Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 30-09-2022
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 30-09-2010

    SECÇÃO: Crónicas


    foto

    Amendoeiras turísticas

    O Algarve está diferente. Muito diferente. Foram precisos cinco anos, sem o visitar, para observar as mudanças de agora.

    Os hotéis, cada vez mais em maior número, passaram a ser construídos longe das praias – mistos de terra e mar!

    Ainda que os ocupantes sejam nacionais, em quantidade apreciável, as instalações e os serviços estão programados à inglesa. As informações são muitas em inglês e poucas em português. Está na moda os hotéis não receberem crianças. Será egoísmo de adultos? Ou o marketing? Resultado: avós de férias tranquilas, com piscinas (uma de água quente), saunas, banhos turcos e outros privilégios dos apregoados SPAs, enquanto os filhos e netos têm de optar pelos apartamentos.

    As modernas instalações hoteleiras dispõem de bares, restaurantes; as espreguiçadeiras das piscinas e a animação desportiva fazem esquecer a praia. Mas há autocarro próprio para os hóspedes poderem ir à praia, visitar locais ou compras. As saídas turísticas e a animação nocturna estão na “ementa”. A moda das promoções está por todo lado! Por vergonha, não baixam mais os preços dos almoços e jantares, mas oferecem talões de desconto de nove euros por refeição!

    O ordenamento territorial do Algarve melhorou. Junto aos novos empreendimentos turísticos, as zonas verdes foram conservadas e preservadas, mesmo quando os novos arruamentos e as rotundas as encostaram à parede! Os pinheiros mansos continuam a fazer sombras e produzirem pinhas com pinhões, a que ninguém liga. Os campos agrícolas estão em constante pousio. As fruteiras abandonadas. Ir à praia a pé dá para colher frutos, como figos e fava-rica, nos terrenos não vedados.

    O ambiente é contrastante nos aldeamentos turísticos de pequenos apartamentos (familiares). Aí sim. As árvores antigas alindam os relvados, à volta da piscina e zonas de serviços. As centenárias oliveiras arrebitaram e as amendoeiras, bem tratadas e podadas, oferecem os frutos (agora) e as belas flores na Primavera!

    – São amendoeiras turísticas! – disse baixinho o Avô para o Neto, enquanto mostrava um conjunto de frutos recolhidos e saboreava um refresco, perto de uma.

    Milhares de outras amendoeiras, abandonadas e tristes, esperam ser abatidas, por razões económicas, como já aconteceu a muitos pomares durienses, alguns relativamente novos. ... “ E os bolos de amêndoa continuam a ser tão bons!...” – pensa o Avô.

    Não consigo regressar do Algarve sem trazer fava-rica, apanhada no campo ou nas plantas decorativas das praças e jardins. Continuo esperançado de as poder preparar para as mastigar, como fazia, em Provesende, nos intervalos da Escola Primária. No estabelecimento da D. Elvirinha eram compradas por dois tostões o cartuchinho! Bem as procuro, agora, e nada... Só numa feira de frutos secos de Faro, depois de tanto indagar, um expositor de variegadas doçarias, balizadas pelas tais favas, teve a amabilidade de as retirar e oferecer!

    Como aprendiz cibernético, estou a coligir dados para tornar comestíveis os frutos trazidos. Será que as receitas da Internet vão resultar? Caso consiga, irei recordar a Praça, o largo da Fonte e o Palacete da Escola, bem como a Boa Gente de Provesende: trabalhadores da Quinta, Mário Barbeiro (emigrou para o Brasil), Professor Matos, Dr. Sapage, Farmacêutico Cascarejo, e outros mais... ; e o convívio de colegas e amigos.

    É espantoso!, não se apanham as nozes ou amêndoas das plantas abandonadas, nem as azeitonas dos olivais de menor produção; os cachos das vinhas antigas ficam de pendurados até à poda, caso seja efectuada. Quem se lembra de andar ao respigo e apanhar os bagos, atrás das vindimadoras?

    Pesaroso pela triste sorte das amendoeiras, tive um lenitivo: na ida recente a Foz Côa, em visita ao Museu de Arte Rupestre, o João, observando os terrenos das bermas da estrada, disse:

    – Foram plantados novos amendoais!!!

    Por: Gil Monteiro

     

    Outras Notícias

    · Superstição

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.