Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-01-2021
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 30-12-2009

    SECÇÃO: Arte Nona


    Os horrores da guerra

    Entre as obras mais importantes de Banda Desenhada publicadas em Portugal no ano de 2009 figura certamente “Mattéo”, de Jean-Pierre Gibrat, cujo primeiro tomo – Primeira Época (1914-1915) a Vitamina BD deu à estampa em Abril de 2009. O original surgiu no ano anterrior pela mão da prestigiada Futuropolis.

    A obra, tal como o título do primeiro tomo deixa antever, é uma BD de carácter histórico, cuja acção decorre nos inícios da I Guerra Mundial.

    Jean-Pierre Gibrat, que assina quer o argumento quer o grafismo consegue aqui surpreender quer pelo trabalho gráfico dinâmico, expressivo e de um realismo expressionista que é soberbo na sua função de exprimir a narrativa de sentimentos e acontecimentos que vão sucedendo, quer, sobretudo, na nossa opinião, pelo argumento que expõe as expectativas comuns das pessoas, os horrores da guerra, no sua expressão mas cruel e verdadeira e as convicções e atitudes de Mattéo.

    foto
    A história começa numa pequena aldeia do sul de França, onde se refugiaram velhos anarquistas espanhóis, entre eles o pai de Mattéo, o protagonista da obra de Gibrat, que entretanto morreu no mar. Mas Mattéo conserva ainda o espírito crítico do pai, ainda vivo também nalguns amigos refugiados como ele, e na sua viúva, a senhora Cortés.

    Mattéo tem uma namorada, Juliette, mas sobretudo neste período do início da guerra, em que ela rejubila com a mobilização geral e a generalidade das pessoas, presas do patriotismo, sonham com uma vitória fácil sobre a Alemanha, ela parece-lhe cada vez mais distante e fascinada pelo filho dos senhores de Brignac, Guillaume, que seguiu para a guerra, como aviador. Juliette incita Mattéo a alistar-se também, como o fazem a generalidade dos mancebos da sua idade. Mas Mattéo, que não compreende a utilidade da guerra, resiste a isso.

    Ele pode fazê-lo, pois como não é francês, não está obrigado a alistar-se. A mãe tenta evitar que ele mude de opinião. O velho amigo do pai, Gervasio, seu companheiro e também trabalhador nas vinhas dos de Brignac, como Mattéo, também faz tudo o que pode para que este não se aliste. Mas a atitude de Juliette, que ele sente perder a favor de Guillaume, arrasta-o para a guerra finalmente. E depois, Jean-Pierre Gibrat traça o retrato pouco idílico da vida nas trincheiras, da arbitrariedade dos oficiais.

    O relato é feito, muitas vezes, na primeira pessoa: «Para tentar aliviar o sofrimento que o meu alistamento provocara à minha mãe, escondia-lhe os meus. Mandava-lhe uma visão vulgar da miséria, amputado do pior e saturada de optimismo. Era o mínimo que podia fazer. / Para com a Juliette, já não tinha os mesmos pruridos. Ela tinha direito a todos os detalhes. Pagava-lhe com a moeda do horror, toda a influência que ela exercera na minha decisão».

    Mas Juliette segue o seu previsível caminhos, asando com o delfim dos senhores de Brignac.

    Ferido em circunstâncias dramáticas, Mattéo conhecerá o hospital e a enfermeira Amélie, da qual se adivinha um maior protagonismo nos próximos tomos da série.

    A edição portuguesa de “Mattéo”, de responsabilidade da editora VitaminaBD, conta com a tradução de João Lameiras, revisão de Pedro Silva e legendagem de Nuno Almeida e a edição parece--nos minimamente cuidada e exemplar.

    foto
    No original da Futuropolis, a concepção gráfica ficou a cargo de Didier Gonord. Quanto ao autor, Jean-Pierre Gibrat, nascido em Paris, estudou filosofia, publicidade e artes plásticas e tem a sua obra publicada em várias revistas, como a “Pilote”, “Fluide Glacial”, “Charlie Mensuel”, “L’Écho des Savanes”.

    É o autor de “Visions Futées”, publicado pela Dargaud, e “Pinocchia” (em Português “Pinóquia”, publicados pelas editora Meribérica), uma versão feminina erótica da célebre personagem de Collodi, aparecida no “L’Écho des Savanes”, de “Marée Basse”, editado pela Dargaud (e em Português também pela Meribérica – “Maré Baixa”), “Le Sursis” (em Português “Destino Adiado”, publicados pelas Edições Asa), a sua primeira obra a solo, tendo por tema a II Guerra Mundial, “Le Vol du Corbeau” (em Português “O Voo do Corvo”, também publicado pelas Edições Asa), sobre o mesmo tema, e “Mattéo”, que acompanhará a I Guerra Mundial (este primeiro tomo agora editado em Portugal pela VitaminaBD), a Revolução Russa e Guerra Civil Espanhola.

    Aguradam-se assim com expectativa as próximas traduções que a VitaminaBD irá certamente proporcionar aos bedéfilos portugueses.

    Por: LC

     

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.