Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-10-2019
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 31-05-2016

    SECÇÃO: Destaque


    7ª EDIÇÃO DA MOSTRA DE EMPREGO E FORMAÇÃO DO CONCELHO DE VALONGO

    VALorizar 2016 apresentou-se como... uma luz ao fundo do túnel!

    Fotos MANUEL VALDREZ
    Fotos MANUEL VALDREZ
    O Fórum Cultural de Ermesinde acolheu nos passados dias 11 e 12 de maio a 7ª edição da VALorizar - Mostra de Emprego e Formação do Concelho de Valongo. A iniciativa, promovida pela Câmara Municipal de Valongo, reuniu um total de 32 entidades distribuídas pelas áreas da educação, empreendedorismo, emprego e formação, sobretudo esta última, já que foram várias as ofertas formativas dadas a conhecer aos visitantes que passarem pelo certame ao longo dos dois dias.

    A cerimónia de inauguração desta 7ª VALorizar ocorreu na manhã do dia 11 e contou com a presença de diversas figuras públicas locais, entre outros os presidentes da CMV e da Junta de Freguesia de Ermesinde, respetivamente José Manuel Ribeiro e Luís Ramalho, vereadores do Executivo camarário, bem como diversos dirigentes dos agrupamentos de escolas do concelho, os quais tiveram oportunidade de assistir a um curto mas deveras criativo apontamento musical protagonizado pelo coro de alunos dos 5º e 6º anos do Agrupamento de Escolas S. Lourenço, que assinalou a abertura oficial da mostra. Posto isto, usaria da palavra José Manuel Ribeiro, que começaria por se referir a este evento como uma boa iniciativa lançada há sete anos atrás pela então vereadora Maria Trindade Vale, o qual exibe as ofertas existentes no concelho - e não só - além de colocar em contacto o público com os "atores" do setor da formação e da empregabilidade. Lançou em seguida um conselho a uma plateia constituída maioritariamente por jovens, no sentido de que não podemos continuar a viver num clima depressivo que nos impede de ver que as oportunidades existem. E pegando na temática das oportunidades o autarca sublinharia em seguida o facto de Valongo ser um concelho com inúmeras potencialidades, mesmo estando situado na periferia da cidade do Porto. «Não nos podemos resignar com o facto de sermos subúrbio, temos potencialidades e um conjunto de fortes tradições», disse. Neste último ponto destacou algumas das marcas que constam do "bilhete de identidade" do concelho, caso do brinquedo tradicional, do pão, e da festa da Bugiada e Mouriscada, marcas que em seu entender têm de ser exploradas para atrair visitantes, pois «quando fizermos isso estamos a criar emprego», dando em seguida o exemplo de outros concelhos onde as marcas tradicionais têm sido bem usadas não só na perspetiva de atrair visitantes como também na criação de emprego. «Este é o jogo, e sei que nós vamos conseguir ser bem sucedidos», rematou José Manuel Ribeiro pouco antes de efetuar uma visita pela mostra. Como inicialmente foi referido a 7ª edição da VALorizar foi preenchida essencialmente pelas ofertas ao nível da formação, e não tanto ao nível da empregabilidade, residindo neste ponto mais uma prova de que a crise do emprego ainda é uma realidade. Foram pois vários os caminhos do futuro apontados por diversas escolas profissionais, empresas e alguns estabelecimentos de ensino superior que aqui se fizeram representar. As ofertas passavam sobretudo pela formação técnico-profissional, em áreas como a eletrónica, a restauração ou a ourivesaria, que ali se mostraram aos olhos do muito público que nestes dois dias passou pelo Fórum Cultural de Ermesinde. Público na sua maioria jovem, muitos jovens, em busca de um caminho para o futuro. O programa do evento englobou ainda um conjunto de worshops, a saber, "Ação Capacitar +" (promovida pela Centro Social de Ermesinde e cujos desenvolvimentos podemos ver numa das caixas de texto ao lado), "Fashion Tunning", "Quer criar um negócio? O microcrédito pode ser a solução", e "A linguagem corporal na procura de emprego".

    CENTRO SOCIAL DE ERMESINDE

    DE NOVO PRESENTE

    Foto CMV
    Foto CMV

    Uma das muitas entidades que voltou a marcar presença na mostra foi o Centro Social de Ermesinde (CSE), que através da valência Centro de Formação deu a conhecer alguns dos projetos que vem desenvolvendo na área da formação e do emprego, entre outros a Feira Venda de Saberes e o Trabalho Pró Boneco. Em representação do Centro na abertura do certame estiveram Adelino Soares, membro da Direção da instituição, Albertina Alves, Diretora Técnica da valência Centro de Formação, e diversos técnicos da referida valência. Ainda no âmbito da Mostra de Emprego e Formação o CSE promoveu a ação Capacitar+, desenvolvida no âmbito do Contrato Local de Desenvolvimento Social, Terceira Geração (CLDS 3G), e em articulação com o Centro de Emprego de Valongo (CEV), envolvendo cerca 300 desempregados com formação superior. A sessão visou apresentar as medidas ativas de emprego, com uma abordagem sobre os vários programas dirigidos aos desempregados, sob a tutela do Instituto de Emprego e Formação Profissional; seguido de uma ação sobre estratégias de auto-promoção, que se focou nos cinco pilares fundamentais no processo de promoção da marca pessoal essenciais para a procura ativa de emprego. Como é sabido, a imagem pessoal é atualmente decisiva para o sucesso, tanto na recolocação como na ascensão profissional, mas também no momento da contratação. A alta taxa de desemprego impõe a quem procura emprego uma grande destreza e capacidade de se diferenciar entre os demais; daí a importância do conhecimento de estratégias de marketing pessoal que destaquem e promovam os desempregados. Esta ação contou com as oradoras Sandra Simão, coordenadora e do CEV e conselheira da rede EURES e Sandra Ribeiro, master coach trainer especialista no desenvolvimento de marcas.

    ENTIDADES PRESENTES

    foto
    Como já foi referido, marcaram presença na 7ª edição da Mostra de Emprego e Formação do Concelho de Valongo 32 entidades, nomeadamente a Câmara Municipal de Valongo (através do seu Clube de Emprego); o Instituto de Emprego e Formação Profissional de Valongo; a Associação Industrial e Comercial do Concelho de Valongo; a Escola Profissional de Valongo; a Associação para o Desenvolvimento Integrado da Cidade de Ermesinde; a Fundação da Juventude; a Escola de Comércio do Porto; o Exercito Português; o CENFIM; o Instituto Profissional de Tecnologias Avançadas; o Centro DUAL; o CINDOR - Centro de Formação Profissional da Indústria da Ourivesaria e Relojoaria; a MODATEX - Centro de Formação Profissional da Indústria Têxtil, Vestuário, Confeção e Lanifícios; a Associação Nacional de Direito ao Crédito; a AGITO - Formação e Serviços; a Consultâmega - Consultoria e Formação; a Qualiforma; a Escola de Moda do Porto; o CICCOPN - Centro de Formação Profissional da Indústria da Construção Civil e Obras Públicas do Norte; o CINEL - Centro de Formação da Indústria Eletrónica; o Instituto Superior Politécnico Gaya; a Escola Profissional da Árvore, a Escola Profissional Bento de Jesus Caraça; o ISLA - Instituto Politécnico de Gestão e Tecnologia; a Universidade Lusófona; o CESPU - Cooperativa de Ensino Superior Politécnico e Universitário; a Escola Profissional Alternância; os agrupamentos de escolas de Ermesinde, Valongo, Campo e Alfena; o Agrupamento de Escolas Vallis Longus; e claro, o Centro Social de Ermesinde.

    Por: Miguel Barros

     

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.