Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-01-2021
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 20-12-2008

    SECÇÃO: Destaque


    CDS/PP PRESTES A ROMPER COLIGAÇÃO COM O PSD E JOAQUIM TALAIA A ACUSAR DE TRAIÇÃO A DIRECÇÃO CONCELHIA

    Posições para todos os gostos sobre situação em Alfena dividem partidos locais a meio

    A convocação de eleições autárquicas intercalares em Alfena não é líquido que venha a clarificar muito a situação na autarquia. Seja qual for o resultado das intercalares, esta será sempre uma prova dos nove, que pode deixar para Outubro uma clarificação mais significativa da situação. Às próximas intercalares irão apresentar-se quatro listas: Unidos por Alfena, PS - Partido Socialista, BE - Bloco de Esquerda e CDU - Coligação Democrática Unitária. Serão cabeças-de-lista nestas intercalares, Arnaldo Soares (Unidos por Alfena), Ana Macedo (PS), Francisco Gouveia (CDU) e Carlos Basto (BE).

    Ao contrário do que aconteceu nas últimas Autárquicas, o PSD concelhio apoiará a lista dos Unidos por Alfena, uma atitude que conta com apoio distrital, segundo revela o próprio Arnaldo Soares.

    Fotos ARQUIVO MANUEL VALDREZ
    Fotos ARQUIVO MANUEL VALDREZ
    Arnaldo Soares encabeça a lista do Grupo de Cidadãos Unidos por Alfena, que contará com apoio das estruturas concelhia e distrital do PSD, revela o presidente da Junta demissionário, que entretanto preside à Comissão Administrativa da Junta de Freguesia de Alfena – com Ana Macedo, PS, e Sérgio Sousa, PSD, que até à posse dos novos eleitos, presidirá provisoriamente aos destinos da autarquia. A lista de Arnaldo Soares, como o próprio revelou a “A Voz de Ermesinde”, mantém a abrangência da lista de há três anos, apenas tendo agora incluído mais nomes, sobretudo mulheres. Manuel Oliveira, presidente do Núcleo de Alfena do PSD e um dos seus militantes mais antigos, se não mesmo o mais antigo, é também candidato, vindo em último lugar na lista. A aceitação de a integrar deixou Arnaldo Soares muito satisfeito. Aliás o presidente da Junta demissionário revelou ao nosso jornal que a sua candidatura (não há candidatura social-democrata nestas intercalares) conta com o apoio não só do PSD concelhio, como até distrital. Confrontado com as questões que ainda estão em jogo na frente jurídica, o autarca mostra-se confiante no seu desenlace, dando boa parte do mérito a Rogério Palhau que tem sido o seu conselheiro jurídico exclusivo, no labirinto da situação agora criada.

    Entretanto, a Comissão Política Concelhia de Valongo do Partido Popular CDS/PP, tornou pública, em comunicado, uma posição muito crítica em relação ao processo que conduziu à marcação das eleições intercalares para a Assembleia de Freguesia de Alfena, sentindo-se excluído da coligação com o PSD e anunciando que não teve condições, dado o calendário eleitoral muito apertado, para apresentar uma candidatura a estas eleições intercalares, mas anunciando que se apresentará às eleições locais [em Alfena, precisou Alexandre Teixeira], com uma candidatura própria em Outubro de 2009.

    O CDS/PP reprova «de forma veemente o modo como se produziu a instabilidade artificial de governação na Junta de Freguesia de Alfena, onde desde as eleições de 2005, o Executivo viu aprovados todos os Orçamentos e Planos de Actividade», o que lhe permitiu «trabalhar com toda a normalidade», reprova também a conduta de João Paulo Baltazar, presidente do PSD Valongo, «pela sua participação directa e activa, nas manobras que conduziram à queda da Junta de Freguesia, e à marcação de eleições intercalares, a pouco mais de 8 meses do novo acto eleitoral, interrompendo com isto um ciclo de normalidade em Alfena», lamenta a forma «pouco escrupulosa» como o CDS/PP foi tratado pelo PSD, seu parceiro de coligação, designadamente pelo seu presidente e pelo presidente da Câmara Municipal de Valongo. Lamenta também a posição da Governadora Civil do Porto, que, «pela calada da noite, decidiu marcar novo acto eleitoral, desde logo sem ter ouvido as restantes forças partidárias» com assento na Assembleia Municipal de Valongo e «sem ter dado conhecimento do seu despacho às mesmas», lamenta que com tal despacho, só conhecido das restantes forças partidárias dia 11 de Dezembro, tenha impedido a preparação do processo eleitoral que lhe «permitisse concorrer com o mínimo de dignidade e com respeito pelos cidadãos de Alfena». O PP diz ainda não aceitar que o presidente do PSD de Valongo, João Paulo Baltazar, bem como o presidente da Câmara, Fernando Melo, «tenham sabido e tenham estado envolvidos nas consultas para a marcação de eleições antecipadas em Alfena, desde pelo menos 3 de Dezembro de 2008, e nada tenham dito ao seu actual parceiro de coligação». O acto da marcação das eleições intercalares é, no entender do CDS/PP, de «pouca clareza jurídica», sendo difícil de explicar «como se pode dissolver um órgão – a Assembleia de Freguesia – quando esta foi democraticamente eleita e continua a ter quórum para funcionar. Mas mais grave, como se pode nomear uma Comissão Administrativa, que incluiu um dos demissionários, quando a lei prevê que a condução do processo pertence ao Presidente da Assembleia de Freguesia, eleito pela lista do PSD», questão que competirá aos Tribunais apreciar, avisa o CDS/PP de Valongo.

    OS OUTROS

    CANDIDATOS

    foto
    Enquanto isso, a CDU anunciou que a sua candidatura autárquica a estas eleições intercalares será encabeçada por Francisco Gouveia, «ex-dirigente sindical e membro do PCP desde 1974», reformado, natural de Baião e residente em Alfena há mais de 35 anos. A lista da CDU «junta experiência e juventude». A lista «conhece bem a realidade de Alfena e sabe quais são as necessidades de intervenção prioritárias na freguesia, as quais começam, desde logo, pela clarificação e regularização do funcionamento da Junta de Freguesia. Adelino Soares, líder da Concelhia do PCP entende que foi correcta a decisão da governadora civil em convocar eleições intercalares, mas não já a de designar Arnaldo Soares para a Comissão Administrativa, ainda por cima na posição de presidente. O dirigente comunista valonguense considera contudo que este processo visava era uma maior facilidade na adopção de políticas locais à partida contrárias à letra e ao espírito do actual PDM.

    Por sua vez, o Bloco de Esquerda terá como cabeça-de-lista Carlos Basto, reformado, antigo preso político antes do 25 de Abril. A opinião do líder concelhio, Eduardo Valdrez, é a de que será positivo, de qualquer modo, auscultar de novo a vontade da população local, dada a impossibilidade de entendimento entre os actuais interlocutores.

    O PS candidata a presidente da Junta precisamente Ana Macedo, mas a lista apresentada parece longe de reflectir uma lógica local (da freguesia). Esta é precisamente uma das críticas de Joaquim Talaia, líder socialista alfenense, que revelou ao nosso jornal só ter sido contactado após a reunião do Governo Civil. Talaia acha que todo este processo estava a ser maquinado há muito tempo. O autarca alfenense é muito duro na sua crítica, afirmando taxativamente: «Fomos traídos pela própria Comissão Política Concelhia».

    O bom entendimento para a política de desenvolvimento local entre as actuais concelhias do PS e do PSD, agora consubstanciada na concordância da convocação das eleições intercalares também não escapa à crítica de Guilherme Roque, presidente da Assembleia de Freguesia, e que, tal como Talaia, se encontra numa posição expexctante face à Providência Cautelar que interpuseram, juntamente com os restantes membros da Assembleia de Freguesia (a maioria) no Tribunal Administrativo e Fiscal de Penafiel.

    O ex-presidente da Junta (a quem sucedeu Arnaldo Soares) e os restantes eleitos pelo Partido Social Democrata em 2005 divulgaram, entretanto, um comunicado em que declaram não poder «continuar calados perante as calúnias e mentiras daqueles que renunciaram ao seu mandato».E afirmam ser falso terem impedido o trabalho de Arnaldo Soares: «Nunca impedimos ninguém de trabalhar, impedimos sim que se continuasse a cometer ilegalidades assinando cheques sem o consentimento do Tesoureiro para pagar facturas de materiais que nunca entraram na Junta de Freguesia». O comunicado refere as diferenças de posição em relação à recuperação do moinho no Parque de S. Lázaro («(...) queríamos o restauro do moinho para que os jovens das nossas escolas soubessem como se moía o milho para o fabrico do pão. Isto é cultura, Dr. Arnaldo Soares» e em relação à questão do miniautocarro e aos acordos de Arnaldo Soares com o Hospital da Trofa: «Que acordos são estes, Dr. Arnaldo Soares? Só o senhor e o Grupo Trofa Saúde conhecem a verdadeira razão para o Grupo Trofa Saúde dar dinheiro à Freguesia. Há-de saber-se mais tarde ou mais cedo».

    O comunicado prossegue criticando a aliança concelhia PS/PSD e a decisão da governadora civil em convocar eleições e em nomear Arnaldo Soares, além do mais demissionário, para presidir entretanto à Comissão Administrativa.

    Enfim, com os dados assim lançados, parece difícil acreditar que os resultados destas eleições intercalares possam clarificar verdadeiramente a situação política em Alfena. Dependendo do seu resultado podem dar uma folga e oportunidades a quem melhor sair deste acto eleitoral, mas fica claro que, em Outubro, a roda voltará a girar, e então talvez se perceba um pouco melhor a situação política real na freguesia de Alfena.

    Por: LC

     

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.