Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 30-11-2019
Jornal Online

SECÇÃO: Crónicas


foto

Juca Carrumba

Quando era pequenote, os irmãos (cinco) mais idosos, deixaram o interesse em brincar comigo ou participar em casa, no tempo dos trabalhos domésticos ou campesinos ou frequência da Escola, fora do lugar da póvoa! Ouvir e contar estórias, e um ou outros piqueniques de companheiros e festas eram em pequena quantidade; em períodos de tempo curtos e animados... Onde os rebuçados de raminhos coloridos e as bombinhas de rabiar, sobrantes do carnaval, voltavam a assustar as meninas rueiras e alguns matulões, e agricultores de férias!...

Apesar de ser baixote, e forte nas brincadeiras, era hábil e astuto, percorrendo a rua principal e as quelhas, refugiando-me nas cortes dos animais! Até os galos e as pitas entravam nas solenidades! O macho do Jacinto (Juca) mandava pinotes para todos. Era preciso ir avisar o dono para o acalmar. E fornecer canas de milho. Mimo de alimento que servia de manjar!

As alegrias das correrias e das emoções vividas nos caminhos da Fonte da Tenaria iam dar ao caminho das aguadeiras de canecos e pastores de gado miúdo, no meio dos pares de namorados. Nos parapeitos da “Fonte Santa”, enquanto esperavam a vez, ouvia as lendas e narrativas dos Reis e da Santíssima Trindade...

Nas escadas da Capela de fortes blocos graníticos existiam as conversas dos adultos e lavradores inativos. Na primavera e verão as escadas eram o clube do povoado, não só por os dias serem grandes e as águas serem poucas para os milheirais e hortas.

- Está na hora de ir regar a “relva” do lameiro dos Escovais - gritava o Sr. Jacinto (Juca Carrumba) para o filho mais velho, Toninho Juca.

Fui sempre bem tratado pelos palestrantes do dito Clube: passavam a ter cuidado das asneiras, saídas das bocas, ouvia, baixinho, o Pereira dizer:

- Cuidado (!), o menino pode ouvir, e contar!...

As palavras sobre o Brasil (estadias; idas e vindas); localidades de França, vividas durante a guerra mundial eram sagradas nas escutas e sublimadas nos ouvidos! Assim, jamais esqueci o sangue frio e bravura do Soldado Milhões.

O Juca Carrumba, já sem forças para lavrar ou cavar os campos e hortas, era o mais assíduo narrador, e mestre do saber dizer e clamar. Louvo a Deus ter a sorte de podê-lo imitar, quando juntava a pequena rapaziada, e fazia, ou tentava fazer descrever pequenas lendas e contos ou anedotas de rua ou caseiras!

As viagens com os velhos barcos à vela e os aviões de atingir com espingarda, e quase à pedrada do interior das trincheiras, hoje tão recordadas nos trágicos tufões e bruscas evoluções climáticas mais calamitosas do que as guerras antigas. O planeta Terra está em risco? Sim. Mesmo as várias galáxias mostram desagregação!

Foi numa noite escura, de lampiões de lata e vidro, fui com o mano Manel ver um filme ao salão do tio Jacinto (só tinha o telhado). Vi imagens no lençol da parede, onde esquemas da guerra das trincheiras do famoso Milhões! e ovelhas a pastarem em Seia e, vindas para as terras, vinhas e olivais transmontanas e durienses na transumância de inverno.

Tive a promessa, quando a nossa cabra-linda tivesse dois um seria para mim! E assim aconteceu, nesse ano, pela Páscoa!

Passei a ser dono mesmo do cão atrevido, da gata farrusca e da cabrita, recém-nascida, morinha. Vida de agricultor começou?!...

Por: Gil Monteiro

 

 

este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
© 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.