Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 30-06-2020
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 30-04-2013

    SECÇÃO: Editorial


    foto

    Rituais de primavera

    A humanidade, atenta ao meio que a envolve, sempre encontrou explicações e significados para a transformação do tempo, com especial incidência nas mudanças das estações do ano.

    A primavera é no entanto aquela que apresenta um maior número de inventos e rituais, muitos deles atualmente associados a atos ou acontecimentos religiosos.

    Com o início da primavera tudo se quer puro e limpo, época das grandes limpezas e recuperação das casas, a Páscoa é esse marco cheio de significado em que se preparam e enfeitam as casas para receber o Senhor.

    Segue-se o Primeiro de Maio com toda a tradição dos Maios e das Maias, o País enfeitava-se de flores das giestas – as maias – para que o carrapato não entrasse nas casas.

    Lembro-me de, na Maia, se fazerem coroas com giestas e rosas que se colocavam nos portões e portas de entrada das casas de lavoura e de ter andado vestida de branco com uma coroa de maias com brincos de princesa.

    Estes festejos do Primeiro de Maio nada têm a ver com o Dia do Trabalhador, refiro-me a outro tipo de cerimónias, de crenças pagãs muito antigas, em que se acredita que «o Primeiro de Maio corresponde à noite de Valpurgis, que a demonologia medieval germânica povoou de bruxas invisíveis que andavam no ar a praticar as suas obras infernais, certamente por herança da crença pagã nos espíritos nocivos do Inverno e da Morte, de que era necessário purificar ritualmente a terra no início do ano agrário». (1)

    foto
    Em Portugal as flores são as maias, mas nos últimos anos já poucas são as pessoas que as colocam nas casas. Quando era pequena lembro-me de ver maias nas casas, nos carros de bois, nos animais e até nas máquinas dos comboios.

    Hoje são muito raras as pessoas que continuam a colocar giestas nas portas, a porta deixou de ser o limite da privacidade, a comunicação social invade-nos e os demónios entram nas nossas casas com giestas ou sem elas, eles continuam por aí, difícil é encontrar rituais que os expulsem…

    No sul do País a tradição dos Maios e das Maias, bonecos feitos de palha centeia vestidos de trapos ainda não se perdeu de todo, que o digam os habitantes de Olhão.

    Depois das Maias e dos Maios, o Dia da Espiga.

    Herdeiros de tradições ancestrais, os portugueses sempre souberam associar as velhas lendas, crenças e memórias ao calendário litúrgico, como no Dia da Espiga.

    Associado à 5ª feira da Ascensão, quarenta dias depois da Páscoa, temos o Dia da Espiga, foi noutros tempo um dos feriados mais santos, até este já acabou há muito!...

    Dia sagrado e festivo em que o trabalho era completamente posto de parte, nalgumas regiões até as refeições eram preparadas de véspera.

    Nesse dia destaca-se o período que vai do meio-dia à uma hora da tarde – a Hora –

    Era tempo mágico em que a «água não corre no rio, os pássaros não bolem no ninho, o pão não leveda, o leite não coalha». (1)

    As pessoas iam ao campo apanhar a “espiga”, raminho constituído por espigas de cereais, pampilhos, margaridas, papoilas e ranquinhos de oliveira, todas estas plantas com um significado simbólico. A “espiga” era guardada na cozinha ou na sala até ao ano seguinte.

    A primavera foi e continua a ser motivo de inspiração e renovação cultural, é disso testemunho a Sagração da Primavera, criação do músico Igor Stravinsky, do filósofo e pintor Nicholas Roerich e do coreógrafo Vaslav Nijinsky, que marcou a história da música e da dança do século XX. Mais uma vez um exemplo de rutura e inovação tão necessária nos nossos tempos.

    (1) Ernesto Veiga de Oliveira, “Festividades Cíclicas em Portugal”, Publicações Dom Quixote,1984.

    Por: Fernanda Lage

     

    Outras Notícias

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.