Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-01-2021
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 20-09-2009

    SECÇÃO: Destaque


    Largo do Centenário em Valongo acolheu apresentação das listas “A Vitória de Todos”

    A Coligação “A Vitória de Todos” (PSD/PP) fez a apresentação pública de todos os seus candidatos às próximas eleições autárquicas no passado sábado, dia 19 de Setembro, no Largo do Centenário, em Valongo. À apresentação, cujo momento alto foram as palavras finais de Fernando Melo, estiveram presentes Marco António Costa e Álvaro Castelo Branco, respectivamente presidentes das Distritais do PSD e do PP, que usaram da palavra.

    Intervieram ainda na cerimónia João Paulo Baltazar, presidente da Concelhia social-democrata, Alexandre Teixeira, em representação do presidente da Concelhia do PP, e António Coelho de Oliveira, presidente da Comissão de Honra da candidatura.

    Fotos URSULA ZANGGER
    Fotos URSULA ZANGGER

    Fernando Melo encerrou o evento elogiando o Poder Local: «A grande virtude do Poder Local é escolher quem melhor possa responder aos nossos anseios».

    O presidente de Câmara e cabeça-de-lista às próximas Autárquicas (é o seu último mandato, por razões legais), destacou depois os aspectos sociais e o apoio às famílias como a principal prioridade do seu próximo mandato. Anunciou assim a criação de um Gabinete de Intervenção Social, salientando ainda as preocupações para com os portadores de deficiência.

    Defendeu a criação de condições para a fixação de novas indústrias (já que o concelho tinha uma situação privilegiada em termos de acessibilidade), em particular em Sobrado e Alfena. Defendeu ainda a aposta na Formação, e a renovação e dinamização do Gabinete do Empresário. E finalmente, a intervenção na criação de infra-estruturas, de novos equipamentos desportivos, da adaptação do concelho às novas tecnologias, de melhorias no portal do cidadão, da implantação de acessos de rede sem fios, de uma Pousada de Juventude na Serra de Santa Justa, da criação de um Prémio de Mérito Ambiental, de um plano de produção de energia e da activação de um Conselho Municipal da Juventude.

    O discurso terminou ovacionado com uma trovoada de aplausos.

    OS DISCURSOS

    DIFERENTES

    DOS PRESIDENTES

    DAS DISTRITAIS

    foto
    No início, com o Largo do Centenário a ser incendiado pelos bombos de Campo, ali conduzidos por Hélio Rebelo, uma voz-off tinha dado início à cerimónia, elencando as realizações dos 16 anos de mandatos de Fernando Melo.

    Desde 1993 na Câmara Municipal de Valongo, o presidente da edilidade procurava então «condições de desenvolvimento compatíveis com a década».

    E prosseguia: «Havia barracas, não havia habitação social (...)».

    E referia depois, entre outros factos, a resolução dos problemas do abastecimento de água a Ermesinde, a criação de um centro cultural em cada freguesia e de 14 polidesportivos, os cuidados com a serra de Santa Justa, a atribuição de prémios na área do Ambiente («a autarquia mais premiada»), o recente aumento do parque escolar, e as iniciativas de apoio às vítimas de violência doméstica e à terceira idade.

    Finalmente referia-se o aumento da população concelhia, com mais 16 mil novos munícipes a juntar aos 93 mil do início dos mandatos de Fernando Melo.

    Álvaro Castelo Branco foi o primeiro orador, pondo a tónica nas questões ideológicas e sublinhando que «à direita toda a gente se une, à esquerda todos se dividem», porque não têm projecto e visam apenas carreira e protagonismo.

    Marco António, pelo contrário, fez o seu discurso num sentido inverso, sublinhando antes a capacidade de Fernando Melo dirigir o concelho sem excluir ninguém, fosse de esquerda ou de direita, procurando afastar-se de critérios político-partidários, em benefício do interesse público.

    «Fernando Melo não segrega ninguém, olha para a comunidade no seu todo», elogiou, prosseguindo: «A [sua] maior particularidade é ser um humanista, um homem de bem». E depois, referindo, de passagem, a sua ligação ao concelho, onde viveu e onde tinha as suas filhas, terminou considerando a população do concelho como uma «comunidade grata» a Fernando Melo, e antevendo a preparação do futuro autárquico do concelho. «Esta Câmara poderá fazer melhor do que fizemos até aqui», disse.

    Alexandre Teixeira, que substituía Henrique Campos Cunha, ausente em actividades partidárias do CDS/PP nas quais já se encontrava comprometido de antemão, referiu os grandes desafios a enfrentar, na Educação, no Ambiente, na rede de transportes, na revisão do PDM.

    Referiu depois a dificuldade do anterior Executivo com uma Assembleia Municipal em que não estava em maioria, apelando por isso ao voto na Assembleia Municipal (cuja lista, recorde-se, é encabeçada precisamente por Campos Cunha, do CDS/PP).

    Usou então da palavra João Paulo Baltazar, que após recordar as realizações dos mandatos de Fernando Melo, destacou a sua capacidade de cumprir os objectivos propostos, pelo que lhe atribuiria o cognome de “O Cumpridor”.

    Em seguida referiu vários exemplos do que considerava incoerência da oposição, como o Largo do Centenário poder ser, para Afonso Lobão, ao mesmo tempo, praça do município e feira.

    Finalmente o presidente da Comissão de Honra da candidatura, António Coelho de Oliveira considerou que Fernando Melo tinha desenvolvido o concelho «talvez mais do que qualquer um da Área Metropolitana do Porto».

    Por: LC

     

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.