Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-07-2020
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 30-01-2006

    SECÇÃO: Desporto


    ANDEBOL - CAMPEONATO NACIONAL DA 2ª DIVISÃO DE SÉNIORES FEMININOS - 1ª FASE/NORTE - 9ª E 10ª JORNADAS

    Ermesinde inicia segunda volta do campeonato com uma vitória

    A principal equipa de andebol feminino do Ermesinde principiou da melhor maneira a segunda volta do Campeonato Nacional da 2ª Divisão ao bater em casa o Vigorosa por 25-16, em jogo a contar para a 10ª ronda da citada prova. Uma partida onde a equipa ermesindista sem fazer grandes esforços foi sempre superior ao seu adversário. Este é um resultado que de certa forma faz esquecer o desempenho menos conseguido que as jogadoras do emblema dos Sonhos tiveram na 9ª jornada da competição, quando na sua própria casa foram facilmente derrotadas pelas “vizinhas” do Santa Joana por 22-37.

    Foto MANUEL VALDREZ
    Foto MANUEL VALDREZ

    Foi sem grandes dificuldades que o Ermesinde conseguiu vencer o encontro que marcou o início da segunda metade do Campeonato Nacional da 2ª Divisão, ante o Vigorosa. Desde cedo ficou bem patente que muito dificilmente os três pontos em disputa iriam fugir das mãos das ermesindistas, não só pela pressão quase asfixiante que imprimiram logo no primeiro minuto de jogo, mas sobretudo pelas fragilidades ofensivas e defensivas também desde cedo evidenciadas pelas andebolistas do Vigorosa. Foi pois com naturalidade que à medida que o cronómetro ia avançando neste primeiro tempo o Ermesinde ia dilatando a sua vantagem no marcador, tendo o excelente desempenho das suas jogadores Sofia Silva, Helena Silva, Patrícia Andrade, e Joana Gonçalves sido preponderante para esta elevada eficácia ofensiva. E se a nível ofensivo as coisas corriam pelo melhor, no sector mais recuado o panorama era idêntico para o conjunto do Ermesinde, já que o Vigorosa raramente causava perigo para a guarda-redes ermesindista Sandra Ramos, que nas poucas vezes em que interveio nesta etapa inicial fê-lo sempre de uma forma segura e atenta, contribuindo para que ao intervalo a vantagem da sua equipa no marcador fosse de sete golos (15-8). No reatamento a toada de jogo manteve-se, com o Ermesinde a atingir a maior diferença de golos neste jogo à passagem do minuto 15, altura em o marcador indicava 21-9 a favor das pupilas de Alípio Baptista. Cientes de que a vitória estava já consumada, as ermesindistas, a partir desta altura, descontraíram um pouco, permitindo desta forma que o Vigorosa acordasse da monotonia em que se pautava o seu jogo até então e passasse a exercer uma maior pressão sobre as atletas da equipa da casa. Pressão esta que nos 15 minutos finais foi traduzida na obtenção de sete golos contra apenas quatro do Ermesinde. Apesar deste relaxamento nos minutos finais do encontro a vitória de 25-16 das ermesindistas é inteiramente merecida, pois foram, como já vimos, a melhor equipa dentro do campo. Com este resultado o Ermesinde ascendeu à quarta posição da tabela classificativa, com 21 pontos conquistados, embora tenha mais um jogo disputado que as restantes equipas.

    SANTA JOANA

    FOI A EQUIPA

    MAIS FORTE

    NA 9ª JORNADA

    Uma semana antes (14 de Janeiro) deste jogo entre o Ermesinde e o Estrela Vigorosa, o Pavilhão Gimnodesportivo de Ermesinde foi o palco escolhido para o reencontro de dois velhos conhecidos do andebol cá do burgo, nomeadamente o Ermesinde e o Núcleo Desportivo Santa Joana. Última equipa esta que, como é sobejamente conhecido, nasceu na cidade de Ermesinde, mais concretamente no Externato Santa Joana, sendo que, no entanto, questões relativas à falta de apoios camarários levaram este grupo a mudar-se de “armas e bagagens” (há cerca de seis anos) para o concelho da Maia.

    No entanto, as ligações deste grupo a Ermesinde continuam a ser mais do que muitas, mais especificamente pelo facto do grosso das suas atletas, técnicos e dirigentes terem as suas raízes na nossa cidade. Por tudo isto nada mais lógico do que pudermos considerar este encontro (na foto) relativo à 9ª jornada do Nacional feminino da 2ª Divisão como um dérbi local. Jogo este que foi vencido pela formação do Santa Joana por 37-22, uma equipa que apresentou um andebol de elevada qualidade e que não teve dificuldades acrescidas para levar de vencida um Ermesinde que inicialmente deu mostras de poder discutir o triunfo final, mas que com o “andar da carruagem” foi cedendo ao poderio evidente das jogadoras do Santa Joana. Em relação ao filme da partida voltamos a dizer que os primeiros minutos foram dominados pelas ermesindistas, que além de terem apresentado uma elevada eficácia concretizadora, aproveitaram ainda o ligeiro desnorteamento ofensivo e defensivo que se apoderou das atletas do Santa Joana. Nos últimos 10 minutos da etapa inicial o conjunto do Santa Joana corrigiu esta sua postura menos boa e encetou então uma reviravolta fantástica quer no marcador, quer em termos exibicionais, encostando por completo o Ermesinde “às cordas”. Reviravolta esta que deu os seus frutos, já que ao intervalo o Santa Joana vencia já confortavelmente por 18-11. No início do segundo tempo o Ermesinde tentou anular a desvantagem, mas em vão, pois o Santa Joana não tirou o “pé do acelerador” e continuou a dilatar a sua superioridade no marcador, anulando desde logo quaisquer tipo de dúvidas em relação ao vencedor deste jogo. Apesar de conscientes de que a vitória era já uma miragem as jogadoras ermesindistas lutaram até ao fim, dignificando ao máximo a camisola verde e branca do emblema dos Sonhos, conseguindo mesmo atenuar a largar desvantagem no marcador para 22-37, resultado este com que, como já referimos, se chegou ao final do encontro.

    Por: Miguel Barros

     

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.