Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 30-06-2022
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 01-03-2014

    SECÇÃO: Crónicas


    foto

    Carta de amor

    Depois de Fernando Pessoa ter escrito: «Todas as cartas de amor são ridículas»!, é preciso arrojo para escrever sobre tal assunto! Mas, como hoje é Dia dos Namorados, a coragem chegou.

    Namorar é bom. A vida devia ser de amor pleno. Daí as cartas específicas, para esse efeito, não terem muito sentido, e estarem a caminho da extinção. Mesmo nas atividades difíceis do dia a dia as cartas devem ser examinadas com bom senso, à espera de os assuntos serem tratados em concórdia (fácil de dizer e escrever!...). Os seres vivos da natureza e os domésticos também têm que ser respeitados. Na falência do meio ambiente, cada vez mais ameaçado, está a sobrevivência do homem no planeta Terra.

    Os conversados das aldeias, antigamente, namoravam aos domingos a caminho da fonte, enquanto as futuras noivas andavam de caneco à água. Quando chegava o tempo do serviço militar, poucos escreviam às namoradas, por serem analfabetos ou não terem dinheiro para os selos.

    O tio Brito, que usava lenço vermelho ao pescoço, tocava concertina e deitava os foguetes, durante a procissão pelos caminhos da aldeia, nas festas de Santa Maria Madalena, contou-me:

    «– A minha Ester bem escrevia para o quartel de Tavira, mas eu não tinha dinheiro para selos, remetia duas no mesmo envelope! Até que um dia, com muita paciência, fui tirando a tinta do selo da carta recebida e colei-o na minha... Ao saber, na resposta, que a cabra morinha tinha tido dois cabritinhos até chorei de alegria!...».

    O Jorge, destacado do Regimento de Infantaria de Vila Real para a Serra do Pilar (Gaia – Porto), na primeira carta para a namorada de Paradela, e com receio que se perdesse, escreveu, por fora, do envelope:

    «– Vai-te carta, vai-te carta, pelo meio dos pinheirais;

    O meu coração fica a dar muitos ais!».

    Andava na 2ª Classe quando escrevi a primeira carta de amor! Comecei cedo, mas do pior modo – resultado incrível!

    O moço dos bois do Sr. Correia, aos 15, 16 anos, perdeu-se (ou encontrou-se) de amores com a Alice do Rocha, a começar a mostrar corpo de mulher, nas idas às feiras de São Martinho ou às missas de domingo. Como um criado “falar” à filha de um lavrador era “pecado”, e o escrever-lhe impossível, pois era analfabeto e, ainda, tinha vergonha de pedir ao Safadinho, ilustre ex-brasileiro e escriba da terra, fui obrigado a tentar a solução para o intrincado problema.

    foto
    Apesar de mal saber alinhavar uma cópia – frequentava o 2º Ano na escola da Regente D. Albertina –, aceitei o desafio. Munido de papel e lápis, fui ter com o Zé, ao monte da Eirinha, onde apascentava os bois do patrão, para escrever a carta. Preparada a banca em pedra lisa, perguntei:

    – Fala, que eu escrevo!

    Como não disse palavra ou frase, passei a ser eu o Zé, pedindo namoro à Alice. O papel dobradinho foi ter, por artes mágicas, ao bolso do gabiru do Inácio!!!

    Os feijoeiros, retirados dos campos de milho, aguardavam os serões à lareira para debulha, em convívio de amigos e familiares.

    Pois, no meio de tantos ditos e contos, o galhofeiro do Inácio não começa a ler a minha carta de amor!?...

    Senti-me tão vexado que fugi para casa da tia, no fundo do povo.

    Nunca mais ouvi falar da minha cartinha!

    (*) jose.gcmonteiro@gmail.com

    Por: Gil Monteiro

     

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.