Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-03-2021
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 15-10-2005

    SECÇÃO: Editorial


    foto

    E agora?

    Cumpriste a tua obrigação: votaste, se calhar até participaste activamente na campanha eleitoral, viveste o domingo das eleições com emoção, analisaste o empenho e os erros dos diferentes candidatos …

    A festa acabou, regressaste ao trabalho, encontraste a vida ainda mais difícil, sobe a energia, sobem os transportes, mandam-te apertar o cinto e, à tua volta, o que vês?

    Uma sociedade em crise, sem valores, profundamente consumista, a viver acima das suas posses..., e isto repete-se quer a nível individual quer colectivo.

    A maioria das Câmaras Municipais estão endividadas muito para além do razoável e, em muitos casos, para realizar obras de fachada, cujo objectivo é conquistar votos nas eleições.

    Os problemas básicos do quotidiano ficam por resolver, não dão nas vistas, mas são esses que podem mudar a qualidade de vida das pessoas.

    Quem sente na pele o desemprego, a pobreza, quem tem na família pessoas dependentes de drogas, de álcool, sabe como a vida é difícil, esses são os problemas reais com que se debatem no dia a dia. As pessoas sabem-no. O inquérito realizado a 396 freguesias do nosso País revela que são exactamente esses os problemas sociais mais importantes.

    Mas há outros problemas para além das obras de fachada que se prendem com a própria qualidade de construção e com os preços das mesmas, trabalha-se dia e noite, sábados e feriados, para termos mais uma inauguração.

    Gastando as Câmaras Municipais mais do que deviam, torna-se fácil esta promiscuidade entre o poder local e os interesses dos construtores e outros agentes económicos das terras.

    Esta é uma das razões pela quais eu não gosto muito das maiorias absolutas no poder local.

    A democracia é isto mesmo, todos nós devemos ter os nossos representantes e é no exercício dessa democracia que as minorias também devem ter a sua voz.

    É difícil, eu entendo!, mas estas eleições ensinaram-me que para além dos populismos difíceis de explicar nos momentos de euforia, ainda acredito que é no dia a dia, num trabalho sistemático e sério, que se conquistam as eleições.

    Uma oposição organizada, forte, lúcida, pode e deve ter um papel tão importante como os que estão no poder.

    Não podemos confundir os reais problemas de uma terra com a actividade futebolística, onde a cegueira partidária não permite ver com lucidez.

    Resta-nos a nós, simples cidadãos, estar atentos, colaborar em tudo o que contribua para a melhoria da qualidade de vida de todos, ouvir e ser crítico denunciando a injustiça, a corrupção, o compadrio, ser activo, propor e participar em actividades que, de qualquer forma, contribuam para o desenvolvimento das nossas terras.

    É desta forma que o jornal “A Voz de Ermesinde” vai continuar, atento, sério, crítico, participativo e independente, como o tem demonstrado nos últimos tempos.

    Por: Fernanda Lage

     

    Outras Notícias

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.