Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-12-2021
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 20-10-2021

    SECÇÃO: Destaque


    TOMADA DE POSSE DOS ÓRGÃOS MUNICIPAIS

    Luta contra a solidão irá ser a bandeira do próximo mandato de José Manuel Ribeiro

    Fotos CMV
    Fotos CMV
    José Manuel Ribeiro tomou posse para o seu terceiro e último mandato à frente dos destinos da Câmara Municipal de Valongo. A cerimónia de instalação dos órgãos municipais (Câmara e Assembleia Municipal de Valongo) decorreu a 18 de outubro último no Parque do Leça, em Alfena, numa tenda gigante ali montada para o efeito, e contou com a presença de algumas dezenas de ilustres convidados (autarcas da Área Metropolitana do Porto, dirigentes de instituições de ensino, dirigentes de hospitais e de outras entidades ligadas à área da Saúde, forças de segurança, bombeiros, dirigentes de IPSS’s, e associações, entre outras), funcionários do Município e muitos munícipes.

    No seu discurso o autarca reeleito começou por agradecer aos valonguenses em geral e a um conjunto de instituições o trabalho extraordinário no combate à pandemia que tem sido travado, salientando contudo aqui uma entidade em particular, a Comissão de Proteção Civil, que é composta por diversas entidades do concelho, e que nas palavras do edil tem feito um trabalho notável no combate à crise pandémica.

    Seguidamente José Manuel Ribeiro recordaria que durante a campanha eleitoral não fez qualquer promessa, assumindo antes um compromisso com o seu partido de continuar a fazer “coisas”. E o próximo mandato será dedicado à luta contra a solidão. «Esta é a maior luta que temos pela frente. Nós temos que fazer algo rapidamente, as pessoas estão cada vez mais fechadas numa bolha, as pessoas cada vez falam menos umas com as outras», alertou o autarca. Para contrariar esta tendência o presidente reeleito vai apostar numa programação cultural ao longo de todo o ano, pois «nós temos de estimular mais convívio entre as pessoas, as pessoas têm de rapidamente regressar ao convívio umas com as outras. É preciso estimular mais o convívio uns com os outros. É preciso pedir às pessoas para saírem de casa, porque é quando elas saem e convivem umas com as outras que percebem como é ilusório o mundo das bolhas e das redes sociais».

    Salientou que esta é a única forma eficaz que existe para combater estes fenómenos que nos estão a afastar cada vez mais da participação cívica, em que as pessoas se fecham em casa, em que só conhecem o mundo virtual, em que não têm interesse nenhum em participar na vida cívica, lembrando a propósito disto a abstenção nas últimas eleições autárquicas, em que em cada 100 pessoas só 47 votaram. «Isto é da maior gravidade. E portanto, nós vamos lutar contra a solidão, vamos agarrar nesta questão da cultura, nesta questão social, e vamos estimular as pessoas para saírem de casa e virem conviver umas com as outras, naturalmente respeitando as regras».

    foto

    COMPROMISSOS DE BAIXAR O IMI E NÃO SÓ...

    José Manuel Ribeiro voltou a sublinhar que não havia prometido nada antes das eleições do dia 26 de setembro, no entanto, “hoje”, já como presidente de Câmara, elencou alguns dos compromissos. Em primeiro lugar avançou que nos próximos quatro anos irá «dar um sinal às pessoas» ao reduzir gradualmente o IMI, até chegar aos 0,35% que foi o valor abaixo do que encontrou em 2013 quando chegou à Câmara.

    Deu ainda nota do compromisso assumido para a compra do antigo Cinema de Ermesinde e do antigo consulado do Equador, também em Ermesinde,

    O reforço do Fundo Municipal de Emergência Social de apoio às famílias mais carenciadas e às crianças em situação de risco alimentar será outra das metas do próximo mandato, assim como continuar a aumentar o apoio nas bolsas a estudantes universitários do concelho, quer para alunos com muitas posses, quer para alunos com poucas posses, «pois valorizamos o ensino, e o que conta é não abandonarem o seu percurso escolar», disse o autarca. Continuar a apoiar as IPSS’s; reforçar ainda mais a aposta na leitura pública; implementar a estratégia local de habitação; reforçar o Orçamento Participativo Jovem; manter e reforçar o apoio às instituições desportivas e apostar em novas modalidades; implementar a figura do Provedor do Munícipe; continuar com os projetos de combate ao insucesso escolar; continuar a política de melhoria e requalificação do parque escolar do concelho, com a conclusão da requalificação da Escola Vallis Longus e o início das obras de requalificação da Escola Secundária de Valongo; concluir a ampliação do centro de recolha animal cuja capacidade vai triplicar; manter o projeto Tolerância Zero à Corrupção; continuar a implementar o plano de mobilidade e acessibilidade para todos e o plano de mobilidade sustentável; reforçar e alagar o programa de combate aos buracos nas ruas e passeios; prosseguir a recuperação das margens dos rios Leça e Ferreira; atrair mais investimento gerador de emprego com o objetivo de que até 2025 se chegue aos 500 milhões de euros de captação de investimento; melhorar a rede transportes públicos no concelho; e arrancar com as obras para a construção de piscinas a céu aberto em Campo e em Ermesinde, na zona da Santa Rita, foram os compromissos deixados pelo edil.

    foto

    «A POPULAÇÃO DEU-NOS UM CARTÃO VERDE PARA CONTINUAR ESTA POLÍTICA»

    José Manuel Ribeiro recordou ainda que ele e a sua equipa foram reeleitos com uma maioria, «tivemos mais votos que todas as outras forças políticas, ou seja, a população deu-nos um cartão verde para continuar esta política e nós vamos continuar».

    No seu discurso disse ainda que desde muito novo sempre quis ser presidente de câmara, afirmando-se como um presidente de câmara muito orgulhoso, que gosta muito do concelho de Valongo. «Sempre achei que podia com a paixão que tenho pela minha terra ajudar a dar o toque de Midas».

    A terminar deixou duas garantias, a primeira delas de que vai continuar a ser o «mesmo Zé Manel Ribeiro, cheio de paixão por aquilo que faço, e com a garantia de que eu e nós governamos para todos, para aqueles que votaram no PS e para os que não votaram no PS». Em segundo lugar deixou uma palavra a toda a população do concelho de que em qualquer terra tudo é possível, «nós não estamos condenados à condição de partida, filho de pobre não tem de ser pobre. Temos de combater a pobreza de espírito, porque a pobreza de espírito destrói tudo. Mas nós somos diferentes e é na diferença que temos de construir o nosso caminho. É muito importante que as pessoas deste concelho percebem isto, é através da identidade, através da forma como convivemos uns com os outros, que podemos fazer a diferença».

    Este discurso aconteceu posteriormente à tomada de posse dos novos membros da Assembleia Municipal de Valongo e do Executivo camarário.

    Finda esta cerimónia teve lugar no mesmo local a primeira sessão da AMV, cujo único ponto visou a eleição da Mesa. Seria apresentada uma única proposta de lista, pela mão do PS, que indicava que a constituição da Mesa deveria ser composta por Abílio Vilas Boas (presidente), Cátia Lima (1.º secretário) e Pedro Fernandes (2.º secretário). A votação (por voto secreto) determinou a aprovação por maioria da lista, com 24 votos a favor, dois votos contra e três votos em branco.

    Abílio Vilas Boas irá assim cumprir mais um mandato na qualidade de presidente da AMV.

    Por: MB

     

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.