Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-05-2024
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 15-05-2007

    SECÇÃO: Tecnologias


    foto

    Linux mais a fundo

    Neste artigo falaremos sobre vários detalhes do GNU/Linux, para que o leitor o conheça mais a fundo e entenda melhor como funciona.

    Cada assunto será discutido brevemente, porém existe mais documentação disponível. Quando houver um link num destes assuntos, poderá encontrar tal documentação seguindo o link. (*)

    UTILIZADORES

    Um utilizador é um meio de identificação do Linux composto de um login (nome) e respectiva senha. Cada utilizador representa uma pessoa fisicamente (uma pessoa pode ter vários logins e, indevidamente, usar o login e senha de outra).

    A hierarquia dos utilizadores de Linux é a mesma dos utilizadores de Unix. Você é obrigado (e por questões de segurança do sistema) a entrar (identificar-se) como um utilizador, ou seja, é preciso ter um login (conta) no sistema.

    No Linux existe um utilizador especial chamado root (raiz). Este utilizador é tão especial que o seu apelido é “super utilizador” (super user). Ele é o único que pode alterar todos os arquivos do sistema, assim como é feito por todos os utilizadores em outros sistemas como o DOS e o Windows.

    Também no Linux há os logins de utilizadores normais, os quais não podem alterar arquivos de sistema. Os únicos arquivos que os utilizadores normais podem alterar são os do seu directório HOME (Casa, o seu espaço). O utilizador de login Luke, por exemplo, tem o seu directório HOME localizado em /home/luke. Se este utilizador tentar apagar um arquivo, por exemplo, do directório /etc não conseguirá, pois o sistema retornará: Permissão Negada (Permission Denied). Agora, se ele tentar apagar um arquivo dentro do directório /home/luke, conseguirá.

    POR QUE É QUE O LINUX NÃO TEM VÍRUS?

    Esta é uma pergunta que muitos utilizadores iniciantes em Linux se fazem, pois não entendem como um sistema pode não ter vírus. A resposta a esta pergunta é simples: Somente o utilizador root pode alterar os arquivos de sistema.

    Um vírus só pode aparecer no sistema na forma de um programa (arquivo executável). Isto quer dizer que um vírus só irá funcionar no Linux se o utilizador root executar o programa de vírus.

    Como explicado acima, onde falamos sobre utilizadores, um utilizador normal não consegue alterar (apagar, sobreescrever, ...) arquivos de sistema. Nem um programa executado pelo mesmo consegue. Assim sendo, ninguém se preocupa em fazer vírus para o Linux, pois são muitas barreiras a serem vencidas para que o mesmo tenha efeito.

    MAN PAGES: MANUAIS ONLINE

    Man pages (ou páginas do manual) é como o GNU/Linux junta todos os manuais dos programas (e funções), para facilitar a procura de ajuda através de um simples comando.

    Para obter ajuda num programa (ou função) use:

    man [programa/biblioteca]

    Exemplo de função:

    $ man printf

    Exemplo de programa:

    $ man fsck

    DEVICES

    Devices é o meio que o Linux usa para se comunicar com periféricos como modem, impressora, disco rígidos, etc.. Um device é tratado como um arquivo e a sua localização é sempre no directório /dev.

    Os devices que controlam os discos rígidos e CDROM’s normalmente são os das IDE’s da placa mãe. Abaixo são listados as quatro IDE’s padrões e seus respectivos devices:

    Primeira IDE Master = /dev/hda

    Primeira IDE Slave = /dev/hdb

    Segunda IDE Master = /dev/hdc

    Segunda IDE Slave = /dev/hdd

    Os devices que controlam os drives de disquete estão listados abaixo:

    Primeiro Floppy Drive - /dev/fd0

    Segundo Floppy Drive - /dev/fd1

    ...

    Os devices que controlam as portas de série estão listados abaixo com referência às portas COM dos DOS:

    COM 1 = /dev/ttyS0

    COM 2 = /dev/ttyS1

    COM 3 = /dev/ttyS2

    COM 4 = /dev/ttyS3

    DIRECTÓRIOS PADRÕES

    O GNU/Linux padroniza os seus directórios (pastas) de maneira que todos os programas e bibliotecas obedecem a uma determinada organização. Abaixo estão listados os directórios principais e o que se vai encontrar dentro de cada um:

    /

    O directório / é a raiz do sistema (assim como o C: no DOS). Nele apenas um arquivo pode ser encontrado (vmlinuz) que é o kernel do sistema. Todos os subdirectórios do / são directórios do sistema.

    /boot

    Neste directório estão os arquivos necessários para o kernel do Linux inicializar. Às vezes até o próprio arquivo compactado do kernel (vmlinuz) fica neste directório.

    /lib

    Neste directório encontram-se as bibliotecas básicas do sistema, como a libc. Aqui estão as bibliotecas que fazem o sistema funcionar. Sem elas nenhum programa vai funcionar.

    /bin e /sbin

    No /bin ficam os programas de utilidades do sistema como: cp, ls, mv,... No /sbin também temos programas de utilidades, porém mais “perigosos”. Portanto, os programas do /sbin só podem ser executados pelo utilizador root. Um exemplo do que se encontra no /sbin é o mkfs (formatador de discos).

    /dev

    Neste directório encontram-se todos os devices do sistema. Lembrando que todos os devices são arquivos para o Linux.

    /usr/bin e /usr/lib

    Apenas na instalação de pacotes são colocados arquivos nestes directórios. No directório /usr/lib ficam as bibliotecas que são usadas por programas, como por exemplo o GTK. No /usr/bin se encontram os executáveis dos programas GNU.

    /usr/src

    Neste directório encontra-se o fonte do kernel do Linux. Normalmente, em /usr/src/ 1 encontramos a última versão do fonte do kernel disponível.

    /usr/local/ e seus subdirectórios

    Funciona como o /usr, porém este directório é utilizado quando se compila e instala um programa que nào pertence à distribuição.

    /etc

    Neste directório se encontram os arquivos de configuração do sistema. Todos os programas importantes colocam o seu arquivo de configuração neste directório. Os do X Window System encontram–se em /etc/X11. Já os de daemons (residentes na memória, como, por exemplo, o mouse) ficam no directório /etc/init.d.

    /home

    Este directório contém todos os HOME’s dos utilizadores do sistema. Por exemplo, o utilizador de login luke terá seu HOME em /home/luke . Este é o único directório que o utilizador luke pode salvar, alterar e apagar arquivos. Também podem criar-se subdirectórios.

    (*) Texto extraído e adaptado de http://olinux.uol.com.br/artigos/285/5.html.

    Por: André Souza

     

    Outras Notícias

    · A memória do rato

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: [email protected].