Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-03-2021
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 15-01-2009

    SECÇÃO: Educação


    foto
    O DESAFIO DA EDUCAÇÃO

    Disfluência (Gaguez)

    O grande desafio que se coloca aos pais é a procura de melhores respostas para as diferentes situações ao longo do desenvolvimento dos seus filhos.

    Este espaço pretende informar e responder a questões generalizadas na área do desenvolvimento da linguagem e da aprendizagem e suas implicações no percurso escolar. Para um maior esclarecimento: geral@elisabetepinto.com e www.elisabetepinto.com

    A Disfluência infantil, anteriormente designada por Gaguez, é uma perturbação da fala e da linguagem que pode ser diagnosticada desde os primeiros anos de vida da criança. Quanto mais atempado for o seu diagnóstico, menor será a probabilidade de esta perturbação se manter e agravar à medida que a criança vai crescendo. Caso contrário, poderá ter de enfrentar situações de constrangimento na criação das suas relações interpessoais, de insegurança na aplicação das suas capacidades e de insucesso no decorrer do seu percurso escolar.

    Por volta dos 2 anos e meio de idade, a criança adquire diferentes competências para a linguagem. Durante este processo, algumas revelam falta de fluidez da fala que se pode tornar mais evidente e prolongar-se ao longo do tempo. Segundo estudos efectuados, as crianças com Disfluência têm um desenvolvimento global normal, excepto na fala e na linguagem. Ao que parece, estas tendem a dizer as suas primeiras palavras, frases e discursos mais tarde que as que falam normalmente. Os problemas de dicção também surgem com mais frequência. Tem sido verificado que nas meninas, a falta de fluidez surge mais cedo que nos meninos e que tal se relaciona com o facto de as meninas desenvolverem as suas competências linguísticas mais cedo (Yairi, 1997).

    Normalmente, entre os 18 meses e os dois anos posteriores ao início da Disfluência, esta tende a desaparecer sem intervenção profissional. Contudo, é importante saber que uma criança quando começa a gaguejar, tem períodos de tempo em que gagueja e outros em que fala normalmente. Em grande parte dos casos, com o passar do tempo, a frequência dos períodos de fala fluida diminuem e a gaguez instala-se, podendo persistir até à idade adulta (Bloodstein, 1995).

    Muitos autores defendem que a Disfluência prejudica principalmente a fala, tendo como características as repetições de sons, palavras ou frases, prolongamentos de sons e bloqueios. Estes afirmam que 20% a 50% das crianças que apresentam excessivas repetições na fala sofrerão de Disfluências crónicas (Starkweather et al, 1990). Estudos realizados pela Sociedade Americana de Disfluência, situa-se em 2,3% a incidência desta problemática na população geral. No entanto, Fernandez-Zúñiga (2005) refere que na população escolar a prevalência é de 4% e apresenta-se numa proporção de 4 meninos para 1 menina.

    Os erros na fala podem variar ao longo do crescimento da criança, ou seja, à medida que a criança se vai desenvolvendo com o seu problema, as características da sua forma de falar também se vão modificando. Na idade pré-escolar, são mais frequentes as repetições, o prolongamento de sílabas e as pausas, ao passo que os bloqueios e as manifestações de esforço são mais leves. À medida que a criança cresce, podem aparecer outros comportamentos, como a tensão muscular, movimentos associados e a frequência mais alta de bloqueios. Outra diferença que se observa à medida que a criança cresce é o grau de consciência que tem do problema. A partir dos 6 anos, a criança pode começar a ser consciente da sua dificuldade, no entanto é a partir dos 8 anos que esta consciência se interioriza mentalmente. Nesta idade, o desenvolvimento cognitivo proporciona-lhe uma capacidade de reflexão sobre a sua expressão e a sua conduta que não tinha antes. Assim sendo, começam a aumentar as preocupações sobre o seu problema e a evitar as situações comunicativas que geram tensão. O facto de ter de antecipar mentalmente o que vai dizer, para minimizar ou dissipar os erros, leva-a a que sinta medo e vergonha de falar. A exposição a situações em que é solicitada para falar gera comportamentos de insegurança e ansiedade (Fernandez-Zúñiga, 2005).

    Para reforçar e segundo a DSM IV-TRi, os pais podem identificar a presença de uma Disfluência, tendo em conta as seguintes características:

    A)Alteração da fluência e da organização temporal normal da fala (inadequadas para a idade do sujeito), caracterizada por ocorrências frequentes de um ou mais dos seguintes fenómenos:

    1.Repetições de sons e sílabas (por exemplo: p…p…p…pai; ba…ba…ba…banana );

    2.Prolongamento de sons (por exemplo: mmmmmeu pai);

    3.Interjeições (um, um, eu… vou);

    4.Palavras fragmentadas (por exemplo: te…nho fome);

    5.Bloqueios audíveis e silenciosos (pausas na fala);

    6.Circunlóquios (substituições de palavras para evitar palavras problemáticas);

    7.Palavras produzidas com excesso de tensão física;

    8.Repetições de palavras monossilábicas (por exemplo: eu –eu – eu vou);

    B)A alteração da fluência interfere com o rendimento académico ou laboral ou com a comunicação social;

    C)Se existe um défice sensorial ou motor da fala, as deficiências da fala são superiores às habitualmente associadas a estes problemas.

    Em suma, existem estratégias de intervenção orientadas para a criança, família e meio escolar que, bem definidas por técnicos especializados, minimizam as consequências desta perturbação.

    Por: Elisabete Pinto

    Rectificação: O artigo publicado na rubrica O Desafio da Educação, da edição de 31de Dezembro, deveria ter tido como título Atraso de linguagem e não Perturbações Específicas da Linguagem (PEL) (2), como se verificou. Pedimos desculpas pelo lapso.

     

    Outras Notícias

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.