Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 30-04-2019
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 28-02-2019

    SECÇÃO: História


    foto
    ACONTECEU HÁ UM SÉCULO(1)

    A restauração da Monarquia no Porto

    Há cem anos, na segunda quinzena do mês de janeiro e na primeira do mês de fevereiro, prosseguiam os combates entre os republicanos fiéis ao governo e os monárquicos refugiados na capital do Norte. A restauração da Monarquia foi feita por Henrique Paiva Couceiro na cidade do Porto, no dia 19 de janeiro de 1919, com repercussões em Monsanto (Lisboa) quatro dias depois, o país ficou praticamente no estado de guerra civil, com os monárquicos na capital do norte a tentarem resistir à pressão das forças republicanas. Aguentaram 25 dias, até 13 de fevereiro de 1919.

    O GOVERNO MONÁRQUICO IMPRIMIU O "DIÁRIO DA JUNTA GOVERNATIVA DO REINO"
    O GOVERNO MONÁRQUICO IMPRIMIU O "DIÁRIO DA JUNTA GOVERNATIVA DO REINO"
    A primeira página de “A Capital”, do dia 30 de janeiro de 1919, é inteiramente dedicada ao Movimento Monárquico. Num dos primeiros subtítulos desse diário republicano da noite, procuram sossegar-se os republicanos, quanto à unidade que há entre os membros do governo nesta matéria: «Podemos afirmar que o governo já deliberou pôr em execução certas medidas que satisfazem por completo as reclamações da opinião republicana. Os presos monarchicos serão impossibilitados, por uma rigorosa incommunicabilidade, de praticarem quaisquer manejos contra a Republica». Já a “Ilustração Portuguesa” de 10 de fevereiro de 1919 dá conta do apoio popular ao governo presidido pelo mesmo José Relvas que, quase nove anos antes, havia proclamado a República, na varanda dos Paços do Concelho de Lisboa. A este propósito aí se escreve o seguinte: «Domingo, 2 de fevereiro, o povo republicano de Lisboa, desprezando o rigor da invernia, levou a cabo com um entusiasmo indescritivel uma das mais calorosas e vibrantes manifestações que teem sido feitas em honra e apoio do governo. Milhares de pessoas congregaram-se na Rotunda e desceram a Avenida empunhando bandeiras nacionaes e erguendo vivas á Patria e á Republica, a caminho do Terreiro do Paço, onde, a pé firme, sob as cordas de chuva, o regimen e os seus homens mais prestigiosos foram delirantemente aclamados».

    EPISÓDIOS BELICISTAS DA “MONARQUIA DO NORTE”

    ATÉ BILHETE-POSTAL DA MONARQUIA DO NORTE FOI RAPIDAMENTE ADAPTADO AO NOVO REGIME
    ATÉ BILHETE-POSTAL DA MONARQUIA DO NORTE FOI RAPIDAMENTE ADAPTADO AO NOVO REGIME
    A imprensa afeta aos republicanos de há cem anos dá conta dos movimentos contra o governo monárquico de Paiva Couceiro, no Porto, por parte das forças militares fiéis ao governo republicano, desde 27 de janeiro de 1919 presidido pelo homem que proclamou a República no dia 5 de Outubro de 1910, José Relvas. Assim, de Lisboa, na noite de 5 para 6 de fevereiro parte o navio Pedro Nunes, armado com duas peças à proa de 12 cm e à popa quatro peças, sendo duas de 47 mm e duas de 76 mm. No barco afeto à causa republicana é recebida a mensagem enviada pelo posto telegráfico de Monsanto que saúda as forças republicanas de terra e de mar e termina com um “viva” à República.

    Os monárquicos iam ficando cada vez mais confinados à cidade do Porto. Um pouco por todo o país, hostes republicanas encaminhavam-se para a capital do Norte. Em Aveiro, no dia 5 de fevereiro, foram aprisionadas tropas monárquicas por militares republicanos. Um “raid” de hidroaviões lançou 4 bombas sobre o caminho-de-ferro em Espinho, cortando a ligação férrea com o Porto. Outros hidroaviões lançaram propaganda política republicana sobre a cidade do Porto. Ainda no mesmo dia, em Coimbra, foram presas várias pessoas ligadas ao ideal monárquico e outras fugiram da cidade, controlada pelos republicanos. Ainda no dia 5 de fevereiro, de Castelo Branco, partem várias forças de infantaria, cavalaria e artilharia com destino ao Porto para combaterem as tropas ao serviço de Paiva Couceiro. Há também notícias de mobilização de civis. E são organizados donativos que têm em vista a compra de agasalhos e de tabaco para os soldados que combatem pela República. Já na imprensa do dia 7 de fevereiro se refere que 60 alunos do Colégio Militar se ofereceram para combater contra os monárquicos; se noticia que ao fim da tarde desse dia, de Santa Apolónia, seguirá mais um comboio especial, com destino ao Entroncamento, carregado com cerca de 200 militares sob o comando de um capitão.

    O FIM DA GUERRA CIVIL, ENTRE MONÁRQUICOS E REPUBLICANOS

    Depois de 25 dias de Monarquia na capital do Norte, os republicanos conseguiram triunfar e ter de volta, em todo o país, o regime republicano. O Quartel-General Monárquico de Paiva Couceiro estabelecera-se no Hotel Universal do Porto.

    (...)

    Leia este artigo na íntegra na edição impressa.

    Nota: Agora pode tornar-se assinante da edição digital por 6 euros por ano. Após fazer o pagamento (de acordo com as mesmas modalidades existentes na assinatura do jornal impresso) deverá enviar-nos o nome, o NIF e o seu endereço eletrónico para lhe serem enviadas, por e-mail, as 12 edições em PDF.

    Por: Manuel Augusto Dias

     

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.