Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 30-11-2019
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 26-03-2013

    SECÇÃO: Desporto


    DAMAS

    70 dos melhores damistas nacionais marcaram presença 70 dos melhores damistas nacionais marcaram presença

    Fotos ADP
    Fotos ADP
    Terra sobejamente conhecida nos quatro cantos do nosso Portugal pelo seu fervoroso entusiasmo pelo fenómeno damístico, Ermesinde acolheu no passado dia 16 de março um evento condizente com este seu sentimento pelo jogo das damas. Falamos do I Open Nacional de Damas Clássicas “Cidade de Ermesinde”, prova pontuável para o ranking nacional da Federação Portuguesa de Damas (FPD) da época de 2013, e que contou com a presença de 70 damistas oriundos de vários pontos do país, facto que desde logo coroou de êxito o recém nascido evento, o que – naturalmente – muito deixou orgulhosos e satisfeitos os seus organizadores, que prontamente apalavraram uma segunda edição em 2014. Mas já lá vamos.

    Organizado pelo Núcleo de Damas de Ermesinde/Café Avenida – o grande veículo do nome da nossa freguesia no mundo das damas – com o auxílio da FPD, da Associação de Damas do Porto, e da Junta de Freguesia de Ermesinde (JFE), o evento teve como palco o polivalente da Escola Secundária local, onde durante a tarde do citado 16 de março evoluíram sete dezenas de damistas, alguns dos quais nomes consagrados da modalidade, facto que trouxe ainda mais brilho à competição. Geograficamente falando Ermesinde recebeu jogadores/equipas oriundo(a)s de Mangualde, Viseu, Vizela, Gondomar, Valadares, Vila do Conde, Lobão, Coimbra, Aveiro, Santo Tirso, S. Pedro da Cova, ou São João da Madeira.

    Paralelamente ao torneio oficial o Núcleo de Damas de Ermesinde/Café Avenida organizou uma outra competição – amigável – destinada a jovens com menos de 16 anos, na qual participaram oito promissores damistas, que além de terem desfrutado de uma série de jogos entre si puderam aprender com alguns dos melhores mestres nacionais, como por exemplo Vaz Vieira, e a grande estrela deste I Open Nacional de Damas Clássicas. Sem grande surpresa Vaz Vieira enriqueceu ainda mais o seu invejável – no bom sentido, claro está – palmarés, ao sagrar-se vencedor deste torneio. Quanto ao clube da casa, colocou em ação cinco damistas, tendo Nélson Monteiro obtido a melhor classificação, um décimo lugar, enquanto que os seus companheiros de equipa Manuel Silva, Sérgio Bonifácio, José Rocha, e Ricardo Araújo, foram respetivamente 14º, 15º, 20º, e 39º.

    foto
    Ainda antes da cerimónia final, a qual contou com a presença do presidente da JFE, Luís Ramalho, e de um elemento ligado à direção da Escola Secundária de Ermesinde, neste caso Ana Maria Cortez, o nosso jornal trocou breves palavras com Jorge Rocha, um dos elementos da organização, que em jeito de balanço vincou então a satisfação e orgulho consequentes de tudo ter corrido... para lá do esperado. «Em Portugal existem opens que reúnem em média cerca de 50 damistas, aqui tivemos 70 (!), entre eles sete mestres nacionais, onde se destaca naturalmente o “doutor” Vaz Vieira, o melhor jogador português de todos os tempos. O sucesso deste I Open Nacional de Damas Clássicas “Cidade de Ermesinde” é a prova de que a nossa terra continua a ter uma tradição damística muito grande, é uma “universidade” das damas, que ao longo dos anos foi formando campeões, conquistando inúmeros títulos (coletivos e individuais), mas que por falta de algum dinamismo tem estado um pouco apagada, e passado ao lado da nossa sociedade civil. Entendemos por isso que pela primeira vez devíamos colocar o nosso nome no panorama desportivo da modalidade, e convidamos então muitos damistas, e com a importante contribuição da JFE conseguimos um evento que no número de pessoas é já o segundo maior do país! Queremos que isto funcione como um ponto de partida, de modo a que este desporto tão nobre e intelectual continue a dignificar o nome de Ermesinde como o tem feito ao longo dos últimos 30 anos pela mão do Núcleo de Damas de Ermesinde/Café Avenida», sublinhou.

    Jorge Rocha mostrou-se ainda muito feliz pela “boa jogada” da organização em levar a cabo um torneio paralelo destinado a damistas com menos de 16 anos, um evento inovador em Portugal, que segundo o nosso interlocutor serviu como uma garantia de que o futuro da modalidade quer na nossa cidade quer no restante país tem pernas para andar.

    HOMENAGEM AO MAIOR DAMISTA

    PORTUGUÊS DETODOS OS TEMPOS

    foto
    No mundo das damas é tratado por “doutor”, uma designação que o próprio desconhece a razão de existir, mas que ao olharmos de relance para o seu rico e extenso palmarés se fica facilmente a perceber o porquê da atribuição de um título tão pomposo. Vaz Vieira, ou melhor, “doutor” Vaz Vieira, assim é que é, considerado de forma unânime no “planeta” das damas como o melhor jogador português de todos os tempos, e que na nossa freguesia foi alvo de uma sentida homenagem que constituiu o ponto alto deste I Open Nacional de Damas Clássicas “Cidade de Ermesinde”. Como já referimos ele foi um dos 70 damistas presentes, e sem surpresa venceu a competição, com a classe e simplicidade do costume. No seguimento de uma pequena entrevista concedida ao nosso jornal ficamos a conhecer um pouco melhor esta lenda – já ganhou esse estatuto – das damas nascido há 69 anos em Guimarães, mas que de há umas décadas a esta parte faz de Coimbra o seu lar.

    Admirado e respeitado por todos os seus companheiros de modalidade ele começou por agradecer o convite endereçado pelo seu amigo Sérgio Bonifácio – jogador do Núcleo de Damas de Ermesinde/Café Avenida – para vir até à nossa cidade participar neste primeiro evento dedicado à modalidade. «Agradeço-lhe o convite, ele, que além de um grande amigo, é um profundo entusiasta das damas, e um dos mentores deste torneio, que espero que sirva para dinamizar a modalidade nesta cidade. Aliás, a minha vinda aqui também foi no sentido de contribuir para essa dinamização. Vou ser também homenageado, o que para mim é um motivo de orgulho, orgulho e felicidade em sentir o apreço das gentes de Ermesinde, a quem deixo aqui o meu muito obrigado», expressou com alguma emoção o grande mestre das damas lusitano.

    No desfiar da nossa conversa recordou o passado, o seu passado glorioso ao serviço de uma modalidade pela qual se apaixonou ainda menino, numa altura em que os lares portugueses estavam ainda despidos das novas tecnologias – com a televisão e os computadores à cabeça – e como tal os serões em família eram passados com a saudável e alegre disputa de jogos tradicionais, como o rami, o abafa, o xadrez, ou as damas. «O meu pai gostava muito de jogar às damas, era aliás um grande jogador, e foi com ele que comecei a jogar. Recordo que chegava a chorar sempre que ele me vencia e depois me espicaçava com o seu triunfo. Como em tudo na vida sou persistente, e fui aprimorando o meu jogo, e chegou uma altura em que ele já não me ganhava», relembra o “doutor” das damas com um sorriso nostálgico no rosto.

    Ainda deambulando pelo passado viajou até Moçambique, onde viveu grande parte da infância, junto dos seus progenitores, e onde vivenciou outra paixão desportiva, o futebol. Ao serviço do Benfica de Lourenço Marques foi mesmo campeão provincial, tendo mais tarde aquando da sua vinda para a metrópole integrado a equipa de juvenis da Académica de Coimbra, onde foi treinado pelo lendário “mestre” José Maria Pedroto. Por Coimbra ficou. Estudou na mítica universidade da cidade do Mondego, a mesma universidade onde desenvolveu a sua carreira de docente, e orientador de estágios. Em Coimbra casou, sem nunca esquecer a paixão de infância pelas damas, aliada à paixão entretanto travada com a Académica, pois «quem é que passa pela academia e não fica adepto da Briosa?», questiona Vaz Vieira.

    Nas damas tornou-se então o campeão dos campeões. Ao longo de décadas somou títulos atrás de títulos. Venceu 10 campeonatos nacionais seguidos, ao que se seguiu uma paragem de outra dezena de anos por motivos de saúde, e quando voltou novamente à ação foi de novo campeão! Detém um impressionante registo de 86 vitórias em opens nacionais, número que nenhum outro damista se atreveu sequer a ameaçar. No plano associativo foi um dos fundadores da Federação Portuguesa de Damas, em 1980, onde hoje assume a função de presidente da mesa da Assembleia Geral. Do seu currículo constam ainda dois pomposos títulos de campeão do Mundo de damas clássicas, e muitos outros títulos conquistados em épocas em que a FPD ainda não havia visto a luz do dia. Impressionante, de facto. O segredo deste sucesso? «É o trabalho, aliado ao gosto pela modalidade, de jogar somente pelo prazer, pelo prazer de jogar e não jogar pelo prazer de ganhar, que é uma das coisas que eu crítico».

    Para si as damas são um desporto de grande beleza, «poucos jogos haverá com a beleza deste jogo, que nos proporciona combinações fantásticas, um jogo onde se podem construir problemas com muito poucas peças, e problemas com muitas pedras e com dificuldade extrema». O fim da carreira ainda bem longe, pois continua enamorado por este jogo, deixando os títulos e as vitórias de lado, até porque há muito que já não é isso que o motiva a continuar.

    Como grande mestre da modalidade viu com bons olhos a edificação de um torneio de jovens neste I Open de Damas Clássicas “Cidade de Ermesinde”, pois os jovens são o futuro, «e pena é que este tipo de iniciativas não se repita mais vezes noutros torneios nacionais. Hoje as “ruas” dos jovens são múltiplas, são os jogos de computador, os concertos, as playstaions, um sem número de atividades que os desviam deste tipo de modalidades, como xadrez e as damas, modalidades que neste momento estão em “banho maria” à espera que haja sangue novo. Mas isso só pode ser conseguido se houver uma aposta séria no desporto escolar, algo que neste momento não se faz em Portugal», desabafa o “doutor” Vaz Vieira pouco antes de receber das mãos do presidente da JFE, Luís Ramalho, a placa de homenagem com que foi brindado pelo Núcleo de Damas de Ermesinde/Café Avenida.

    Por: Miguel Barros

     

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.