Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-07-2019
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 15-03-2005

    SECÇÃO: Cultura


    foto

    Nadir Afonso no Fórum Cultural de Ermesinde

    Nadir Afonso formou-se em Arquitectura. Companheiro do arquitecto Lanhas na Escola de Belas Artes do Porto, participou com ele em algumas exposições. Esta situação levou-me a perguntar-lhe qual a sua relação com a arquitectura e muito especialmente com arquitectos pintores e pintores arquitectos.

    foto
    – Nunca fui arquitecto, o Lanhas foi. Eu fui sempre pintor. Tirei o curso de Arquitectura por engano.

    Eu vou contar-lhe:

    – Eu vim de Chaves matricular-me na Escola de Belas Artes do Porto. Conhece a escola? Pois, eu cheguei àquele átrio que tem uma escadaria e encontrei dois contínuos meios sonolentos, um de cada lado da escadaria. Dirigi-me a um deles e lá lhe mostrei o meu requerimento para entrar na Escola de Belas Artes no curso de Pintura. O homem olhou-me, e disse:

    – O senhor tem o curso completo dos liceus e que ir para Pintura? Com o curso completo dos liceus vai-se para Arquitectura, mandou-me comprar um novo impresso e eu fiz um novo requerimento a pedir para me inscrever em Arquitectura e assim lá acabei o curso, mas fui sempre pintor.

    foto
    Participou nas "Exposições Independentes", colectivo formado no Porto, onde, em 1943, o grupo se deu a conhecer.

    No catálogo da exposição em Coimbra o grupo explica a designação de independentes: «as exposições não estão comprometidas com nenhum dos "ismos" em que porventura enfileirem, individualmente e divergentemente, os jovens artistas».

    A fotografia que acima se publica é um documento histórico do grupo, e foi publicada na “Portucale” n.º 2, de Dezembro 1966.

    Datando as primeiras ideias e desenhos de Arte Abstracta de Fernando Lanhas de 1942 e 43, em 1947, a "Exposição Independente" tem já um caracter francamente abstraccionista, mostrando trabalhos de Nadir Afonso, Artur da Fonseca, Gariso do Carmo, Arlindo Rocha e Fernando Lanhas.

    foto
    Em 1946 estuda Pintura na École des Beux Arts em Paris e consegue uma bolsa de estudo do Governo francês.

    – Mas mesmo assim trabalhou para os arquitectos Oscar Niemeyer e Le Corbusier...

    – Apenas como trabalho. Nunca deixei de ser pintor.

    Regressa a Paris em 1954 depois de ter trabalhado com Niemeyer no Brasil.

    Reconhecido como pintor da vanguarda da arte mundial, expõe na Galeria Denise René e no Salon des Realités Nouvelles.

    Nos finais dos anos 60 viu finalmente a sua obra consagrada através do Prémio Nacional de Pintura 1967 e do Prémio Sousa Cardoso 1969.

    É de um Homem como Nadir Afonso, que já faz parte da História da Pintura, a exposição "Cidades", que se encontra no Fórum Cultural de Ermesinde até 30 de Abril de 2005.

    TEXTO: FERNANDA LAGE

    FOTOGRAFIA: MANUEL VALDREZ

     

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.