Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-01-2020
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 15-10-2005

    SECÇÃO: Local


    Acção de protesto na palmilheira contou com a ajuda do Bloco de Esquerda de Valongo

    Bairro Agras Novas contra novo percurso do 705 (ex-60)

    Foto MANUEL VALDREZ
    Foto MANUEL VALDREZ
    A população do bairro social Agras Novas, na Palmilheira, levou a cabo, no passado dia 6 de Outubro, uma manifestação na Avenida Duarte Pacheco (junto à saída do apeadeiro de Águas Santas) devido à suspensão da linha de autocarro 60 (actual 705) naquela zona da cidade de Ermesinde. Uma situação que, segundo os moradores do referido bairro, tem afectado imenso a vida dos seus quase 300 habitantes. Nas palavras de Vítor Sousa, representante do grupo de moradores do bairro Agras Novas, a suspensão deste autocarro veio transtornar por completo a vida de todos os habitantes do bairro, em especial dos mais idosos, que representam uma boa fatia dos habitantes deste local. “Este autocarro sempre foi muito importante para estas pessoas, pois era o único meio que tinham para se deslocar ao Hospital S. João, já que aqui vivem inúmeras pessoas portadoras de doenças graves e que necessitam de ir mais do que uma vez por semana ao hospital. Outras precisam de se deslocar ao cemitério e agora não têm como. Não sabemos porque razão a STCP (Serviços de Transportes Colectivos do Porto) tirou daqui esse transporte, já que ninguém dessa empresa nos deu quaisquer tipo de satisfação para o sucedido”. Entretanto, este grupo de moradores fez chegar uma carta à Câmara Municipal dando conta deste problema que surgiu há cerca de um mês – altura em que a STCP suspendeu a carreira em questão naquela zona –, ao que a autarquia, em comunicado, respondeu que apesar de não ter poderes sobre a STCP, tudo irá fazer junto desta instituição para que este problema seja resolvido. O documento da autarquia informava ainda que depois de uma reunião entre a Câmara de Valongo e a STCP em 1 de Setembro, ficou acordado que a empresa de transportes iria estudar mais aprofundadamente esta questão. A 20 de Setembro último a autarquia voltou a relembrar, através de um ofício, a questão à STCP, pese embora até hoje não tenha obtido nenhuma resposta da empresa. Relembre-se que a carreira 60 (actual 705) deixou de passar pela Avenida João de Deus, sendo que actualmente chega ao cruzamento do Alto da Maia e segue em frente até ao Maia Shopping, deixando por isso de descer a Avenida Duarte Pacheco até à entrada na Avenida João de Deus.

    BLOCO

    DE ESQUERDA

    APOIOU MORADORES

    DO BAIRRO

    NESTA QUESTÃO

    Os moradores do bairro Agras Novas tiveram nesta sua “luta” pessoal a ajuda do Bloco de Esquerda (BE) de Valongo Para Eduardo Valdrez, a questão dos transportes – ou da falta deles – carecia de uma maior atenção da parte da Câmara de Valongo, dando em seguida como exemplos os casos da Rua Vasco da Gama, em Alfena, e do zona da Abelheira, em Valongo, duas zonas que também têm sofrido nos últimos tempos com a falta de transportes. «As populações destas zonas são como que obrigadas a um recolher obrigatório, já que a partir de uma certa hora os transportes deixam de existir nessas zonas. Em relação a este problema com a população do bairro Agras Novas, a Câmara veio a público dizer que está a tentar resolver o assunto, mas isso só acontece porque estamos em vésperas de eleições (estas declarações do líder do BE de Valongo foram prestadas antes do acto eleitoral do passado dia 9). A autarquia tem desprezado por completo este problemas dos transportes. Em vez de continuarem com os seus projectos megalómanos, poderiam olhar com mais atenção para este tipo de problemas com os quais as pessoas se debatem no dia-a-dia, como é o caso da falta de transportes».

    Neste campo particular, Eduardo Valdrez defende que deveria existir uma nova política de transportes no concelho. Uma política que deveria assentar na criação de uma rede de transportes criada pela autarquia, que fizesse a ligação entre as cinco freguesias do concelho. O bloquista fez questão de frisar ainda que teme que esta situação da suspensão de linhas de autocarro aconteça em outros locais do concelho, voltando a sublinhar que a Câmara deveria ter um papel mais determinado neste assunto.

    Por: Miguel Barros

     

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.