Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-12-2020
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 30-01-2006

    SECÇÃO: Desporto


    FUTEBOL – CAMPEONATO NACIONAL DA 3ª DIVISÃO – SÉRIE B – 17ª JORNADA

    Ermesinde não foi além de um empate a dois golos na recepção ao Cinfães

    O Ermesinde não conseguiu melhor do que uma igualdade a duas bolas na recepção ao Cinfães, numa partida referente à 17ª ronda (e última da primeira volta) da Série B do Campeonato Nacional da 3ª Divisão. Um empate que acaba por ser um mal menor, já que os ermesindistas, apesar de terem sido durante todo o encontro a equipa que mais vezes se acercou das redes contrárias, estiveram sempre em desvantagem no marcador perante uma equipa muito bem organizada defensivamente e que fez do contra-ataque a sua arma letal. Um resultado que faz com que o conjunto dos Sonhos tenha descido para a oitava posição da classificação, agora com 23 pontos somados.

    Foto MIGUEL BARROS
    Foto MIGUEL BARROS
    Depois do empate a uma bola alcançado no terreno do vizinho e rival Valonguense, relativo à ronda 16, o Ermesinde recebeu no seu estádio, no passado dia 21, a equipa do Cinfães, num jogo da 17ª e última jornada da primeira volta do Nacional da 3ª Divisão. Desde o apito inicial do árbitro que viajou de Braga que a equipa orientada por José Augusto tomou de assalto a baliza forasteira, tendo o primeiro sinal de perigo sido dado ao minuto cinco quando, na sequência de um livre junto à entrada da área, Hernâni atirou o esférico ao poste das redes à guarda de Rui Cruz. Após este lance as investidas à baliza do Cinfães continuavam a surgir em catadupa, embora sem causar dificuldades maiores para o sector mais recuado dos visitantes que, de uma forma aguerrida e concentrada, iam afastando como podiam o perigo da sua área. Após esta entrada avassaladora do Ermesinde, o jogo entrou, a partir do minuto 15, numa toada de algum equilíbrio, com o Cinfães a espreitar de quando em vez a baliza ermesindista, umas vezes na sequência de ataques organizados, outras através da sempre perigosa arma do contra-ataque. E foi numa dessas contra-ofensivas que os visitantes abriram o marcador, quando Rogério deu o melhor seguimento a um cruzamento de Abreu para o poste mais distante da baliza de Casqueira, que nada pôde fazer perante o cabeceamento vitorioso do avançado do Cinfães. A reacção do Ermesinde não se fez esperar, e cinco minutos volvidos Tiago Carvalho recuperou uma bola a meio campo endereçando-a em seguida a Quim, que só com o guardião contrário pela frente não teve dificuldades em restabelecer a igualdade. Golo este que não esmoreceu a garra dos atletas do Cinfães, que continuavam a fazer o seu jogo baseado na solidez defensiva e na arte do contra-ataque, e não foi com surpresa que, aos 37 minutos, Sílvio recolocou a sua equipa em vantagem no marcador. O intervalo chegou pouco depois com os visitantes a vencer então por duas bolas a uma.

    ERMESINDE

    DÁ TUDO POR

    TUDO NA

    SEGUNDA

    PARTE

    Como seria de esperar, o Ermesinde principiou a etapa complementar ao ataque, dando o tudo por tudo na tentativa de anular a desvantagem no marcador, tendo o técnico José Augusto alterado ao intervalo o seu “xadrez”, substituindo um defesa (Bruno Cruz) por um avançado (Paulo). Tarefa que não se afigurava nada fácil, já que a defensiva visitante continuava a desempenhar muito bem as suas funções. Mas como diz o velho ditado popular de que “água mole em pedra dura tanto bate até que fura”, o Ermesinde acabou por ver premiadas, aos 72 minutos, as inúmeras investidas que levou a cabo à baliza contrária durante a etapa complementar, quando o argentino Cristian aproveitou da melhor maneira um passe longo do capitão Fernando Almeida para empatar o encontro a duas bolas. Não contente com esta igualdade, os ermesindistas instalaram-se definitivamente no meio campo adversário, fazendo uma pressão sobre o último reduto do Cinfães quase sufocante, na tentativa de chegar ao golo da vitória. Cinfães que, por sua vez, ia afastando o perigo da sua área da forma como podia, com maiores ou menores dificuldades, e sempre que lhe era permitido colocava em prática a perigosa táctica do contra--ataque, mas que na maior parte das vezes não constituiu ameaça para as redes de Casqueira. Apesar desta pressão avassaladora do Ermesinde o resultado não mais viria a ser alterado até ao final do encontro. Um empate que deixa mais satisfeitos os visitantes do que o conjunto do Ermesinde, que em praticamente todo o jogo não encontrou a fórmula para contornar a bem escalonada defesa do Cinfães. Equipa do Ermesinde que irá voltar à acção neste Nacional da 3ª Divisão apenas no próximo dia 5 de Fevereiro (desloca-se ao terreno do Ataense), já que no passado dia 29 de Janeiro, altura da realização da 18ª jornada desta prova, os ermesindistas estiveram de folga.

    Por: Miguel Barros

     

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.