Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 25-06-2024
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 31-05-2024

    SECÇÃO: Opinião


    foto
    VAMOS FALAR DE ASSOCIATIVISMO (74)

    Nova vida na Associação das Coletividades do Concelho de Valongo

    O ato eleitoral da Associação das Coletividades do Concelho de Valongo (ACCV) realizado no passado dia 17 de maio, elegeu os seus novos Órgãos Sociais para o mandato de 2024/2027.

    Foi o culminar de um processo pensado e preparado com o envolvimento de um largo conjunto de cidadãos associativos do Concelho, o qual se crê, irá agora colocar em prática, objetivos previamente traçados para uma melhor definição do que cabe à ACCV realizar em conjunto, em defesa das suas coletividades, com os seus dirigentes, com os seus associados, para as suas populações.

    Perante a circunstância de um processo eleitoral normal, que visa a responsabilização de novos dirigentes, na sua maioria mulheres, novos processos de trabalho, novas ideias e experiências, é natural contar com alterações do trabalho a realizar, sem que se deixe de ter em atenção o conhecimento do trabalho desenvolvido pela direção que findou o seu mandato.

    UM EXEMPLO DE TRABALHO

    Um reconhecimento especial e merecido a Joaquim Oliveira, que durante cerca de 4 mandatos, evidenciou uma capacidade de trabalho a todos os níveis respeitável, o qual deve servir como exemplo de entrega à causa associativa, passada agora a todos os que assumem a responsabilidade da sua substituição.

    Como Presidente da ACCV, comandou e executou muito do trabalho associativo, dirigindo os seus pares, agindo e arregaçando as mangas sempre que foi necessário dar azo às iniciativas que envolvessem o nome da Associação.

    A sua capacidade de trabalho, associada sempre à sua enorme experiência de vida de atividade associativa, de vida sindical e de envolvimento e responsabilização com a política partidária autárquica. Um exemplo claro do que é este movimento associativo, onde milhares de dirigentes associativos, cresceram com o 25 de Abril de 1974, envolvidos no Poder Local.

    Sempre com atitude solidária e benévola, fizeram dele um dos filhos da terra mais respeitáveis no seu lugar da Azenha, onde foi peça importante como construtor e fundador da sua Associação Recreativa e Cultural da Azenha, mas também na sua Freguesia de Campo, no concelho de Valongo.

    Evidenciar nesta nota todas as suas características de cidadania é pouco, sabendo-se que a sua dedicação é merecedora de respeito de todo o movimento associativo, o qual passou as fronteiras concelhias, conhecendo-se a sua responsabilidade na passagem pela Federação das Coletividades do Distrito do Porto, da Academia das Coletividades do Distrito do Porto, pela Confederação Portuguesa das Coletividades, e um dos fundadores da Federação Portuguesa dos Jogos Tradicionais (FPJT), onde atualmente exerce responsabilidade na sua direção.

    Jogos Tradicionais que fazem parte do seu maior prazer de ativista associativo, enquanto executante e dinamizador junto das coletividades e escolas do concelho.

    Um dia que no concelho de Valongo, quando se fizer a história do associativismo popular, o Dirigente Joaquim Oliveira fará parte como exemplo de quem nunca se negou a trabalhar com e para os outros.

    OS ROSTOS QUE COMPÕEM A EQUIPA QUE VAI LIDERAR A ACCV NO MANDATO 2024-2027
    OS ROSTOS QUE COMPÕEM A EQUIPA QUE VAI LIDERAR A ACCV NO MANDATO 2024-2027

    TRABALHAR PARA O FUTURO

    É com tal exemplo de trabalho, o qual, como em tudo, nunca é perfeito ou do agrado de todos, mas onde muito temos para beber, que foi traçado o futuro trabalho a desenvolver por todos os que agora vão procurar o caminho para melhores soluções.

    Com o envolvimento de uma maioria de novos dirigentes, com outros enquadramentos de responsabilização, gente com novas experiências e, sobretudo, com uma enorme vontade em fazer mais e melhor na projeção do movimento associativo do concelho de Valongo.

    COMPROMISSOS ASSUMIDOS

    No Programa agora aprovado é apresentado um conjunto de propostas de ação, sem deixar de fora experiências de trabalho anterior, mas de apostas de renovação de ideias, e de abertura para uma outra visão a apresentar ao movimento associativo de Valongo.

    O compromisso é claro para com a

    (...)

    leia este artigo na íntegra na edição impressa.

    Nota: Desde há algum tempo que o jornal "A Voz de Ermesinde" permite aos seus leitores a opção pela edição digital do jornal. Trata-se de uma opção bastante mais acessível, 6,50 euros por ano, o que dá direito a receber, pontualmente, via e-mail a edição completa (igual à edição impressa, página a página, e diferente do jornal online) em formato PDF. Se esta for a sua escolha, efetue o pagamento (de acordo com as mesmas orientações existentes na assinatura do jornal impresso) e envie para o nosso endereço eletrónico ([email protected]) o nome, o NIF e o seu endereço eletrónico para lhe serem enviadas ao longo do ano, por e-mail, as 12 edições do jornal em PDF.

    Mas se preferir a edição em papel receba comodamente o Jornal em sua casa pelo período de 1 ano (12 números) pela quantia de 13,00 euros.

    Em ambos os casos o NIB para a transferência é o seguinte: 0036 0090 99100069476 62

    Posteriormente deverá enviar para o nosso endereço eletrónico ([email protected]) o comprovativo de pagamento, o seu nome, a sua morada e o NIF.

    Adelino Soares*

    * CPCCRD

     

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: [email protected].