Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-03-2021
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 10-01-2013

    SECÇÃO: Saúde


    Aneurisma da Aorta Abdominal, o inimigo silencioso

    foto
    O Aneurisma da Aorta Abdominal (AAA) é uma das principais causas de morte nas sociedades ocidentais. Uma doença grave, silenciosa e uma das causas de morte súbita.

    Ser homem com mais de 65 anos, historial de tabagismo, colesterol elevado e hipertensão são alguns dos fatores de risco associados ao Aneurisma da Aorta Abdominal (AAA), uma doença grave, progressiva e assintomática que tem sido uma das causas de morte mais significativa nas sociedades ocidentais.

    O AAA é uma dilatação localizada e permanente da aorta, a maior artéria do organismo, e é o mais frequente dos aneurismas arteriais, sendo apontado como uma das causas de morte súbita. Na Europa, estima-se que entre seis e oito por cento da população masculina com mais de 65 anos sejam portadores ou estejam em risco de desenvolver um AAA.

    No que toca ao tratamento, o aneurisma é tratado se o médico considerar que o risco de rutura é maior que o risco a que se submete o doente durante a cirurgia. Caso a opção seja a cirurgia, existem duas alternativas de tratamento disponíveis, dependendo de vários fatores, o médico de acordo com o doente decide entre a cirurgia aberta ou cirurgia endovascular (minimamente invasiva).

    O AAA é uma doença assintomática e se não for detetada e tratada precocemente pode romper e causar uma grave hemorragia interna, na maioria das vezes fatal. De acordo com dados internacionais, em caso de rutura do aneurisma, apenas 50 por cento dos pacientes chegam vivos ao hospital e, destes, mais de 50 por cento morrem na cirurgia.

    Na verdade, são muitas as personalidades que morreram devido à rutura do AAA entre eles Albert Einstein e Charles DeGaulle.

    É por isso fundamental sensibilizar a população portuguesa para esta patologia e para a importância do diagnóstico precoce, essencial para a vigilância do doente e para a seleção do tratamento mais adequado. O despiste destes aneurismas é feito através de uma ecografia abdominal com visualização da aorta, um exame de diagnóstico simples, não-invasivo e acessível em todos os pontos do país.

    Para mais informações, consulte o site da campanha disponível em www.aortaevida.com

    Por: JOÃO ALBUQUERQUE E CASTRO (*)

    (*) Coordenador nacional da Campanha Aorta é Vida!

     

    Outras Notícias

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.