Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-12-2021
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 30-11-2021

    SECÇÃO: Crónicas


    foto
    A GUERRA COLONIAL PORTUGUESA (26)

    As operações Viriato e Esmeralda

    A 18 de julho de 1961 tem início a designada “OPERAÇÃO VIRIATO” tendo em vista a reconquista de Nambuangongo, localidade que, como se disse na nossa anterior crónica, os guerrilheiros da UPA (União dos Povos de Angola) haviam ocupado, dela fazendo a sede/capital do autodenominado “Reino de Nambuangongo”.

    Integraram a dita operação militar, num total de cerca de 1300 homens apoiados por meios aéreos, de artilharia e engenharia, entre outros: o Batalhão 96, formado no Batalhão Independente de Infantaria, na ilha de S. Miguel, Açores, integrando quatro companhias, comandado pelo Tenente-Coronel Armando Maçanita; o Batalhão 114, comandado pelo Coronel Oliveira Rodrigues e o Esquadrão de Cavalaria 149, sob o comando do Capitão Rui Abrantes, reforçado com pessoal de artilharia e engenharia.

    O primeiro daqueles partiu de Quibaxe e após vários recontros com grupos guerrilheiros da UPA do qual resultaram, inclusive, algumas baixas no seio das nossas tropas, vencendo toda a espécie de vicissitudes, logrou atingir o objetivo a 9 de agosto, hasteando a bandeira portuguesa na torre da igreja local.

    O segundo partiu de Caxito, mas não conseguiu cumprir integralmente a sua missão, porquanto não conseguiu passar de Quissacala, uma sanzala populosa, na região dos Dembos, sensivelmente a meio do percurso, devida à forte oposição de cerca de 500 guerrilheiros da UPA que ali o terão cercado e flagelado.

    O terceiro partiu de Ambriz a 25 de julho, formando uma coluna com cerca de 250 homens, conseguindo alcançar a vila de Nambuangongo, na manhã do dia 10 de agosto, após levar de vencida enormes obstáculos à sua progressão, designadamente troncos de árvore (abatises) atravessados no caminho, valas profundas e inclusive alguns confrontos com a guerrilha.

    Para além da reocupação daquela vila, dali expulsando os guerrilheiros da UPA que, desde meados de março, aquando dos massacres perpetrados sobre os fazendeiros, seus assalariados, pessoal administrativo e outros habitantes brancos locais, a haviam ocupado, a operação visava igualmente rasgar itinerários que garantissem o acesso, em segurança, àquela região, à população civil e aos militares.

    Papel de relevo nesta operação teve a força aérea, quer em sede de operações de reconhecimento quer em ataques ao solo sempre que deparavam com forças inimigas, tendo chegado a bombardear, inclusivamente, através da utilização de napalm (bombas incendiárias), aldeamentos suspeitos de abrigarem elementos dessas forças, com todas as consequências que é possível imaginar para crianças, idosos, doentes, mulheres e outros bens materiais, compactuassem ou não com o inimigo. As bombas assim lançadas não escolhem vítimas, matando indiscriminada e massivamente culpados e inocentes, apagam aldeamentos inteiros do mapa. Na vertigem da guerra — uma guerra que não cuidava apenas duma simples disputa territorial, mas que era regida pelo medo e pela sede de vingança pela chacina indiscriminada recentemente praticada sobre civis inocentes — e cobarde, à traição, a violência não tem cor nem, por vezes, chega a conhecer limites. A estratégia de destruição sistemática dos aldeamentos indígenas em zonas operacionais de contacto iminente, isto é, onde se suspeitasse da presença de inimigos, por onde as tropas iam passando, tornara-se um clássico desde os remotos tempos das chamadas “campanhas de pacificação” de que já aqui falámos, noutra sede. De alguma forma compreende-se que um qualquer nativo observado nessa zona, se não era inimigo declarado, bem poderia ser um seu cúmplice que lhe desse abrigo ou informações sobre a presença das nossas tropas, pondo, assim, em risco, as vidas dos nossos combatentes. No limite, tratava-se, por mais cruel que possa parecer, de matar para não morrer. Quantos inocentes não terão, assim, perecido!

    foto

    ENFIM, CONTINGÊNCIAS DA GUERRA!

    Expulsos de Nambuangongo, muitos dos guerrilheiros da UPA ter-se-ão reunido aos que na zona conhecida por Pedra Verde, sita nas imediações da já referida sanzala de Quissacala, cercaram o Batalhão 114, impedindo o seu avanço para o objetivo. Segundo alguns testemunhos, ter-se-ão ali concentrado à volta de cinco milhares de combatentes indígenas, militantes da UPA, movimento autonomista liderado por Holden Roberto, dispondo de campo de treinos cuja instrução estava a ser ministrada por mercenários e até duma fábrica de armamento — canhangulos — e respetivas munições.

    A Pedra Verde é uma elevação geológica, um morro, de difícil acesso, que sobressai dum maciço de cordilheiras escarpadas com cerca de 700 metros de altitude, situado a nordeste de Luanda, donde dista uns 130 km. Contém grutas naturais e túneis escavados pelo homem. Situa-se no itinerário que liga Luanda a Carmona (Uíge), à entrada dos Dembos, e que é conhecido por “estrada do café”, pois serve as inúmeras fazendas e outros aglomerados populacionais que produzem e comercializam este bem alimentar, uma das maiores fontes de riqueza de toda a região dos Dembos.

    Entretanto, no sentido de reconquistar essa região dos Dembos conhecida por Pedra Verde e dali desalojar o inimigo, as tropas portuguesas prepararam uma operação a que deram o nome de “OPERAÇÃO ESMERALDA”. Foi esta realizada por uma força mista integrando algumas unidades operacionais de infantaria, artilharia e meios aéreos, entre outros. O avanço das diversas colunas teve início a 13 de setembro desse mesmo ano de 1961, sendo a operação dada por concluída cerca de uma semana depois com a efetiva reocupação daquele espaço territorial considerado de alto valor estratégico para os nacionalistas da UPA que dali conseguia ramificar-se e infiltrar os seus guerrilheiros por toda a região dos Dembos, causando graves danos aos interesses coloniais, quer sociais quer económicos, uma vez que, como se disse, várias e importantes fazendas, especialmente dedicadas ao cultivo do café, ali se situavam.

    (...)

    leia este artigo na íntegra na edição impressa.

    Nota: Desde há algum tempo que o jornal "A Voz de Ermesinde" permite aos seus leitores a opção pela edição digital do jornal. Trata-se de uma opção bastante mais acessível, 6,00 euros por ano, o que dá direito a receber, pontualmente, via e-mail a edição completa (igual à edição impressa, página a página, e diferente do jornal online) em formato PDF. Se esta for a sua escolha, efetue o pagamento (de acordo com as mesmas orientações existentes na assinatura do jornal impresso) e envie para o nosso endereço eletrónico (avozdeermesinde@gmail.com) o nome, o NIF e o seu endereço eletrónico para lhe serem enviadas ao longo do ano, por e-mail, as 12 edições do jornal em PDF.

    Mas se preferir a edição em papel receba comodamente o Jornal em sua casa pelo período de 1 ano (12 números) pela quantia de 12,00 euros.

    Em ambos os casos o NIB para a transferência é o seguinte: 0036 0090 99100069476 62

    Posteriormente deverá enviar para o nosso endereço eletrónico (avozdeermesinde@gmail.com) o comprovativo de pagamento, o seu nome, a sua morada e o NIF.

    Por: Miguel Henriques

     

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.