Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 20-07-2022
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 10-07-2009

    SECÇÃO: Local


    ESCOLAS: TOMADAS DE POSSE DOS NOVOS DIRECTORES

    Álvaro Pereira sucede a si próprio na Escola Secundária de Ermesinde

    Teve lugar na passada terça-feira, dia 30 de Junho, no salão polivalente da Escola Secundária de Ermesinde, a cerimónia da tomada de posse do novo director deste estabelecimento de ensino, de acordo com a nova legislação a propósito. Segundo esta o director da escola (que substitui o anterior presidente do Conselho Executivo), tem que ser eleito pelo Conselho Geral, um órgão representativo de toda a escola e da comunidade em que esta se insere.

    O eleito foi, naturalmente, Álvaro Pereira, professor que há muitos anos vem desempenhando o papel de maior responsabilidade na gestão da escola.

    Foto URSULA ZANGGER
    Foto URSULA ZANGGER
    Com o pavilhão polivalente da Escola Secundária cheio como um ovo, a comunidade escolar ermesindense acorreu ao convite formulado e assistiu à posse do novo director, recém--eleito pelo Conselho Geral Transitório da escola.

    Novo é como quem diz, pois Álvaro Pereira mantém--se naturalmente à frente da escola que tem vindo a dirigir há longos anos, tendo até na ocasião brincado com o facto de se ter visto obrigado a usar de novo a muito pouco frequente gravata.

    Recorde-se, sobretudo para os leitores que não são professores, que o Conselho Geral Transitório que agora elegeu o director, tem como funções além de, precisamente proceder à eleição do director, a elaboração e aprovação de um regulamento interno e a preparação de eleições para o definitivo Conselho Geral.

    Mesmo o Conselho Geral Transitório já deve representar, para além do pessoal docente, o pessoal não docente, os alunos, os encarregados de educação, a autarquia e as entidades locais, inserindo assim a escola, decisivamente, na comunidade à sua volta.

    Na cerimónia da tomada de posse usou primeiro da palavra o presidente do Conselho Geral Transitório, Fernando Benjamim, que se referiu ao «fim de três décadas de gestão democrática», considerou o actual processo «híbrido» e propício ao uso de «critérios subjectivos», susceptíveis de albergar razões estranhas ao interesse da própria escola.

    Apesar do tom crítico, Fernando Benjamim saudou calorosamente Álvaro Pereira, que se mostrou «orgulhoso e feliz» por uma escolha unânime que em si recaiu, por parte do Conselho Geral Transitório.

    O “novo” director, que inicia assim um mandato de quatro anos, começou por recordar que nem sempre tinha sido agradável trabalhar na Secundária de Ermesinde. Mas que hoje a escola era uma referência da cidade, e um lugar aberto à diferença, em que as pessoas vinham em primeiro lugar.

    Recordou o elevado número de alunos já formados nesta escola e o seu lugar destacado no panorama das escolas de todo o concelho.

    Referiu ainda o apoio de várias instituições, caso dos Bombeiros Voluntários ou do Centro Social e os protocolos estabelecidos com várias empresas e a Câmara Municipal, e de que a realização da Expoval era uma evidência ilustrativa.

    E referiu ainda, no escolar, várias experiências com os alunos, que apontou como muito positivas, caso dos projectos da Amnistia Internacional e da Agenda 21, as actividades do Desporto Escolar. Referiu também a organização da biblioteca da escola, então realizada quase sem apoios e até a experiência pedagógica da Educação Sexual em meio escolar.

    Por fim, e naturalmente também sem novidades, revelou os nomes das docentes que o vão acompanhar na nova Direcção: a subdirectora Ana Maria Cortez, e as adjuntas Isabel Fernandes, Graça Lopes e Maria José Pinto. Sónia Faria será a coordenadora do Centro Novas Oportunidades.

    Por: LC

     

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.