situação que, segundo os responsáveis pela secção, é temporária, pois com o trabalho, criado de raiz, que está a ser feito nos escalões de formação do CPN, daqui a alguns anos poderemos ver uma equipa sénior de andebol composta na sua totalidade por atletas oriundos da cantera propagandista.

    Para conhecer um pouco melhor este projecto de formação que pretende devolver a velha mística ao andebol do CPN, o nosso jornal foi conversar com dois elementos desta secção, nomeadamente Pedro Borges, o coordenador geral, e José Costa, o responsável pelos escalões de iniciados e juvenis.

    Fotos MANUEL VALDREZ
    Fotos MANUEL VALDREZ
    A decisão foi difícil, “doeu” a muito boa gente, mas tinha de ser tomada, pois em causa estava o futuro do andebol do CPN. Referimo-nos à decisão que a secção de andebol propagandista tomou no início desta época e que passou pelo fim da equipa sénior.

    «Ou continuávamos com a equipa sénior, o que significaria acartar com mais despesas, ou seja, a secção continuaria a debater-se com sérias dificuldades financeiras, pois manter uma equipa a competir na 3ª Divisão Nacional, o escalão onde estavámos a participar, acarreta inúmeras e elevadas despesas, ou então acabávamos com essa equipa sénior e apostávamos única e exclusivamente nas camadas jovens, na construção de um projecto que assenta-se na formação de atletas», referiu Pedro Borges, o coordenador geral do andebol do CPN. Ponderadas e analisadas ao pormenor as duas hipóteses, a secção acabou por viabilizar a segunda opção, colocando de imediato todas as suas forças na elaboração de um novo projecto que visasse a aposta na formação de atletas. Segundo os responsáveis do andebol propagandista esta decisão teve uma razão de o ser, pois todos os anos o CPN exporta três ou quatro jogadores das suas equipas mais jovens para os quadros dos maiores clubes do Distrito do Porto ao nível do andebol, nomeadamente o FC Porto e o Águas Santas. «Se esses clubes vêm aqui todos os anos “abastecer” as suas equipas de formação, é sinal que os nossos atletas têm qualidade. E se assim é, porque não fazermos uma aposta forte no aumento dessa qualidade? Em formar um maior número de atletas, não só para precaver eventuais saídas mas também para que o clube possa tirar alguns dividendos disso, nomeadamente com a conquista de títulos, fazer com que o CPN volte a ser “grande” no andebol, que volte a ter a velha mística que nos últimos tempos andou perdida, que os miúdos sintam o “peso desta camisola”, que gostem de aqui estar e não pensem em ir para o FC Porto ou para o Águas Santas. E neste momento, apesar deste projecto de formação ainda ter pouco tempo de vida, sentimos que os primeiros frutos começam já a ser colhidos, pois os miúdos já dizem que não trocam o CPN por nenhum outro clube, que querem ganhar títulos com esta camisola, e isto porque nós estamos a dar-lhes as mesmas condições, ou até superiores, que o FC Porto ou o Águas Santas dão aos atletas. Sentimos que a mística do andebol do CPN está aos poucos a ser recuperada», frisou José Costa.

    150 ATLETAS

    EM 5 ESCALÕES

    foto
    Neste momento o “universo” do andebol do CPN comporta um total de 150 atletas, divididos por cinco escalões de formação, mais concretamente os minis, os infantis, os iniciados, os juvenis, e os júniores, escalão este que foi reactivado este ano. Ressurgimento da equipa de júniores que fez regressar ao clube alguns atletas que face à inexistência deste escalão tinham rumado para outras paragens, colmatando desta forma uma falha na formação, já que não havia continuidade na formação dos atletas, que chegavam a júniores e tinham que abandonar o CPN em virtude de o clube não ter essa categoria. «Para o nosso projecto poder funcionar correctamente têm de existir todos os escalões de fomação, pois só assim pode haver uma continuidade no trabalho que é iniciado nos minis e termina nos júniores». Num futuro muito próximo os responsáveis da secção pretendem duplicar, ou mesmo triplicar, o número de atletas, estando desde já previsto uma acção informativa sobre este projecto de formação junto dos encarregados de educação das escolas primárias de Ermesinde para que estes possam, caso assim o entendam, colocar os seus filhos a praticar andebol no CPN. Recrutamento de novos atletas que não se restringe apenas à cidade de Ermesinde, mas também a outras freguesias do concelho de Valongo, e não só, pois «neste momento temos miúdos que vêm de Baltar. E uma vez que estamos a utilizar, para jogos, e futuramente para treinos também, os dois pavilhões municipais que recentemente foram inaugurados em Campo e Sobrado, pretendemos divulgar o andebol nessas zonas, e consequentemente captar crianças desses locais para o CPN», informou Pedro Borges.

    Ao nível desportivo este projecto de formação já começa a dar resultados, visto que no ano passado a equipa de infantis sagrou-se campeã regional da categoria. A mesma equipa, no passado mês de Julho, teve uma brilhante prestação no conceituado torneio internacional espanhol Torrellano Cup, que reúne anualmente algumas das melhores equipas deste escalão do andebol europeu, tendo CPN conquistado o terceiro lugar da competição de 2005. Já este ano, foram chamados a integrar os trabalhos da selecção distrital de iniciados cinco atletas propagandistas. E por falar em iniciados, saliente-se que neste momento esta é a equipa em que a secção de andebol do CPN deposita maiores esperanças. «A equipa de iniciados desta época é composta pelos atletas que o ano passado conquistaram o Campeonato Regional de Infantis, sendo, por isso, uma equipa que já trabalha junta há algum tempo. Equipa esta que é composta por jogadores de grande qualidade, alguns deles estão a ser cobiçados por grandes clubes, e que faz desta uma das melhores equipas da actualidade, neste escalão, do andebol ao nível do Distrito do Porto. Uma das nossas metas já foi cumprida, ou seja, conseguirmos o acesso ao Campeonato Nacional. Estando nos Nacionais o objectivo é igualmente vencer, sagrarmo-nos campeões nacionais, pois qualidade para isso ser uma realidade é coisa que nós temos. Aliás, a nossa meta é atingir, a curto prazo, os Campeonatos Nacionais em todos os escalões», sublinhou José Costa.

    REGRESSO

    DOS SÉNIORES

    PODERÁ ESTAR

    PARA BREVE

    foto
    Apesar de a equipa sénior ter sido extinta para esta época, os dirigentes da secção de andebol têm em mente reactivá-la dentro de algum tempo. Isto porque, e segundo os responsáveis do andebol do clube ermesindense, esta aposta na formação permitirá formar uma equipa sénior dentro de dois ou três anos, ou se calhar até mais cedo do que se imagina, composta na sua totalidade por jogadores oriundos das escolas de formação. «Antigamente, não existia um projecto para o andebol do CPN, não havia um rumo definido. Hoje, a realidade é totalmente diferente, pois agora temos objectivos traçados, construimos uma estrutura de base para esta secção. Aos poucos estamos a construir uma secção sólida, estável, neste momento está a ser realizado um trabalho que antes não existia. E se calhar, daqui a algum tempo iremos colher ainda mais dividendos deste trabalho ao aproveitar os jogadores que agora estamos a formar para construir uma equipa de séniores». Um dos actuais motivos de orgulho da secção prende-se com o facto de todos os treinadores terem os ordenados em dia, coisa rara no andebol nacional. E já que falámos em treinadores, convém salientar que outro dos pontos principais deste projecto de formação é o facto de todos os escalões terem treinadores com provas dadas nas camadas jovens do andebol nacional. Aliás, o CPN é das poucas equipas que se pode regozijar de ter um treinador específico para o posto de guarda-redes, em todos os escalões, situação rara no sector da formação. Apesar da estabilidade que agora começa a dar os primeiros sinais de vida, a secção de andebol tem tentando junto do tecido empresarial ermesindense granjear alguns apoios monetários de modo a investir cada vez mais na formação.

    «Há pouco tempo, conseguimos um patrocínio que nos permitiu comprar equipamentos de jogo para todos os escalões. Neste momento queremos equipar todos os miúdos com um fato de treino oficial do CPN, mas isto só será possível se tivermos apoios vindos de fora. Sabemos que a situação económica do país é difícil, mas vamos tentar arranjar mais um ou dois patrocinadores que nos ajudem a dar tudo o que os miúdos precisem para se sentirem bem. Neste momento, aos atletas do CPN não falta nada, eles têm condições que muitos clubes que competem na Campeonato da Elite, ou do Campeonato Nacional da 1ª Divisão, não têm. O CPN tem infraestruturas muito boas, e isso parece que não mas moraliza muito o jogador, visto que sentem que estão num grande clube que lhes dá tudo para que se sintam bem», frisou Pedro Borges.

    ORGANIZAR

    UM TORNEIO

    DE GRANDE NÍVEL

    EM ERMESINDE

    Outra das ideias principais deste projecto é permitir aos jovens jogadores do clube a possibilidade de contactarem com equipas de outras regiões e países, algo que já foi feito no ano passado com a participação na Torrellano Cup, de modo a que os atletas possam não só conviver com outras realidades, como também conhecer outros “estilos” de andebol.

    Em mente a secção do CPN pretende, dentro em breve, organizar um torneio que reúna algumas das melhores equipas nacionais e internacionais de cada escalão, à semelhança do que acontece por exemplo com o basquetebol, que anualmente realiza o seu torneio internacional. Caso isso não possa ser uma realidade para os tempos que se avizinham, a secção tem a intenção de que as suas equipas continuem a participar em torneios de grande prestígio a nível nacional e internacional. A motivação e o empenho de toda a secção de andebol tem sido outro dos grandes trunfos do sucesso que este projecto está a começar a evidenciar. Um projecto que, como já vimos, está a devolver a mística que o andebol do CPN transportou em tempos, e que fez com que fossem ganhos muitos títulos importantes que marcaram a história deste clube. E é essa tal mística, a vontade de alcançar a vitória em cada jogo disputado e o orgulho em vestir a camisola propagandista que começa a ser agora novamente visível no seio desta secção.

    Por: Miguel Barros

     

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.