Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-12-2018
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 10-04-2013

    SECÇÃO: Desporto


    HÓQUEI EM PATINS

    Hóquei de Valongo: uma fervorosa paixão em exposição

    Foto CMV
    Foto CMV
    Dúvidas parecem não existir de que o hóquei em patins é de longe a modalidade rainha em Valongo. Uma conclusão muito fácil de tirar não só pela visível paixão semanal que os valonguenses demonstram pela sua Associação Desportiva de Valongo mas também aquando da inauguração da exposição “Hóquei de Valongo: Um Percurso sobre Rodas”, na passada noite de 5 de abril, no Museu Municipal, local onde os muitos visitantes que marcaram presença na abertura do evento – mas também os muitos outros que já lá deram uma vista de olhos nos dias seguintes – puderam embarcar numa fascinante viagem ao passado para conhecer – ou recordar – a história daquela que é uma das grandes marcas de referência do nosso concelho, a Associação Desportiva de Valongo (ADV).

    Fundada em 1955, a ADV é para o povo valonguense mais do que uma mera coletividade desportiva, é acima de tudo uma paixão, uma fervorosa paixão, para muitos até um modo de vida. A história do popular Valongo confunde-se com a da própria cidade que lhe dá o nome, e até mesmo com o do restante concelho, não sendo nada exagerado dizer que o hóquei patins foi – e continua a sê-lo – um dos principais responsáveis pela colocação da marca “Valongo” no mapa nacional e internacional ao longo destas quase seis décadas de história. É um pouco essa a ideia retirada após o visionamento desta fascinante exposição que conta de fio a pavio a não menos fascinante vida da ADV. O arranque deste desfiar de memórias foi dado então na noite de 5 de abril, tendo contado – entre outras ilustres figuras locais – com a presença do presidente da Câmara Municipal de Valongo, João Paulo Baltazar, também ele nos seus tempos de infância jogador da ADV.

    PERCORRENDO OS CAMINHOS DA HISTÓRIA

    foto
    Deambulando pela montra de memórias os olhos arregalam-se quando encaramos de frente as vitrinas espalhadas pelo local, que guardam os rostos das primeiras lendas do clube, das primeiras equipas, tudo envolto na magia do “preto e branco”. Em paralelo encontramos as linhas que traçam a história do Valongo. Os tempos em que grupos de rapazes empolgados com as inolvidáveis campanhas internacionais da seleção portuguesa de hóquei de finais da década de 40 e princípios da de 50 recorre às hortas locais (!) para poder imitar os seus heróis dos rinques. As hortas? Perguntar-se-á por esta altura o leitor. Sim, às hortas, já que sem meios económicos para comprar os sticks de madeira com que se jogava ao hóquei os rapazes de Valongo utilizavam os talos das couves para sticar as bolas de trapo. João Lino do Vale era um desses meninos que sonhava dia e noite com o hóquei em patins, e não demorou muito a organizar jogos inter-ruas na Fábrica “A Separadora”, em Campo. Brincadeiras que seriam oficializadas em 1955, ano em que Lino do Vale e o restante grupo de amigos fundam a ADV. De lá para cá a história faz-se com vitórias, muitas, com dezenas de conquistas – que podem ser comprovadas com os muitos troféus de campeões (regionais e nacionais) aqui expostos – com a formação de lendários hoquistas portugueses, e com centenas de factos desportivos que entraram para a história do próprio concelho de Valongo. Factos que estão eternizados em jornais, cujos “recortes” passados estão agora vivos nesta exposição. Um desses recortes – que nos chamou particularmente à atenção – remonta a 1978, ano em que o Valongo garantiu a qualificação para a Taça dos Clubes Campeões Europeus! A história mereceu honras no jornal “A Bola” da época, que dá uma página inteira (!) ao feito alcançado pelo emblema do nosso concelho. Nas páginas esbatidas pelo tempo recordamos o derradeiro jogo do campeonato nacional de 78, quando um empate a dois golos em casa diante do Oeiras garantiu a qualificação para a prova rainha do hóquei patinado europeu da época seguinte. Recordamos os festejos que se seguiram a esse feito, com o povo valonguense a carregar os seus heróis em ombros. A estreia na Europa deu-se então na Alemanha, mais precisamente em Iserlohm, onde nomes como Aguiar, Lino, Armindo, Pires, Américo, Queirós, Camões, e Vítor Francisco ascenderam ao patamar das lendas. Foram eles que apresentaram o Valongo ao “Velho Continente”. E já que falamos em nomes lendários do clube não podemos esquecer Eugénio, Carlos Camões, António Vale, José Nora, José Alves, entre muitos, muitos outros ícones dos patins e do stick que nasceram no Valongo e ajudaram-no a catapultar-se para os patamares mais altos do hóquei nacional e internacional.

    E se estes homens tiveram um papel fundamental dentro do campo – ou do rinque, melhor dizendo – outros tiveram-no fora dele. Foram os dirigentes, casos de João Alves Vale, Joaquim Paupério, Álvaro Reis Figueira, e mais recentemente João Carlos Paupério, também eles com direito a destaque nesta exposição.

    Nesta viagem pela história da ADV chama igualmente à atenção a vitrina onde estão guardadas algumas memórias alusivas à grande rivalidade existente com o FC Porto. Recordamos jogos emblemáticos daquele a que muitos chamam de dérbi do norte. Ante o rival azul e branco são célebres os jogos realizados no rinque da Praça Machado dos Santos, o popular “largo do patos” (já desaparecido), casa do Valongo durante anos a fio, numa época em que o atual Pavilhão Municipal ainda não havia sido erguido. Jogos em que os ramos das árvores em redor da citada praça se transformavam em “explosivas” bancadas repletas de fervorosos adeptos valonguenses que faziam do local um verdadeiro inferno para os adversários, em especial para os portistas, o velho inimigo, por assim dizer.

    Histórias e factos que podem ser vistos e escutados pela voz de muitos dos próprios intervenientes desses acesos duelos, num documentário gravado que passa nos ecrãs espalhados pela exposição. Muito bom este pormenor. Este e muito outros pormenores, na verdade, que podem ser vistos até 31 de agosto numa exposição que em nosso entender vale muito a pena visitar.

    ÀS PORTAS DA LIGA EUROPEIA DA PRÓXIMA ÉPOCA

    E se o passado foi glorioso o presente do Valongo para lá caminha, já que a principal equipa do clube continua a trilhar o caminho do sucesso no Campeonato Nacional da 1ª Divisão. No passado sábado (6 de abril) os hoquistas de Paulo Pereira deslocaram-se a Espinho para defrontar a Académica local em partida da 24ª jornada, saldada por uma robusta vitória valonguense por 12-3. Assim, o Valongo continua à espreita do quarto lugar, o último que garante a presença na Liga Europeia da próxima época, somando 48 pontos, os mesmos que o atual quarto colocado, o Paço de Arcos, equipa que daqui a sensivelmente duas semanas visita a sede do nosso concelho, prevendo-se como tal um encontro explosivo!

    Por: Miguel Barros

     

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.