Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 30-09-2020
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 15-12-2018

    SECÇÃO: Destaque


    DEBATE PÚBLICO NO CENTRO CULTURAL DE ALFENA

    Independência, Monarquia e República

    foto
    No primeiro sábado deste mês, dia 1 de dezembro de 2018, celebrou-se a Efeméride do Dia - a Restauração da Independência, no Auditório do Centro Cultural de Alfena, com um Debate Público sobre a “Independência, a Monarquia e a República”, como Memória, Identidade e Cultura de um Povo e de um País. A iniciativa foi do “Movimento Cívico Sinopse”, que contou com o apoio da Junta de Freguesia de Alfena, na pessoa do seu Presidente, Arnaldo Soares e do seu Secretário, Sérgio Pinto. À organização do evento associou-se, também, o movimento cívico “Maia Para Todos” na pessoa de Carlos Magalhães.

    Presentes estiveram, ainda, o presidente da Assembleia Municipal de Valongo, Abílio Vilas Boas, o presidente do “Sinopse”, José Paz e os oradores convidados, Manuel Augusto Dias, Mário Duarte, Leonor Lêdo Fonseca e Mendo Castro Henriques.

    Antes do Debate, o presidente da Junta de Freguesia local guiou uma visita às várias dependências da antiga escola primária transformada agora em centro cultural, incidindo a atenção do grupo na antiga sala de aula reconstituída, em termos de mobiliário e decoração, ficando muito parecida com aquela que cada um dos visitantes frequentou nos seus tempos da meninice escolar. Na parede dianteira lá estava o quadro de ardósia encimado pelo crucifixo e ao lado o retrato encaixilhado de Marcelo Caetano. A secretária do professor com a palmatória, as mesas/bancos duplos de alunos com o tinteiro ao meio e, entre muitos outros apetrechos escolares, os pesos, medidas e os sólidos geométricos de madeira, devidamente guardados num móvel próprio. Foram memórias revisitadas que souberam bem, apesar de associadas a alguma agressividade docente que naquele tempo era quase usual e resignadamente aceite pelos encarregados de educação.

    Pouco depois das 15H00 o presidente do Movimento Cívico Sinopse fez a abertura dos trabalhos, chamando para a Mesa o presidente da Junta de Freguesia de Alfena e o presidente da Assembleia Municipal que usaram da palavra para se congratularem com a realização do evento na freguesia e no concelho e desejarem uma boa tertúlia, antecipando, que iria enriquecer os conhecimentos e o modo de agir, com independência e sensatez, de quantos se dignaram rumar naquela tarde até àquele Auditório.

    foto
    José Paz chamou, depois, os oradores para a mesa, fazendo um curto apontamento biográfico de cada um. Introduziu a temática do dia e deu a palavra ao primeiro palestrante, Manuel Augusto Dias. Este ligou o 1.º de Dezembro de 1640, que este ano curiosamente caiu no mesmo dia da semana que há 378 anos – um sábado, à República, uma vez que o novo regime escolheu a mesma data, mas do ano 1910, para celebrar o Dia da Liberdade e da Pátria e apresentar à Nação um dos símbolos atuais, a Bandeira. Foi no dia 1 de dezembro de 1910 que ela foi apresentada pela primeira vez em público, seguindo num Cortejo Cívico, entre a Câmara de Lisboa (onde foi proclamada a República, menos de 2 meses antes), até aos Restauradores, onde foi colocada no monumento que aí imortaliza a gesta dos Restauradores de 1640. O historiador tratou de outros aspetos diretamente ligados à Independência, à Liberdade e à República.

    Leonor Lêdo Fonseca, jurista e autarca, falou das mulheres ao longo dos tempos, destacando que a igualdade de tratamento de género ainda está longe de ser uma realidade em pleno. Ao longo dos séculos, foram sempre os homens que estiveram na política e na administração, criando-se até diversos estereótipos e preconceitos ridículos de que a mulher não teria uma capacidade de raciocínio idêntica à do homem e por isso alguns contestavam a emancipação feminina apelidando de “cabeças ocas” as mulheres que lideraram esses movimentos reivindicativos.

    foto
    Mário Duarte, por seu turno, com formação superior em filosofia e direito, partilhou com os presentes, uma bem fundamentada reflexão crítica sobre os conceitos de “República”, “Democracia” e “Cidadania”, que considerou necessária e urgente num momento histórico em que «a democracia e o poder político estão reféns de uma partidocracia, ao mesmo tempo que se remete a Cidadania para uma esfera de oposição civil fragmentada e avulsa, exterior ao arco de poder e, desse modo, comprometendo a evolução dos ideais republicanos, designadamente o ideal de igualdade entre todos os cidadãos, desde logo, no acesso ao exercício de cargos políticos». A terminar, afirmaria mesmo que «a democracia e a república estão ainda por concretizar».

    Mendo Castro Henriques, também com formação em Filosofia e História e ligado à Universidade Católica de Lisboa, falou da Restauração de 1640 como a afirmação da dinastia de Bragança que soube aproveitar a conjuntura favorável internacional, em que o exército espanhol se teve de dividir em várias frentes, nomeadamente na Catalunha, desde maio desse ano, para fazer triunfar a sua causa em Portugal (derrotando a Casa reinante dos Habsburgo), onde se lutou durante 28 anos, nas províncias que pegam com o território vizinho, nomeadamente, o Minho, Trás-os-Montes, Beira e Alentejo. Mas houve também lutas no Brasil (para expulsar os Holandeses de Pernambuco), na África e na Ásia, por isso há quem fale nestas guerras como o primeiro grande conflito à escala planetária.

    Seguiram-se as conclusões feitas por José Paz que também abriu o debate entre os presentes e a mesa. A questão da partidocracia seria retomada por vários elementos do público que falaram de casos vividos na primeira pessoa que não podemos aqui reproduzir por falta de espaço.

    O evento, dado este mês ser o da quadra natalícia, encerrou, a convite do presidente da Junta de Freguesia de Alfena, com uma fatia de bolo rei para cada um, acompanhada por um vinho fino de muito bom paladar.

     

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.