Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-12-2020
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 30-01-2006

    SECÇÃO: Destaque


    A multiplicação das imagens

    Se, inicialmente, os corpos das máquinas fotográficas, pesados e volumosos, impunham um limite ao número de chapas fotográficas, logo os inventores se debruçaram no sentido de torná-lo possível ou, em alternativa, de obter várias fotografias a partir da mesma chapa.

    Assim, se alguns encontraram a maneira de mudar a chapa sem a retirar do aparelho, outros prosseguiram escolhendo «a via da multiplicação das imagens, inventando a chapa móvel, a objectiva deslocável ou a bateria de objectivas» (“L’Appareil Photo”, Crown Publishers, EUA, 1978).

    É desta última tentativa de solução, que se serviu o aparelho construído em 1859 por Hermagis (imagens na edição em papel de "A Voz de Ermesinde").

    As quatro objectivas eram montadas numa placa encastrada profundamente numa espécie de gaveta situada no interior do corpo da máquina. Quando em repouso, estas objectivas ficavam protegidas por uma cortina rolante.

    Umas portinholas abriam-se lateralmente para permitir aceder às objectivas. Descobrindo estas, uma a uma, ou várias ao mesmo tempo, podiam-se obter uma, duas, três ou quatro tomadas de vista simultaneamente numa mesma chapa.

    IMAGEM L'APPAREIL PHOTO
    IMAGEM L'APPAREIL PHOTO
    OUTRA SOLUÇÃO

    Esta câmara Múltiplo Retrato de Dallmeyer, é posterior à câmara de Hermagis, datando de 1866. Na imagem, vista de frente e de trás, consegue perceber-se que possuía um mecanismo de deslocamento horizontal e vertical, permitindo-lhe tomar quatro vistas na mesma chapa.

    Por: AVE

     

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.