Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-07-2019
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 28-02-2019

    SECÇÃO: Destaque


    10.º ANIVERSÁRIO DOS CABEÇAS NO AR E PÉS NA TERRA

    A arte do improviso... num momento improvisado

    foto
    Que bela e agradável surpresa nos foi reservada na terceira noite de comemorações dos dez anos de vida dos Cabeças no Ar e Pés na Terra. Uma surpresa que inicialmente não estava prevista! Passamos a explicar. Para a noite de 16 de fevereiro estava agendada a peça “Fireman”, uma co-produção dos Cabeças no Ar e Pés na Terra e da Estaca Zero Teatro, um espetáculo que seria oferecido aos Bombeiros Voluntários de Ermesinde (BVE), visando igualmente a angariação de fundos para esta associação humanitária. Porém, na véspera, o adoecimento de um dos atores fez com que o espetáculo tivesse de ser cancelado, tendo a solução de substituição recaído numa peça que já não subia ao palco há três anos. Solução arriscada? Não, tendo em conta a magnífica atuação do Teatro Assombrado, que repôs em Ermesinde a peça “Auto da Burla do Amor”. Quais bombeiros de emergência, os atores Jorge Neto (esse mesmo, o “Rato” de Balas & Bolinhos), Filipe Joel e Sérgio Silva ensaiaram à pressa na tarde de 16 de fevereiro a peça para a levarem à cena nessa noite, tendo o resultado sido... brilhante.

    De acordo com a sinopse, a peça conta «uma história de teatro tão cómica quanto trágica, que resume o caminho lascivo e sinuoso de dois personagens na busca da felicidade material de um e espiritual de outro». Um deles, Bufão, suspira por uma bela donzela para casar, não importando para atingir esse fim que se faça passar por um homem rico... que na verdade não é. O outro, de olho nessa aparente riqueza tenta “vender-lhe” a filha... que não tem”. Mais do que o cómico enredo, a peça valeu pela interação dos atores com o público, num constante diálogo improvisado - quiçá, ou não, pelo facto de o texto da peça estar um pouco esquecido na memória dos atores, que dessa forma tiveram de improvisar alguns diálogos. O que é certo é que esses momentos de improviso conferiram à peça um brilho ainda maior. Grande momento de teatro, merecedor de todos os aplausos recolhidos no final. E por falar em recolha, há que dizer que apesar de “Fireman” ter sido cancelado houve na mesma a recolha de fundos a favor dos BVE. Aliás, grande parte do público que praticamente encheu a sala do Fórum Cultural era afeto aos “soldados da paz” da nossa Cidade.

    No final do espetáculo, os dirigentes e corpo ativo (na pessoa do comandante Sérgio Barros) dos BVE parabenizaram os Cabeças no Ar e Pés na Terra não só pelo aniversário que comemoravam, mas sobretudo pela iniciativa no sentido de ajudar a corporação com esta recolha de fundos, agradecendo por isso o gesto. Aliás, e a propósito da cómica peça de teatro a que ali tínhamos acabado de assistir, o comandante dos BVE, Sérgio Barros, teceu um comentário pertinente: «sorrindo, temos menos propensão a doenças e nesse sentido não precisamos tanto dos bombeiros!».

    Por: MB

     

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.