Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 30-06-2020
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 15-05-2011

    SECÇÃO: Gestão


    foto

    Em quem vota o Zé Povinho?

    Já nos encontramos em plena campanha eleitoral e todos estamos apreensivos sobre o que irá acontecer após 5 de junho com os resultados eleitorais.

    As eleições servem para escolher um grupo político ideologicamente identificado com os eleitores e de acordo com as regras do regime democrático, o poder será atribuído a uma maioria.

    O problema está na forma como se apresenta a nossa classe política a um eleitorado que necessita urgentemente de uma solução e para a qual as respostas e as alternativas são um vazio a todos os níveis.

    Em termos ideológicos estamos perante uma fação que aplaudiu vivamente as soluções apresentadas pela Troika, o que denota uma perfeita sintonia com aquelas posições, não se vislumbrando qualquer diferença significativa estrutural e nem mesmo ideológica, pelo que se trata de uma única saída, alinhada com o regime de economia de mercado e tendencialmente liberal onde o capitalismo assume um valor central.

    Por outro lado temos uma outra fação cujas posições são extemporâneas e desadequadas ao atual momento que atravessamos, onde os compromissos e os acordos que nos vinculam à Europa e ao mundo ocidental em geral, obrigam a ajustamentos que terão que ser globalizados, fazendo frente às ideologias liberais.

    Tanto uns como outros não têm tido um sentido prático e pragmático da política, ficando cativos de atitudes populistas que, de acordo com esta democracia, é o que dá votos e poder. Cada um pretende manter o seu mercado e a sua clientela política, cumprindo a velha máxima “o cliente tem sempre razão”. Não se podem tomar posições antipopulares.

    Perante isto, as decisões necessárias têm que ser tomadas por terceiros que, paradoxalmente, não se apresentam a eleições e estes sim, são as entidades que defendem o verdadeiro interesse nacional, também ele mascarado pela defesa de um regime com o qual também estão comprometidos. Tudo isto é uma farsa.

    Aqui faz sentido o espírito verdadeiramente português simbolizado pela figura de Rafael Bordalo Pinheiro cuja posição é conhecida e denota uma grande lucidez perante todos estes jogos políticos e que leva a que no ato eleitoral, assumindo também uma posição ativa, o voto em branco seja aquele que melhor expressa aquele espírito

    Por: José Quintanilha

     

    Outras Notícias

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.