Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-07-2019
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 31-12-2012

    SECÇÃO: História


    EFEMÉRIDES DE ERMESINDE

    O D. Miguel visitou o Hospital das suas tropas, na Formiga, a 20 de dezembro de 1832

    foto
    D. Miguel visitou o Convento dos Religiosos Eremitas Descalços de Santo Agostinho, na Formiga, onde estava instalado o Hospital das suas tropas, no dia 20 de dezembro de 1832. A Gazeta de Lisboa, n.º 304, trouxe a notícia, que foi utilizada como fonte por Domingos Oliveira Silva, para o seu trabalho O Convento da Mão Poderosa (1971), donde transcrevemos o excerto, que se segue, relativo a este importante acontecimento.

    D. Miguel esteve no Convento da Formiga, transformado temporariamente em Hospital das suas tropas, no dia 20 de dezembro de 1832.

    «No declínio do ano de 1832, D. Miguel, animado pelo perseverante propósito de prestar todo o apoio às suas tropas, que humanamente lhe era possível dispensar e ainda com a intenção de moralizar militares e civis, tentando mesmo, neutralizar os efeitos da propaganda que pelos liberais vinha sendo feita, contra o seu governo, decidiu deslocar-se aos pontos mais vitais das operações para que, com a honra da sua presença, mais eficientemente pudesse concretizar aqueles objectivos.

    Assim, em 16 de Dezembro, dirigiu-se a Valongo; em 17 passou revista “as tropas, que estávão ao Norte do Douro, e dellas recebeo novos testemunhos de lealdade de amor”; em 19 foi visitar “a Fabrica de Ferro a Crestuma” e na manhã do dia 20, passou revista “a tres Corpos da Columna movel, que ainda não tinha recebido esta honra”, para no mesmo dia e imediatamente a seguir, passar a última revista, desta vez “ao Hospital de Sangue da Formiga” (Gazeta de Lisboa, n.º 304, p. 1477). “... Depois da última revista Dirigio-se ElRei Nosso Senhor ao Hospital de Sangue da Formiga, percorrendo todas as suas enfermarias, demorando-se particularmente naquella em que estão os bravos militares, que forão feridos no campo da honra na justa defeza do Rei e da Patria. He impossivel explicar as demonstrações de benignidade, e de affecto, que ELRei Nosso Senhor Prodigalizou áquelles seus leaes Vassalos, como tambem se não póde pintar a emoção, que nelles, e em todos os circunstantes causou aquella scena verdadeiramente interessante, e pathetica. Depois de haver Sua Magestade assim penhorado dos mais vivos sentimentos de gratidão, e contentamento aquelles fieis guerreiros Seus defensores, Passou à Enfermaria onde se curão os prizioneiros rebeldes, que se achão feridos, e Patenteando toda a Grandeza de Seu animo verdadeiramente Real, e da Sua Piedade e Clemencia verdadeiramente Christã, Tratou com a mesma bondade e carinho aquelles seus inimigos, que tinhão vindo armados a este Reino com o sacrilego fim de atacar os direitos da sua incontrastavel Legitimidade. He escusado referir a sensação, que em todos produzio espectaculo tão tocante. Concluido este acto, tomou ELRei Nosso Senhor em direitura o caminho de Braga».

    Por: Manuel Augusto Dias

     

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.