Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 20-07-2022
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 19-07-2013

    SECÇÃO: Arte Nona


    349º Encontro da Tertúlia BD de Lisboa

    foto
    Realizou-se na passada terça-feira, dia 2 de julho, o 349º Encontro da Tertúlia BD de Lisboa, numa sessão que teve como Convidado Especial Nuno Neves, autor do blogue “Notas Bedéfilas”.

    Mas a grande figura “presente” foi, afinal o ausente Geraldes Lino, dinamizador de quase 30 anos ininterruptos da Tertúlia BD de Lisboa, e figura tutelar a quem todos reconhecem o trabalho de uma vida dedicada à Banda Desenhada. Pois a partir de agora, Geraldes Lino deixa a boca de cena, por razões que ele explica mais abaixo, pertencendo agora a dinamização da Tertúlia ao quadrunvirato constituído por Álvaro, António Isidro, Carlos Moreno e Inês Ramos.

    A despedida

    de Geraldes Lino

    «Caros amigos bedéfilos-tertulianos

    Chegou um momento que para mim é penoso, por várias razoes: não gosto de cenas de despedida, além de que me custa psicologicamente abandonar a organização da Tertúlia BD de Lisboa, que fundei em Junho de 1985, que mantive com encontros mensais durante 28 anos, e de que muito gosto. Mas o passar do tempo é inexorável, e este dia tinha de chegar. Simbolicamente, em Junho de 2013, foi a última vez que estive presente.

    Na revista Tintín havia um "slogan" que dizia: "A banda desenhada é para jovens dos 7 aos 77 anos". Acontece que já lia antes de entrar para a escola primária, e por isso comecei a ler bd (histórias aos quadradinhos, como se dizia na época) exactamente aos sete anos em "O Mosquito".

    Como cheguei aos setenta e sete em 2013, e estou a ficar surdo e desmemoriado — nesta segunda limitação sofro de constantes "brancas", que me impedem de nomear autores e personagens, o que para mim é deprimente –, resolvi começar a retirar-me gradualmente da BD.

    A minha ideia inicial era a de que, quando deixasse de organizar a TBDL ela terminasse a existência. Porque, como algumas vezes dizia, a brincar, "a tertúlia c'est moi". Mas quando este ano comecei a divulgar a minha intenção, fui surpreendido pela reacção de quatro "tertulianos" entusiastas desta tertúlia lisboeta, única no seu género, e dela assíduos participantes – Álvaro, Inês, Isidro e Moreno – que se mostraram interessados em mantê-la em actividade.

    Acedi ao desejo deles, e estou convencido, muito sinceramente, que o quarteto irá iniciar uma nova fase da tertúlia, dando-lhe outro fôlego e, essencialmente, mantendo-a como ponto de encontro mensal de várias dezenas de entusiastas da Banda Desenhada. Quanto a mim, só muito esporadicamente voltarei a estar presente. Boa sorte para todos e até sempre.

    Geraldes Lino».

    Autobiografia

    de Nuno Neves

    «Sou colheita de '71. Nascido em Lourenço Marques a 1 de Junho. Licenciado em Contabilidade e Administração Financeira pelo ISCAL. E para não assustar ninguém nem desencadear ódios vou omitir que trabalho na Administração fiscal. E para recuperar de novo a vossa estima, devo dizer que desde de muito novo sempre gostei de banda desenhada. Reconheço aqui a forte influência do meu pai. Pena não ter talento para desenhar, cedo aprendi a apreciar o desenho dos outros. A minha formação bedéfila é semelhante a tantas outras. Primeiro os bonecos com Patinhas & Ca e Turma da Mônica. Segue-se o contacto com o universo da Agência Portuguesa de Revistas. Os super-heróis Homem-Aranha, Barman, Super-Homem e Hulk (cujas colecções ainda hoje guardo na minha Bedeteca). Os clássicos americanos com o Tarzan e Flash Gordon. E aquela revista que é a referência da minha juventude: Mundo de Aventuras. Pelo meio, recordo de ler e reler o Condor e o Falcão. Depois o mergulho no universo dos álbuns e da banda desenhada franco-belga. O meu imaginário passa então a ser preenchido com as aventuras de Blueberry, Alix, Asterix, Michel Vailant, Bernard Prince, Valerian, Blake e Mortimer. Estes são aqueles que me vêm logo à memória. Por circunstâncias da vida, na década de noventa faço um interregno de bd. Em 2000, tomo conhecimento do Festival de B D da Amadora. Na visita que faço ganho logo um desenho do Homem-Aranha feito por Luke Ross (ou Luciano Queiroz para os brasileiros). E logo de seguida vejo as edições da Devir. Renasce o bichinho da banda. Passo a visitante assíduo do festival. Em 2003 entro na onda dos bloggers e dois anos mais tarde, em 2005 crio o blogue "notas bedéfilas" com o intuito de publicar pequenas notas de divulgação da banda desenhada e desde então, ainda que de uma forma intermitente, ainda vou publicando. A minha presença na blogosfera da BD reparte-se assim entre:

    http : //www.notasbedefilas .blogspot. pt/

    http : //www. facebook. com/NotasBedefilas

    http://www.facebook.com/FOTOS.BD (juntamente com a Cristina Amaral)».

    Participantes

    neste Encontro

    1. Álvaro

    2. Ana Lúcia Tiago

    3. Ana Saúde

    4. António Isidro

    5. Carlos Moreno

    6. Cátia Alves

    7. Cristina Amaral

    8. Cristina Silva

    9. Filipe Duarte

    10. Gabriel Martins

    11. Gastão Travado

    12. Helder Jotta

    13. Hugo Tiago

    14. Inês Ramos

    15. Isabel Fonseca

    16. Isabel Viçoso

    17. João Amaral

    18. João Sequeira

    19. João Vidigal

    20. José Pinto Carneiro

    21. Luís Graça

    22. Luís Ramos

    23. Luís Salvado

    24. Miguel Ferreira

    25. Nuno Neves

    26. Paulo Costa

    27. Pedro Bouça

    28. Rui Domingues

    29. Rui Rôlo

    30. Simões dos Santos

    31. Victor Jesus

     

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.