Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 30-09-2020
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 29-02-2008

    SECÇÃO: Psicologia


    A IMPORTÂNCIA DA SAÚDE MENTAL

    A solidão vivida na terceira idade

    Consequência do destino?

    A solidão é um sentimento negativo que as pessoas experimentam quando se sentem sós, no meio da multidão.

    A pessoa sente que não mantém relações afectivas satisfatórias com os outros, e considera que não tem ninguém com quem conviver.

    Trata-se, efectivamente, de uma experiência subjectiva, psicologicamente desagradável, caracterizada pela manutenção de relacionamentos interpessoais deficientes.

    Em Portugal, estima-se que cerca de 19% da população idosa viva só e sem quaisquer apoios. Desta percentagem, apenas 10-14% refere sentir solidão. O sexo feminino é o mais afectado devido ao facto das mulheres terem uma maior esperança média de vida. Não obstante, as mulheres conseguem manter-se autónomas durante mais tempo, quando comparadas com os homens.

    A solidão é das queixas mais frequentes que os idosos manifestam, mas, segundo alguns autores, sabe-se que esta vai diminuindo com o avançar da idade (sendo mais sentida nas faixas etárias mais jovens).

    Conforme referem alguns psicólogos, as pessoas que sentem solidão estão mais expostas a sofrer de doenças físicas e psíquicas, e o seu sistema imunológico torna-se mais propício à contracção de doenças crónicas. Sabe-se também que o risco de morte das pessoas que vivem sozinhas é o dobro das que permanecem acompanhadas.

    Há diversos factores que podem condicionar o sentimento de solidão. De entre eles destacam-se a reforma, a viuvez, a síndrome de ninho vazio (sentimento de vazio que surge, sobretudo, quando os filhos abandonam o lar para refazer a própria vida), a pobreza e a exclusão social.

    A reforma é um acontecimento normativo que, mais cedo ou mais tarde, faz parte da vida de todas as pessoas. Pode ser vivida positiva ou negativamente. Neste último caso, a pessoa sente que deixa de contribuir positivamente para a sociedade, vivendo alienado dos outros. Há uma espécie de corte com as relações sociais.

    A viuvez deixa marcas indeléveis em qualquer pessoa que a experiencie. A perda do companheiro de uma vida traduz uma forte ruptura a nível pessoal e familiar. A pessoa passa a sentir-se mais só, vivendo numa esfera emocional negativa. É comum desenvolverem-se síndromes depressivos até ao elaborar do processo de luto.

    A pobreza é fruto de uma sociedade industrializada adaptada aos mais jovens com poder de inovação e plasticidade neuronal.

    A solidão apresenta níveis mais elevados nas classes mais baixas, devido ao facto de haver interesses pouco específicos e uma baixa capacidade de ocupação em actividades de satisfação social. Estes sujeitos tendem também a viver em condições de maior precariedade, com poucas condições de habitabilidade e pensões de reforma bastante baixas que não lhes permitem dar aso às despesas que se fazem sentir.

    Posto isto, importa combater a solidão, especialmente nas camadas mais anciãs.

    O cuidado/apoio informal, o envelhecimento activo e não-marginalizado, uma melhor aceitação das perdas e o combate a um envelhecimento inócuo e solitário, são factores que permitem atenuar o sentimento de isolamento social, promovendo uma melhoria no bem-estar geral da população que integra a nossa sociedade.

    Por: Joana Dias

     

    Outras Notícias

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.