Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-03-2021
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 30-12-2006

    SECÇÃO: Saúde


    O doente queimado

    A pele é a camada de tecido situada entre o corpo e o ambiente que o rodeia, como o maior órgão do corpo, a pele é essencial à vida. Consiste em duas divisões principais, a epiderme a parte mais externa e a derme a parte mais interna. Representa 1/6 do nosso peso e tem várias funções:

    · Função protectora, protecção contra lesões e invasões de parasitas;

    · Função sensitiva, sentido para as sensações cutâneas;

    · Função termo-reguladora, regulação da temperatura do corpo;

    · Função metabólica, ajuda na eliminação, previne a desidratação e é reservatório de alimentos e água;

    · Função imunológica; fonte de vitamina anti-raquitismo (vitamina D) quando a pele é exposta ao sol.

    A pele dependendo da sua função anatómica apresenta diferenças estruturais, isto é, as pálpebras têm uma pele mais fina, o couro cabeludo apresenta folículos pilosos e na zona plantar e palmar a pele é mais espessa, sem pêlos sem glândulas e tem elevada enervação.A queimadura é uma lesão dos tecidos, resultante de uma excessiva exposição a agentes térmicos, químicos, eléctricos ou radioactivos.

    Hoje em dia sabe-se por estudos efectuados que 60% das queimaduras têm origem em acidentes domésticos, com líquidos ferventes, electricidade e químicos, 20% correspondem a acidentes de trabalho e os restantes 20% referem-se a outros. Os efeitos variam de acordo com o tipo, duração e intensidade do agente e com a parte do corpo envolvida. Normalmente as queimaduras são classificadas como sendo de primeiro grau, segundo grau superficial, segundo grau profundo, terceiro grau e quarto grau (espessura total).

    Queimadura de primeiro grau
    Queimadura de primeiro grau

    A queimadura de primeiro grau é superficial e a lesão fica delimitada à camada externa da epiderme. É caracterizada por desconforto, hipersensibilidade e aspecto avermelhado.

    Na queimadura de segundo grau superficial, a lesão estende-se através da epiderme e atinge um pouco de derme, mas superficial. Caracterizada por aparecimento de flictenas, tem regeneração espontânea e é muito dolorosa.

    Na queimadura de segundo grau profundo, a lesão estende-se profundamente até à derme. Caracteriza-se por aspecto branco-róseo, regeneração espontânea lenta, possível progressão para terceiro grau e tem menor dor.

    Na queimadura de terceiro grau (espessura total), tanto a epiderme como a derme são destruídas e a lesão estende-se até os tecidos subjacentes. Caracterizada por escara constritiva, menor dor, elevado potencial de infecção, exige excisão e realização de enxerto.

    A queimadura de quarto grau, é uma queimadura de espessura total com atingimento de estruturas profundas, inclusive atingimento muscular.

    Na queimadura resultante da exposição a agentes térmicos, químicos, eléctricos ou radioactivos, os procedimentos a realizar face ao seu tratamento são diferentes. Na queimadura provocada pelo fogo, deve-se rolar a vitima no chão e impedi-la de correr, retirar roupa, colocar água tépida em abundância para abolir a onda de calor, envolver a vítima em lençol limpo (impede perda de calor e diminui a dor) e transportar ao Hospital mais próximo.

    Na queimadura química, deve-se identificar o agente, lavar abundantemente zonas atingidas com água corrente tépida durante 15 minutos, tapar o doente (evita perda de calor e diminui a dor) e transportar ao Hospital mais próximo. Neste tipo de queimadura, a gravidade depende da concentração do agente, da duração do contacto, do grau de penetrabilidade do agente e do mecanismo de acção do agente. O químico residual conduz a dificuldade acrescida de definição da gravidade da lesão.Na queimadura provocada pela electricidade, começa-se por desligar a fonte de corrente eléctrica, afasta--la com material não condutor, identificar qual o tipo de corrente e verificar presença de fracturas associadas. Se necessário imobilizar segmentos fracturados, tapar o doente e transportar rápido para o hospital mais próximo. A gravidade da lesão vai depender do tipo de corrente (alterna ou contínua), da voltagem, da duração de contacto, da resistência à passagem da corrente (espessura e humidade) e da direcção da corrente.

    Neste tipo de queimadura provocada pela electricidade a conductibilidade dos tecidos, processa-se da seguinte forma: nervos, vasos sanguíneos, músculos, pele, tendões, tecido celular subcutâneo e sistema osteo-articular.A acção da corrente a nível dos vários sistemas provoca diferentes alterações, assim: no Sistema Nervoso há perda de consciência e lesão celular, no Sistema Cardiovascular existe uma alteração da condução do impulso cardíaco, formação de trombos e necrose distal, nos músculos há uma destruição e libertação de mioglubina. A nível do rim provoca necrose tubular, Insuficiência Renal Aguda por mioglubinúria e a nível osteo-articular pode levar a fracturas e luxações e no Sistema Gastrointestinal a perfurações.

    A extensão da queimadura pode ser determinada através de várias regras, como por exemplo:

    • Regra de Wallace ou regra dos nove, em que os segmentos corporais são divididos em múltiplos de nove, com excepção da área genital, sendo assim, ao membro superior corresponde 9%, ao membro inferior 18%, ao tronco anterior 18%, ao tronco posterior 18%, à cabeça 9% e ao períneo 1%;

    • Regra da palma da mão, a mão do doente queimado vale 1% e avalia-se a zona queimada contabilizando o numero de mãos necessárias para preencher a zona queimada;

    • Tabela de Lund e Browder, mais indicada para avaliar a extensão da queimadura em crianças, o percentil atribuído a cada segmento corporal varia com o crescimento.

    A gravidade da lesão/queimadura depende de vários factores, como idade, extensão, profundidade, localização e patologia anterior.

    As queimaduras, provocam no nosso organismo duas principais alterações que são aumento da permeabilidade capilar e edema. Os critérios de internamento vão depender do tipo de queimadura e sua extensão e como tal o doente pode ser acompanhado em regime ambulatório, necessitar de internamento hospitalar ou até mesmo internamento em unidade de queimados.

    Segundo American Burn Association, o doente é seguido em regime ambulatório se apresentar uma queimadura de 2º Grau, com uma SCQ (superfície corporal queimada) < 15% ou 3º Grau com uma SCQ < 2 %. Necessitará de internamento hospitalar se apresentar queimadura de 2º Grau, envolvendo 15 a 20 % de SCQ, 3º Grau envolvendo 2 a 10 % SCQ e não atingimento de face, mãos, pés e períneo. Será necessário internamento numa Unidade de queimados, se apresentar queimadura de 1º Grau com uma SCQ > 20%, 3º Grau com SCQ > 10%, Idade < 5 e > 60 anos, queimadura das vias aéreas por inalação, queimadura eléctrica, queimadura da face, mãos, pés e períneo, suspeita de violência e patologia pré-existente.

    Por: Sérgio Manuel Cardoso de Sousa

    (Enf. Pós-Graduado em Enfermagem de Emergência)

     

    Outras Notícias

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.