Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-07-2018
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 31-01-2018

    SECÇÃO: Política


    Pequenas empresas prejudicadas pelo aumento da derrama em Valongo

    Na atual Lei das Finanças Locais, a derrama configura-se como uma forma de financiamento própria dos municípios, incidindo sobre o lucro das pessoas coletivas.

    A sua fixação é facultativa e as taxas aplicáveis variam de município para município, podendo atingir um máximo de 1,5% dos lucros das empresas. No entanto, os municípios podem aplicar uma taxa reduzida às empresas com faturação inferior a 150 mil euros e mesmo isentá-las, em determinadas condições.

    A proposta da CDU para a taxa de derrama concelho de Valongo, foi a seguinte:

    Empresas com faturação inferior a 150 mil euros – 1%

    Empresas com faturação superior a 150 mil euros – 1,5%

    Tendo em conta a necessidade crescente de angariar novos investimentos para o nosso concelho, algo que o próprio Presidente da Câmara não nega, o município de Valongo deveria, pelo menos, ter sustentado esta proposta. Poderia até, ter feito como o Município de Matosinhos, que isentou as pequenas e médias empresas desta taxa, com o objetivo de incentivar a instalação de novas empresas, contrariando desta forma a “concorrência” de concelhos vizinhos, como Gondomar, Maia, Paredes e Santo Tirso que cobram a taxa de derrama por valores reduzidos.

    Assim e por considerarem um retrocesso a proposta do PS, que levará a que uma grande empresa pague a derrama à mesma taxa que uma pequena, os eleitos do PCP na Assembleia Municipal de Valongo votaram contra esta proposta.

    CDU Valongo

     

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.