Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-07-2020
Jornal Online

SECÇÃO: História


foto
MEMÓRIAS DA NOSSA GENTE (16)

Medicina Popular (2.ª parte)

Com o país e o mundo ainda consternados com a pandemia Covid19, achámos interessante continuar a partilhar com os leitores algumas formas de “medicina popular” utilizadas em Ermesinde doutros tempos. Depois de aqui termos tratado, na última edição, de algumas infusões e chás com várias virtudes, vamos falar hoje de Fortificantes e de outras misturas miraculosas.

FORTIFICANTES

UM CONJUNTO DE ERVAS DE VERRUGAS, COM AS SUAS FLORES AMARELAS, DESTINADAS AO TRATAMENTO DE IMPIGENS E CRAVOS
UM CONJUNTO DE ERVAS DE VERRUGAS, COM AS SUAS FLORES AMARELAS, DESTINADAS AO TRATAMENTO DE IMPIGENS E CRAVOS

Gemada de ovos - Várias gemas batidas, quase sempre misturadas com leite, serviam como fortificante, quando alguém se sentia mais fraco.

Misturas com mel - Este alimento natural, tomado simples, servia para tudo, desde o tratar constipações até à rouquidão. Tanto se misturava no chá de folha de laranjeira, como no de casca de cebola, ou até no leite e mesmo no café. Rara era a casa que não tinha na cozinha o seu frasco de mel.

Xaropada - Para vencer a rouquidão nada melhor do que uma xaropada, isto é, uma espécie de queimada de açúcar, com aguardente.

Sopas de vinho - Geralmente uma tigela de vinho tinto devidamente aquecido a que se misturava bocados de pão de trigo, ou mesmo de milho. Acrescentava-se açúcar, para tornar esta bebida mais agradável.

UMA FIGUEIRA-DO-DIABO, COM ALGUNS ANOS DE EXISTÊNCIA
UMA FIGUEIRA-DO-DIABO, COM ALGUNS ANOS DE EXISTÊNCIA

OUTRAS MISTURAS «MIRACULOSAS»

Figueira-do-diabo (figueira da índia) - Planta da família dos cactos, existentes nalgumas casas e cujas folhas serviam, depois de abertas ao meio e tirados os picos, para colocar sobre as feridas resultantes sobretudo de queimadelas. Havia também quem as usasse para tratar a tosse convulsa, ou coqueluche. Cortava-se uma folha e punha-se a escorrer, durante algum tempo. Com esta seiva e açúcar mascavado fazia-se uma espécie de xarope.

Papas de linhaça - Muito utilizada para curar gripes, rouquidão e outras doenças do peito. A linhaça era fervida em água quente e aplicada envolta num pano, geralmente no peito, embora algumas vezes se utilizasse na barriga das pernas. Era quase sempre misturada ou polvilhada com mostarda. A partir de determinada altura, começou-se a vender nas farmácias uma cataplasma, obtida com esses dois produtos, que era fervida e que se destinava às mesmas mazelas. À falta de linhaça, havia quem utilizasse simples farinha quente, coberta por um pano, para tratar doenças de peito.

(...)

leia este artigo na íntegra na edição impressa.

Nota: Desde há algum tempo que o jornal "A Voz de Ermesinde" permite aos seus leitores a opção pela edição digital do jornal. Trata-se de uma opção bastante mais acessível, 6,00 euros por ano, o que dá direito a receber, pontualmente, via e-mail a edição completa (igual à edição impressa, página a página, e diferente do jornal online) em formato PDF. Se esta for a sua escolha, efetue o pagamento (de acordo com as mesmas orientações existentes na assinatura do jornal impresso) e envie para o nosso endereço eletrónico (avozdeermesinde@gmail.com) o nome, o NIF e o seu endereço eletrónico para lhe serem enviadas ao longo do ano, por e-mail, as 12 edições do jornal em PDF.

Mas se preferir a edição em papel receba comodamente o Jornal em sua casa pelo período de 1 ano (12 números) pela quantia de 12,00 euros.

Em ambos os casos o NIB para a transferência é o seguinte: 0036 0090 99100069476 62

Posteriormente deverá enviar para o nosso endereço eletrónico (avozdeermesinde@gmail.com) o comprovativo de pagamento, o seu nome, a sua morada e o NIF.

Por: Jacinto Soares

 

Outras Notícias

· Nascimento de Amália Rodrigues

 

este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
© 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.