Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-05-2024
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 19-07-2013

    SECÇÃO: Saúde


    20 de julho – Dia Nacional da Transplantação

    foto
    O transplante de rim é a melhor opção para tratamento dos doentes com insuficiência renal crónica avançada. No entanto, existem ainda muitos mitos em torno da transplantação e que dificultam a doação, sendo necessário clarificá-los, alerta a Sociedade Portuguesa de Nefrologia, no âmbito do Dia Nacional da Transplantação, que se celebra a 20 de julho.

    «A taxa de sucesso do transplante renal é superior a 90 por cento no primeiro ano. As estimativas apontam para que 50 por cento dos transplantes de rim funcionem mais de 11 a 12 anos. E há doentes com 20 anos de transplante que fazem a sua vida normal, o que é um grande sucesso no tratamento destes doentes», refere Fernando Nolasco, presidente da Sociedade Portuguesa de Nefrologia.

    E acrescenta: «A transplantação tem uma melhor capacidade de substituição da perda da função do rim do que a hemodiálise. Dá uma maior autonomia ao doente com melhor qualidade mas tem outras exigências, como as terapêuticas de manutenção no período pós-transplante».

    Antes do transplante de rim, são realizados vários exames para certificar que os rins do dador estão em bom funcionamento e que o dador não é portador de nenhuma doença que possa ser transmitida ao recetor. O sangue do dador tem que ser cruzado com o dos possíveis recetores. «Apenas receberá o rim o doente que preencha o maior número de condições», lembra Fernando Nolasco.

    O transplante pode ser realizado a partir de dadores vivos ou falecidos. No primeiro caso, o dador passa a viver apenas com um rim, o que é compatível com uma vida normal.

    No ano de 2012 foram realizados em Portugal 681 transplantes de rim, menos 157 do que em 2011, o que representa uma redução de 19% do número de transplantes, de acordo com os dados do Instituto Português do Sangue e da Transplantação, IP.

    «É fundamental incentivar a doação renal para poder encontrar potenciais dadores e poder salvar vidas», remata Fernando Nolasco.

    Em Portugal, estima-se que cerca de 800 mil pessoas deverão sofrer de doença renal crónica, considerando qualquer uma das suas cinco fases ou estádios de evolução. A progressão da doença é muitas vezes silenciosa, isto é, sem grandes sintomas, o que leva o doente a recorrer ao médico tardiamente, já sem possibilidade de qualquer recuperação.

    A Sociedade Portuguesa de Nefrologia é uma organização de utilidade pública, sem fins lucrativos, fundada em 1978 que tem por missão prevenir e curar as doenças renais e melhorar a qualidade de vida de todas as pessoas afetadas de doença renal através do desenvolvimento da atividade científica dentro da área da nefrologia.

     

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: [email protected].