Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 20-09-2021
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 30-06-2021

    SECÇÃO: Crónicas


    foto
    A GUERRA COLONIAL PORTUGUESA (22)

    Alguns precedentes históricos

    IV “O MASSACRE DA BAIXA DO CASSANJE”

    O s trágicos acontecimentos que ficaram conhecidos como “O Massacre da Baixa do Cassanje” constituem, pela sua relevância política e consequente impacto sociológico não estritamente luso-angolano, mas também de nível internacional, o lançar da primeira acha para a fogueira em que se viria a tornar a luta armada pela independência das então colónias portuguesas em África, durante 13 longos e penosos anos.

    Acontecimentos esses que tiveram como retaliação por parte da UPA, mais tarde UPA/FNLA, liderada por Holden Roberto, a partir da vizinha e recém-independente República do Congo, a chacina de largas centenas de colonos brancos e seus assalariados bailundos, em 15 de março de 1961, de que, noutra sede, já aqui falámos.

    Com efeito, a 4 de janeiro desse mesmo ano de 1961, contratados da empresa algodoeira Cotonang (Companhia Geral dos Algodões de Angola)1, da baixa do Cassanje, na província de Malanje, cansados de suportar o trabalho forçado, as péssimas condições laborais, remuneração irrisória e quase sempre em espécie, impostos excessivos, sanções e castigos desumanos, arbitrariamente aplicados, quer por representantes da entidade patronal quer pelas autoridades administrativas locais que, muitas das vezes, com eles compactuavam, decidiram boicotar o cultivo de algodão para aquela empresa monopolista, sublevando-se numa greve geral. Lembramos que estes trabalhadores eram legalmente forçados a trabalhar e, por isso, retirados às suas aldeias, às suas famílias, a maior parte deles bailundos provenientes do centro e sul do território angolano. A cada um era distribuído um hectare de terreno de cultivo de algodão que era forçado a cultivar, em regime de monocultura intensiva, tendo de “vender” a totalidade da sua produção à companhia, pelo preço que esta muito bem entendesse, em detrimento doutras culturas indispensáveis ao sustento de si próprios e de suas famílias. Culturas essas que, tradicionalmente, eram praticadas na região desde tempos imemoriais, como era o caso da mandioca, amendoim, café, etc., cujos produtos eram comercializados pelos próprios produtores e constituíam a base da sua sobrevivência.

    foto
    Assim, em outubro ou novembro, não se sabe bem ao certo, do ano anterior, 1960, os trabalhadores rurais recusam-se a receber as sementes para a época agrícola que então se iniciava. Seguidamente, em 3 de janeiro, instigados por um tal António Mariano, indivíduo pertencente a uma seita religiosa e com ligações à UPA, num protesto coletivo, procedem à destruição das sementes, das culturas, de casas e vias de acesso, episódio conhecido por “Guerra de Maria”. Além disso, chegam mesmo a capturar, torturar e até a matar alguns dos seus capatazes e agentes da autoridade administrativa, instaurando o caos na região, criando assim um verdadeiro e generalizado clima de terror.

    Contextualizando um pouco os acontecimentos, há que referir que aquilo que aparentemente se apresentou como um mero incidente de cariz laboral, reivindicativo de melhores condições salariais e laborais, foi muito além disso. Aliás, como é sabido, ao regime político então vigente na metrópole não interessava que, fora das suas fronteiras, se fizesse eco da insatisfação das populações africanas autóctones sob o jugo colonial, da sua tenaz luta pela independência e muito menos dos episódios violentamente repressivos eventualmente praticados pelas autoridades coloniais, nomeadamente pelas suas forças armadas, no sentido de lhes pôr cobro. Ou não estivesse Portugal, a esse propósito, há alguns anos, sob os holofotes das Nações Unidas! Depois, há que considerar que a recém-independência da República do Congo ocorrida cerca de meio ano antes veio acicatar ainda mais essa luta e fazer o povo angolano acreditar que, também ali, tal seria possível. Aliás, tratando-se dum país fronteiriço, grande número de famílias da região repartia-se entre os dois territórios, para além da circunstância de muitos angolanos terem para ali emigrado, em busca de melhores condições de vida. E é a partir desse território estrangeiro vizinho que ativistas políticos, “agitadores” na lógica colonial, se infiltram na região da Baixa do Cassanje, aproveitando o mal-estar das populações e invocando a experiência e os ensinamentos, senão o próprio aconselhamento, dos líderes congoleses que haviam lutado pela independência do Congo Belga e assumido as rédeas do poder no seu primeiro ato eleitoral pós-independência. Referimo-nos, concretamente, a Joseph Kasavubu e Patrice Lumumba, respetivamente Presidente da República e 1.º Ministro. Assim, esses ativistas creem piamente que, incitando os trabalhadores rurais a insurgirem-se contra o “branco colonialista”, irão, também eles, alcançar a sua própria liberdade e independência.

    Para isso, eivados dum certo messianismo, não se coibiram de enganar a própria população, fazendo-a acreditar que, ao revoltar-se, cumpria a vontade duma entidade mística protetora que dava pelo nome de “Maria” e que não tivesse receio de dar o peito às balas, se necessário fosse, que não tivesse medo das armas dos brancos, pois apenas disparavam inofensivos jatos de água.

    (...)

    leia este artigo na íntegra na edição impressa.

    Nota: Desde há algum tempo que o jornal "A Voz de Ermesinde" permite aos seus leitores a opção pela edição digital do jornal. Trata-se de uma opção bastante mais acessível, 6,00 euros por ano, o que dá direito a receber, pontualmente, via e-mail a edição completa (igual à edição impressa, página a página, e diferente do jornal online) em formato PDF. Se esta for a sua escolha, efetue o pagamento (de acordo com as mesmas orientações existentes na assinatura do jornal impresso) e envie para o nosso endereço eletrónico (avozdeermesinde@gmail.com) o nome, o NIF e o seu endereço eletrónico para lhe serem enviadas ao longo do ano, por e-mail, as 12 edições do jornal em PDF.

    Mas se preferir a edição em papel receba comodamente o Jornal em sua casa pelo período de 1 ano (12 números) pela quantia de 12,00 euros.

    Em ambos os casos o NIB para a transferência é o seguinte: 0036 0090 99100069476 62

    Posteriormente deverá enviar para o nosso endereço eletrónico (avozdeermesinde@gmail.com) o comprovativo de pagamento, o seu nome, a sua morada e o NIF.

    1 Consórcio luso-belga que, por concessão, detinha o monopólio do cultivo e comércio do algodão na extensa área de oitenta mil quilómetros quadrados, na região denominada por “Baixa do Cassanje”, estendendo-se da província de Malanje até às Lundas.

    Por: Miguel Henriques

     

    Outras Notícias

    · “Vontades! Quem as não tem?”

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.