Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 25-06-2024
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 31-05-2024

    SECÇÃO: Saúde


    foto
    UMA QUESTÃO DE SAÚDE
    foto

    O que sabe sobre novas vacinas disponíveis em Portugal?

    Nos media, nas redes sociais, entre família e amigos, ou na consulta com o seu médico, o mais provável é que já tenha ouvido falar sobre novas vacinas para adultos disponíveis em Portugal e que não estão incluídas no Programa Nacional de Vacinação (PNV).

    Na verdade, o PNV para adultos (ao contrário do que acontece em idade pediátrica) é bastante limitado, havendo, hoje, informação científica baseada na evidência que aponta para o benefício de serem administradas mais vacinas, tentando atingir a maior proteção possível em diversos contextos.

    Num artigo prévio, falámos aqui sobre vacinas pneumocócicas, mais comummente conhecidas como “vacinas contra a pneumonia”, apesar da sua proteção ser contra diferentes tipo de infeções causadas pela bactéria Streptococcus pneumoniae. Na altura tinham surgido novas vacinas com esta finalidade mas ainda não havia recomendações claras sobre as mesmas, nem mesmo comparticipação. Recentemente, a vacina Apexxnar® (vacina pneumocócica polissacárida conjugada 20-valente) passou a designar-se Prevenar 20®, é comparticipada e está recomendada como “opção preferencial para todos os adultos com idade ≥ 65 anos e toda a população com ≥ 18 anos com risco acrescido de contrair doença invasiva, imunocomprometidos, ou com risco acrescido de meningite bacteriana”, segundo o Grupo de Doenças Respiratórias de Medicina Geral e Familiar.(1)

    foto
    Uma das vacinas que tem sido mais abordada é a vacina contra o herpes-zóster (HZ), também conhecido por “zona”. Trata-se de uma infeção causada pela reativação do vírus varicela-zóster, caracterizada por aparecimento de lesões cutâneas muito dolorosas em determinada área e que pode ter complicações graves como dor persistente após a infeção (nevralgia pós-herpética) ou sequelas no local afetado, como os olhos, por exemplo. Qualquer pessoa que já tenha desenvolvido varicela no passado pode ter esta infeção, havendo fatores de risco acrescido como a idade avançada ou o sistema imunitário debilitado por imunossupressão ou doenças crónicas (diabetes mellitus, asma, doença renal crónica, doença cardiovascular, doença pulmonar obstrutiva crónica, entre outras). Assim, segundo a Sociedade Portuguesa de Medicina Interna e a Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar, “recomenda-se a vacinação contra o HZ em todos os adultos com idade ≥ 50 anos, assim como em adultos com idade entre 18 e 49 anos com risco elevado de zona”.(2) Em Portugal, existem dois tipos de vacina, estando recomendada, preferencialmente, a vacina recombinante (Shingrix®), pela sua eficácia e segurança. Esta não é, até ao momento, comparticipada, e o seu esquema inclui 2 doses, administradas com 2 a 6 meses de intervalo, não estando previstas outras doses de reforço posteriores.

    Mais recentes e, provavelmente, menos conhecidas, são as vacinas contra a infeção por Vírus Sincicial Respiratório (VSR). Quem contacta com crianças poderá já ter ouvido este nome mas, no geral, é menos conhecido do que outros vírus que causam infeções respiratórias. No entanto, este vírus é a causa mais comum de doença das vias respiratórias inferiores até aos 12 meses de idade, levando a doença grave com necessidade de internamento em muitos casos. Idosos e pessoas com o sistema imunitário comprometido podem, também ser afetados por este vírus. Em Portugal, estão agora

    1https://apmgf.pt/wp-content/uploads/2022/10/Folheto-GRESP-vacinacao_completa_versao_Final.pdf

    2https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/1886/1788

    (...)

    leia este artigo na íntegra na edição impressa.

    Nota: Desde há algum tempo que o jornal "A Voz de Ermesinde" permite aos seus leitores a opção pela edição digital do jornal. Trata-se de uma opção bastante mais acessível, 6,50 euros por ano, o que dá direito a receber, pontualmente, via e-mail a edição completa (igual à edição impressa, página a página, e diferente do jornal online) em formato PDF. Se esta for a sua escolha, efetue o pagamento (de acordo com as mesmas orientações existentes na assinatura do jornal impresso) e envie para o nosso endereço eletrónico ([email protected]) o nome, o NIF e o seu endereço eletrónico para lhe serem enviadas ao longo do ano, por e-mail, as 12 edições do jornal em PDF.

    Mas se preferir a edição em papel receba comodamente o Jornal em sua casa pelo período de 1 ano (12 números) pela quantia de 13,00 euros.

    Em ambos os casos o NIB para a transferência é o seguinte: 0036 0090 99100069476 62

    Posteriormente deverá enviar para o nosso endereço eletrónico ([email protected]) o comprovativo de pagamento, o seu nome, a sua morada e o NIF.

    *Telma Lopes - Médica Especialista de Medicina Geral e Familiar, UCSP Matosinhos - Unidade Local de Saúde de Matosinhos

    *Catarina Rebelo - Médica Especialista de Medicina Geral e Familiar, UCSP Darque - Unidade Local de Saúde do Alto Minho

     

    Outras Notícias

    · O estigma das prisões

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: [email protected].