Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 30-11-2021
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 20-09-2021

    SECÇÃO: Local


    Projeto de voluntariado Y(OUR) VOICE – Y(OUR) CHOICE

    No âmbito do Programa Corpo Europeu de Solidariedade, os voluntários Davide (Itália), Sacha (França) e Pilar (Espanha), encontram-se a terminar o seu projeto de voluntariado na Junta da Freguesia de Ermesinde, local onde dinamizaram várias atividades desde o final do mês de março. Seguem em baixo os seus testemunhos acerca desta experiência.

    Fotos JFE
    Fotos JFE
    Testemunho de Sacha (França)

    Nas linhas seguintes, vou explicar-vos o que fez um jovem francês durante 6 meses em Ermesinde. O meu nome é Sacha, tenho 21 anos de idade e no dia 28 de março de 2021 cheguei ao Porto para viver uma nova aventura!

    Tendo terminado os meus estudos em 2020, tive depois o desejo de viajar, descobrir e conhecer novas pessoas. Que melhor maneira de o fazer do que com o Corpo Europeu de Solidariedade! O CES é um programa que permite aos jovens europeus serem voluntários noutro país europeu.

    Assim, realizei duas missões com este programa, a primeira de dois meses que me fez passar o Natal e o Ano Novo na Bulgária, depois a missão de 6 meses na Junta de Freguesia de Ermesinde! Somos 3 europeus neste projeto, Pilar que é espanhola e Davide que é italiano. O nosso projeto consistiu em apoiar a comunidade local através da nossa ajuda em várias ações tais como “Rua Sem Beatas”, “Campos de Férias de Verão”, ou “Semana Europeia da Juventude 2021”...

    Não vi o tempo passar durante estes 6 meses aqui, descobrir uma nova língua, muitas culturas, pessoas vindas de todo o mundo é uma felicidade insaciável da qual nunca me vou cansar. Apaixonei-me pela cidade do Porto. Apaixonado pelo seu magnífico pôr-do-sol sobre o Douro, seus bairros que cada um tem as suas características, suas noites cheias de diversidade, seus bares, seus parques, as suas praias...é óbvio para mim, hoje, que voltarei aqui.

    Para fazer uma breve conclusão, se você que me lê é um jovem em busca de coisas novas a viver, então convido-o a dar uma vista de olhos ao CES. Uma forma de viajar e viver gratuitamente no estrangeiro, de se tornar útil, de descobrir a Europa, mas também de se descobrir a si próprio.

    foto

    Testemunho de David (Itália)

    Sempre fui fascinado por um mural numa das minhas zonas favoritas do Porto que cita uma frase em latim “In varietat e concordia” que poderíamos traduzir como “na diversidade há harmonia” e penso que esta frase pode resumir perfeitamente a minha experiência com o Corpo Europeu de Solidariedade.

    Conheci este projeto quase por acaso e fiquei imediatamente fascinado por ele. A ideia de passar uma temporada no estrangeiro a trabalhar e viver com pessoas de toda a Europa foi extremamente excitante, aceitei a proposta de realizar o meu ESC em Ermesinde na Junta da Freguesia. Você sabe que nunca é fácil sair de casa, muito menos quando se trata de ir para o exterior, você tem que se relacionar com muitos aspetos diferentes que vão desde a organização pessoal até o relacionamento com os outros, nem é fácil ir trabalhar no exterior. Com um trabalho diferente, outra mentalidade, você tem que se comunicar em outro idioma ... e aqui está aquele famoso “varietato” que no início me fascinou tanto e começou a assustar-me, surgiram muitas dúvidas serei feliz com eles? Serei capaz de ter um bom relacionamento? Estarei à altura do trabalho?

    Hoje estou quase no final desta experiência e posso dizer que até agora é a melhor experiência que já tive na minha vida, me deu a oportunidade de crescer pessoalmente, conhecer lugares maravilhosos, estabelecer relacionamentos magníficos com pessoas de todo o mundo, e aquela variedade que começava a me preocupar tornou-se um dos pontos fortes, pessoalmente eu dividia a casa com dois outros voluntários, um francês e uma espanhola, pessoas de diferentes contextos, costumes e tradições de um para o outro e foi maravilhoso mesclar nossas diferenças, foi uma montanha-russa de emoções, passei dias muito felizes e também houve momentos difíceis, foi triste quando tivemos que nos despedir de algumas pessoas e com certeza será triste para sair, mas um dos aspetos mais interessantes e controversos dessa experiência é a sua transitoriedade, a sua fugacidade, o seu ser temporário, a temporalidade das relações, a provisoriedade de acontecimentos e é precisamente quando se dá conta dessa provisoriedade que tudo ganha um valor ainda mais único e raro.

    Um agradecimento especial aos meus colegas de casa e à organização anfitriã que cuidou de nós impecavelmente e nos fez sentir em casa desde o primeiro dia, sim, foi definitivamente um capítulo temporário na minha vida, mas será eterno dentro de mim.

    foto

    Testemunho de Pilar (Espanha)

    Acho que a vida é como um grande livro feito de capítulos diferentes. Em alguns capítulos você chora e em outros você ri. Em alguns você aprende coisas que nunca parou para pensar e em outros você vê paisagens cuja beleza não poderia ser capturada nem mesmo pelo melhor pintor. Em alguns você odeia o protagonista por suas decisões e em outros você odeia o autor por tornar a vida tão difícil. Tem horas até que você quer fazer parte daquele livro e ter as aventuras que o protagonista tem e mais depois de passar meses trancado em sua casa pelo COVID-19.

    O que não percebemos é que essa aventura está ao nosso alcance e é mais fácil de realizar do que imaginamos, basta superar a preguiça e ir em frente.

    A minha aventura começou quando descobri o “Corpo Europeu de Solidariedade”, uma instituição financiada pela União Europeia que promovia projetos que proporcionavam uma experiência ‘estimulante’ e ‘enriquecedora’. A princípio hesitei, já tinha vivido no estrangeiro, na Bélgica e na Holanda, e não via que isso me poderia trazer tal experiência. Resolvi então mudar a minha perspetiva e enxergar isso como uma oportunidade de contribuir, retribuir, ajudar, me sentir ativa, uma ferramenta para a sociedade. No entanto, como sempre acontece, não demorei muito para perceber que essa nova experiência em que supostamente me meti sem egoísmo me traria mais do que eu imaginava. Isso me ajudou a crescer em todas as áreas da minha vida; família, escola, individual, profissional, etc. Tirando de mim uma nova “Pili”. A versão melhorada. APili 2.0.

    Esta história da minha experiência pode parecer idílica e fantasiosa, mas não há palavras que melhor descrevam a minha passagem pelo projeto “Y(our) voice – Y(our) choice” em Ermesinde, Portugal. Graças a este projeto tenho visto aquelas paisagens indescritíveis de que falam os livros em terras portuguesas. Aprendi aquelas coisas que você nunca pára para pensar; viver com dois homens, ter paciência e compreender as crianças, a riqueza da língua portuguesa, cuidar de mim (cozinhar, passar a ferro, etc.), compreender outras culturas em maior profundidade, etc. Já ri tantas noites com meus novos amigos internacionais, e chorei alguns outros quando eles partiram, mesmo sabendo que a partir daquele momento eu tinha novas casas em diferentes partes da Europa. Acordei do sono profundo que a quarentena deixara e voltei a apreciar o cheiro das ruas do Porto ensopadas pela chuva. Já fiz e desfiz, vivi e conheci, viajei e fotografei, gozei e congenializei e encontrei tantas coisas no meu caminho que é impossível citá-las em uma mera folha de papel.

    E tudo isso aconteceu graças a assumir o meu papel de autor e protagonista e embarcar na grande aventura do voluntariado que foi possível graças a todo o trabalho que não vejo, mas existe. Foi possível graças o apoio da UE, a organização que tenho a meu cargo em Espanha e Portugal. Graças aos meus grandes colegas e chefes que ofereceram sua ajuda em qualquer necessidade. Graças à ajuda financeira e médica e à Junta da Freguesia de Ermesinde que me colocou em contacto com outros voluntários como eu, perdidos e com medo no início, mas querendo saber e descobrir, para viver.

    É por isso e muito mais que recomendo vivamente este voluntariado e convido outros jovens como eu a assumir o seu papel de autor e protagonista do seu próprio livro e encontrar as experiências que lhe parecem idílicas e fantasiosas e vivê-las.

     

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.