Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-12-2020
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 30-06-2006

    SECÇÃO: Arte Nona


    4ª Feira Laica 2006 na Bedeteca

    foto
    Decorreu no passado fim-de-semana (24 e 25 de Junho), na Bedeteca de Lisboa a 4ª Feira Laica 2006, organização conjunta da Bedeteca de Lisboa e da Feira Laica. Feira aberta «ao laicismo e à diversidade cultural, (...) para marcar a chegada do Verão».

    Mais uma vez, grande feira de fanzines e edições independentes, nela tiveram também lugar outras produções livres, como iguarias gastronómicas e artesanato urbano. A oferta estendeu-se a livros em segunda mão e à animação infantil.

    Duas mostras estiveram em destaque no certame: “Tenho Visto carteiristas” e “All Girlzine”, que continuarão expostas até 24 de Julho, na Sala de Exposições da Bedeteca.

    Na primeira podem apreciar-se trabalhos de mais de duas dezenas de ilustradores portugueses (mostra e venda) – José Feitor, Filipe Abranches, André Lemos, Bruno Borges, Joana Figueiredo, Joanna Latka, João Maio Pinto, Marco Mendes, Miguel Carneiro, Carlos Pinheiro, Janus, Nuno Sousa, Teresa Amaral, Lucas Barbosa, Cátia Serrão, Luís Henriques, Rosa Baptista, Pedro Zamith, Artur Varela, Bàrbara Rof, Diniz Conefrey, Esgar Acelerado, Daniel Lima, Richard Câmara e Ana Menezes.

    Na segunda, embora comissariada por Daniel Maia, exprime-se «a afirmação de um lobby no universo da banda desenhada portuguesa», em que será também lançado o segundo número da revista homónima “All-Girlzine” (www.danielmaia.com/allgirlz.htm).

    Quanto à feira de fanzines e edição independente, ela teve representadas as seguintes entidades publicações: Associação Chili Com Carne, MMMNNNRRRG, Imprensa Canalha, Opuntia Books, El Pep, zine Gatafunho, colectivo A Mula, Dr. Makete, Geraldes Lino, Succedâneo, zine Aqui no canto, Bíblia, colectivo Extratus, All Girl-zine, jornal Coice de Mula, revista HL Comix, atelier Toupeira / Bedeteca de Beja, revistas Blazt e Sketchbook, Atelier Mike Goes West, BdJornal, Conflito Estético, Edite, revista Cânhamo e Entulho Informativo. Edições estrangeiras: L’employé du Moi (Be), Les Requins Marteux (Fr), Mosquito (Fr), Ego Comme X (Fr), Glömp (Fi) e Media Vaca (Es). Música: Thisco, Variz, Base, Filipe Leote, Lowfly, Méchanosphère, Some Farwest Noizes, You are not stealing Records, Let’s go to War, Bor Land, Matarroa, Soopa e Cãoceito.

    Durante o evento foram também lançadas algumas publicações – All Girlzine #2 (Daniel Maia), Animalia (Opuntia Books) de Frederico (4 anos), Aquinocantinho, de João Rubim, BdJornal #13 (Pedranocharco), Belo Cadáver (Imprensa Canalha), Edite #2 (Edite), Family Portraits (Opuntia Books), de André Lemos, Gatafunho #3, Sketchbook #3 (AJ-COI) –, discos – Shape your shade [Cinetiks (Fr) + Celestial Dragon (Hk) + Thisco (Pt)] de Spies under Von Magnet influence –, serigrafias – de André Lemos e Edgar Raposo, série “Comércio tradicional” do Atelier Mike Goes West.

    Também durante a Feira Laica esteve activo o Samizdata Club @ Feira Laica IV, «um espaço ultracultural de confronto e experimentação artística e social incentivado por um colectivo de editoras discográficas, bd, produtores musicais, djs, vjs, designers que decidiram dar resposta a lacunas existentes no panorama artístico nacional através de sinergias e parcerias, de forma a criar uma efectiva rede de disseminação de informação por canais alternativos. Os live-acts apresentados no evento, no auditório da Bedeteca, foram: Urb, Beeper e Katsumoto (www.samizdataclub.blogspot.com).

    Na Feira de Artesanato Urbano estiveram representadas as seguintes entidades: Mil e Uma Coisas, Luísa Baptista, Patrícia Raposo, Teresa Mealha, Amores de Tóquio, Fio-me, colectivo Unika, Morgy, Dina Piçarra, Liliana Maia, colectivo Colectivo e Ana Menezes.

    A animação infantil, no jardim da Bedeteca, incluiu jogos tradicionais, corrida de sacos e teatro de marionetas.

    A Feira Laica «é uma iniciativa que resulta do trabalho de uma associação informal de artistas e novos artesãos interessada na organização de eventos onde se possam apresentar e vender trabalhos a preços justos. A organização privilegia artistas gráficos e publicações independentes, incluindo sempre na estrutura da Feira uma exposição e venda de originais. A feira serviu, como sempre, como espaço de encontro entre os criadores e o público, numa lógica que permitia a aquisição de bens culturais e criações artísticas ou artesanais, sem a existência de intermediários».

    Por: AVE/Bedeteca

     

    Outras Notícias

    · Sonhar

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.