Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 25-06-2024
Jornal Online

SECÇÃO: Crónicas


foto

Os pintassilgos

O verão chegara, enfim. Do Liceu já Albertino se tinha esquecido alegremente, nos seus treze anos ávidos de amplidão campestre, o pé descalço, as roupas soltas, o chapéu desabado.

O seu céu era a ribeira: um charco aqui, outro acolá afundados no areal sombreado, o frescor e o jogo das areias, duma firmeza indolente, a acariciar-lhe as solas dos pés a cada passada, a ceder com um ruído lânguido — música para os seus ouvidos. Por cima, o emaranhado dos salgueiros ou o horizonte mais alto das copas dos amieiros, ondulando suavemente; o sol a vibrar nos seus olhos ao ritmo da folhagem, a atenção concentrada, a fisga preparada. As horas passavam, o prazer inebriava, só o estômago exigia o regresso ao casarão de telha vã.

Um dia descobriu um ninho de pintassilgos nos ramos de uma oliveira pequena. Três ovos. Que oportunidade! Foi-o guardando, mas evitando aproximar-se demasiado, sabendo que os pássaros chegam a abandonar os ovos, e até os filhotes pequenos, se notam que o ninho anda a ser controlado. Com uma tábua, vários galhos e arames velhos, construiu uma gaiola à qual não faltavam comedouro, bebedouro e uma portinhola com mola.

Os dias foram passando arrastadamente, os passarinhos nasceram e foram-se emplumando. Quando Albertino achou que estariam prestes a voar, meteu-os na gaiola, com água no bebedouro e alpista no comedouro. Como a oliveira era demasiado aberta e o sol escaldava, resolveu pendurar a gaiola no ramo alto de uma árvore frondosa que distava dali uns duzentos metros.

IMAGEM DE IA
IMAGEM DE IA
A distância não seria problema, porque os pássaros detetam com facilidade os pios uns dos outros — calculou. Lá os deixou, feliz. Já tinha os seus pintassilgos!

No dia seguinte, chegou a “malhadeira”, aquela monstruosa máquina debulhadora, do tamanho de uma camioneta de carreira, com que nessa década de sessenta se debulhava o produto das searas. Recebia molhos de centeio, por uma abertura superior, que, depois de suspeitados safanões e pancadas no seu interior, vertia, por um bocal, o grão, que era aparado em sacas de serapilheira e acarretado para a tulha, e lançava, pelo outro lado, a palha em novelões, que se acondicionava ao lado da eira em montões arredondados, para resistirem às chuvas.

A meda do centeio era grande, a lide contagiante; havia a novidade de toda aquela gente que lidava com a máquina com enorme destreza e rapidez, apesar dos perigos que ela representava. Contavam histórias assustadoras de outras eiras: daquele que ficara sem alguns dedos, ou daquela que se desequilibrara e caíra lá para dentro...

Ao fim do segundo dia, cumprida a debulha, foram-se todos embora: os ceifeiros, para as suas terras; as terceiras para outras tarefas; a debulhadora, a caminho de outra eira. Ficava no olhar um brilho baço de fim de festa. Voltava a calma, voltava a rotina de todos os outros dias.

De repente, lembrou-se. A ideia retiniu-lhe na cabeça em

(...)

leia este artigo na íntegra na edição impressa.

Nota: Desde há algum tempo que o jornal "A Voz de Ermesinde" permite aos seus leitores a opção pela edição digital do jornal. Trata-se de uma opção bastante mais acessível, 6,50 euros por ano, o que dá direito a receber, pontualmente, via e-mail a edição completa (igual à edição impressa, página a página, e diferente do jornal online) em formato PDF. Se esta for a sua escolha, efetue o pagamento (de acordo com as mesmas orientações existentes na assinatura do jornal impresso) e envie para o nosso endereço eletrónico ([email protected]) o nome, o NIF e o seu endereço eletrónico para lhe serem enviadas ao longo do ano, por e-mail, as 12 edições do jornal em PDF.

Mas se preferir a edição em papel receba comodamente o Jornal em sua casa pelo período de 1 ano (12 números) pela quantia de 13,00 euros.

Em ambos os casos o NIB para a transferência é o seguinte: 0036 0090 99100069476 62

Posteriormente deverá enviar para o nosso endereço eletrónico ([email protected]) o comprovativo de pagamento, o seu nome, a sua morada e o NIF.

Por: Joaquim Bispo

 

 

este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
© 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
Comentários sobre o site: [email protected].