Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-12-2020
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 12-07-2014

    SECÇÃO: Destaque


    Ermesinde ao longo da História

    Foto MANUEL VALDREZ
    Foto MANUEL VALDREZ
    A 8 de julho e novamente no anfiteatro da Junta de Freguesia de Ermesinde, o investigador Manuel Augusto Dias, prosseguindo o programa de comemoração do aniversário da cidade, dirigiu a tertúlia “Ermesinde ao Longo da História”, iniciando a noite com uma palestra em que começou por nos trazer algumas efemérides referentes ao dia 8 de julho.

    O conferencista foi primeiro introduzido pelo presidente da Junta de Freguesia de Ermesinde, que humoradamente fez notar a concorrência desleal dos jogos do Mundial de Futebol (foi a noite em que o Brasil foi goleado por 7-1 diante da Alemanha). De seguida o autarca referiu o programa das comemorações, destacando o facto de Ermesinde ser uma das freguesias de maior densidade demográfica do País.

    Mas voltemos a Manuel Augusto Dias, que recuando ao ano de 1258, explicou aos presentes o que foram as Inquirições afonsinas (D. Afonso III) em que, pela primeira vez, nos chega uma informação quantificada sobre S. Lourenço de Asmes e o lugar de Ermesinde.

    O Mosteiro de Santo Tirso era então o principal senhorio destas terras, sendo a ele pagas as devidas rendas, em género – gado, cereais, vinho, etc.. Com uma já vasta obra de investigação publicada, Manuel Augusto Dias (também colaborador do jornal “A Voz de Ermesinde”) lá foi explicando à sua plateia conceitos para ele elementares, mas provavelmente desconhecidos para a maioria dos presentes, mas preciosos para a sua compreensão – «“reguengos” refere-se a terras de propriedade do rei, “coutos” a propriedade dos nobres e “honras” a propriedades do clero».

    O orador convidado para dar um pontapé de saída à tertúlia (já que estávamos em maré de futebol), referindo-se depois, muito mais tarde, já em 1758, às Memórias Paroquiais de S. Lourenço de Asmes, deu-nos uma ideia de qual era então a população local, distribuída pelos vários lugares – Igreja: 11 vizinhos (no sentido de famílias); S. Paio: 20 vizinhos; Vilar de Matos: 23 vizinhos; Cancela: 22 vizinhos; Ermida: 18 vizinhos; Sá: 35 vizinhos; Ermesinde: 39 vizinhos.

    Prosseguindo ainda a história de Asmes (ou S. Lourenço de Asmes), Manuel Augusto Dias referiu as circunstâncias em que a localidade passa a ser conhecida como Ermesinde, apontou a elevação a vila (em 1938), referindo a existência à altura de alguns lugares com nomes pitorescos de que se desconhece hoje a localização precisa, como Arroto ou Sopeiras, a título de exemplo.

    Após o que a tertúlia foi aberta a todos os presentes, sendo então a questão municipal uma das mais discutidas.

    Por: LC

     

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.