Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-07-2019
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 30-04-2019

    SECÇÃO: Local


    NOTICIAS DA UNIVERSIDADE SÉNIOR DE ERMESINDE

    Conferência: Via Verde do Acidente Vascular Cerebral

    Fotos USE
    Fotos USE
    A propósito do Dia Mundial da Saúde, comemorado no dia 7 de abril, o Dr. Alcino Branco, replicou, no passado dia 8, no Auditório da Junta de Freguesia de Ermesinde (JFE), a aula dada na disciplina de Saúde e Envelhecimento Ativo da Universidade Sénior de Ermesinde (USE).

    Num auditório quase repleto, esta iniciativa conjunta da USE e da JFE, contou ainda com a colaboração dos Bombeiros Voluntários de Ermesinde, na pessoa do Enfermeiro Carlos Gomes, técnico do INEM e pessoa com vasta experiência na matéria, já que é bombeiro há 14 anos.

    Começando pela definição do Acidente Vascular Cerebral (défice neurológico que resulta do entupimento ou rutura de uma das artérias cerebrais) e apontando algumas estatísticas mais recentes (Portugal teve em 2018 uma média de 10 AVC por dia, em que 70% dos casos são de pessoas com mais de 70 anos, p. ex.), o Dr. Alcino Branco não quis acentuar muitos pormenores técnicos, preferindo pôr o enfoque na rapidez e no processo correto de atuação. “O AVC é uma emergência médica – Na sua suspeita não espere para ver se passa. LIGUE o 112” foi a mensagem várias vezes repetida.

    “3 F’s” é o nome porque são conhecidos os sinais de alerta:

    FALA – dificuldade ou perturbações, voz arrastada ou incompreensível.

    FACE – boca ao lado; diminuição ou fraqueza nos músculos da face.

    FORÇA – falta de força nos membros superiores ou inferiores.

    foto
    O conceito “tempo é cérebro” traduz o facto de o tecido cerebral ser extremamente vulnerável à privação de irrigação sanguínea e que em cada minuto de isquémia (insuficiência de corrente sanguínea) um número elevado de células ser destruído. Por esta razão, é fundamental agir rapidamente. Daí o aparecimento da “Via Verde do AVC”, cujo funcionamento foi minuciosamente explicado pelo enfermeiro Carlos Gomes, que não se eximiu de dar conta das suas próprias experiências.

    A chamada feita para o 112 (Número de Emergência Único Europeu) é endereçada para o CODU (Centro de Orientação de Doentes Urgentes), que por sua vez desencadeia um conjunto de procedimentos (antes e na chegada ao hospital) conducentes ao tratamento mais adequado e no mais curto espaço de tempo, explicou.

    O professor Alcino insiste: o meu vizinho até me pode pôr no hospital em 5 minutos, mas isso não me garante que seja atendido, ou que o hospital tenha a Unidade de AVC, ou que, mesmo tendo, esteja disponível. A partir da chamada para o 112 o CODU, encarrega-se de encontrar a melhor solução. Mesmo que os 3F’s não estejam todos presentes, em caso de dúvida, não tenha medo de errar: Ligue para o 112.

    Como diz o ditado, mais vale prevenir do que remediar. Foram referenciados os fatores de risco modificáveis, ou seja, que dependem do nosso comportamento, nomeadamente: Hipertensão arterial; Colestrol elevado; Diabetes mellitus; Tabagismo; Inatividade física; Álcool; Obesidade, etc..

    Antes de terminar, o Dr. Alcino Branco teve ainda oportunidade de responder a algumas questões colocadas pela assistência.

    Após esta oportuna e interessante lição, todos ficaram mais conscientes e aptos para escolher a atitude e comportamento mais adequados.

    Por: Alfredo Silva

     

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.