Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-07-2019
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 18-03-2013

    SECÇÃO: Destaque


    MOSTRA DE TEATRO AMADOR DO CONCELHO DE VALONGO 2013

    As aventuras de uma família na ruína com tiques de luxo

    Foto MANUEL VALDREZ
    Foto MANUEL VALDREZ
    “Sai de Baixo”, popular série brasileira que no início do novo milénio “invadiu” os ecrãs das casas dos portugueses subiu ao palco da Casa de Espetáculos do Fórum Cultural de Ermesinde na noite do passado 15 de março, no arranque do terceiro fim de semana dedicado à Mostra de Teatro Amador de 2013 do Concelho de Valongo. Erguida pela mão da Associação Desportiva e Cultural Canários de Balselhas, a peça traçou a vida de uma família da alta sociedade que convive – para mal dos seus pecados – com as amarguras da falência, sem no entanto querer deixar transparecer para o exterior os sinais evidentes do seu declínio económico. Para isso entram em ação os mirabolantes esquemas – pouco claros – de Caco, que faz de tudo para voltar a ficar rico, tentando inclusive vender um quadro que mais se assemelhava a uma pintura realizada por uma criança de pouco mais de meia dúzia de anos a um conhecido “marchand” americano que por sinal é um velho conhecido da sua sogra, a maquiavélica Cassandra, que tal como Caco por dinheiro é capaz de vender a própria alma, alinhando por isso nos esquemas do genro, desde que este lhe garanta uma boa comissão na hipotética venda, claro está. Envolvidos na tramoia da caça aos milhões de dólares que possam trazer de volta a vida de luxo que outrora tiveram estão os restantes membros da família, Magda, a fútil e quase analfabeta mulher de Caco, e o tio Vavá, irmão mais velho de Cassandra, coadjuvados pela empregada Edileuza e o porteiro do prédio Ribamar. Apesar de todos contribuírem para o plano, o que é certo é que ele acaba por ir por “água abaixo”, por culpa deles próprios.

    “Sai de Baixo – Pintou Sujeira” (o nome completo da peça) divertiu o muito público que se deslocou ao recinto cultural ermesindense, público na sua maioria oriundo de Balselhas, numa clara demonstração de apoio e carinho à sua companhia de teatro amador, que mesmo com algumas falhas técnicas – o que naturalmente se perdoa facilmente atendendo ao facto de estarmos perante atores que encaram o teatro como uma simples paixão de tempos livres – mereceu os fortes aplausos finais.

    A MOSTRA

    A Mostra de Teatro Amador vai, entretanto, no seu oitavo espetáculo, isto é, quando faltam ainda só mais três espetáculos dos grupos de teatro amador e o aguardado espetáculo de encerramento por parte do ENTREtanto Teatro, na quarta-feira, dia 27 de março, Dia Mundial do Teatro.

    Certame de natureza muito desigual nas motivações, preparação e meios dos grupos envolvidos, a Mostra vale sobretudo pelo seu conjunto e por uma ou outra surpresa de bom teatro surgido no meio associativo.

    Foram até agora à cena:

    “Aniversário do Banco”, pelo Grupo Casca de Nós da Associação Académica e Cultural de Ermesinde”, “Sementinha”, pelos Batatas com Salsichas dos Cabeças no Ar e Pés na Terra, “A titi é boazona”, pela Associação Cultural e Recreativa Vallis Longus, “O Duelo”, pelo Teatro Amador Susanense, “A Improvisação”, pelo Centro Recreativo Estrelas da Balsa, “Sai de Baixo – Pintou Sujeira”, pela Associação Desportiva e Cultural Canários de Balselhas, “Despertar da Primavera, Tragédia da Adolescência”, pelo Grupo Sabor a Teatro da Ágorarte – Associação Cultural e Artística, e “A Calcinha do Zé”, pelo Grupo Dramático e Musical de Campo.

    Desde aqui e até ao espetáculo do ENTREtanto estarão ainda em cena a 22 de março, no Fórum Cultural de Ermesinde, “A Sopa Juliana”, pelo Grupo Dramático da Universidade Sénior do Rotary Club de Valongo, a 23 de março, no Fórum Vallis Longus, “Reis... ou Rainhas?”, pela Associação Cultural e Recreativa Fora d'Horas”, e finalmente, no dia 24 de março, de novo no Fórum Cultural de Ermesinde, “A História ´uma História”, pelo Grupo Dramático e Recreativo da Retorta.

    Ficha Técnica de “Sai de Baixo – Pintou Sujeira”

    Título original da obra: Pintou Sujeira

    Autor do teatro original: Rosana Hermann

    Adaptação/Encenação(Coreografia: Sérgio Cerbino

    Dramaturgia: Gerardo Dias

    Cenografia: Alcino Rocha

    Figurinos/Música: O grupo

    Elenco: Bárbara Neto, Carla Meireles, Joana Dias, João Faustino, José Coelho, Pedro Teixeira, e Tiago Costa

    Por: Miguel Barros/AVE

     

    Outras Notícias

    · Autárquicas começam a aquecer

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.