Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 20-07-2022
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 15-10-2011

    SECÇÃO: Editorial


    foto

    Recuar, recuar, recuar...

    Há muito tempo que muitos de nós sentíamos que não era possível viver como vivíamos em Portugal. Um número significativo de pessoas viviam muito acima das suas posses e outros usufruíam vencimentos escandalosos em relação à maioria da população. Até aí estamos todos de acordo. Com o rebentar da crise era de prever que nada ia ficar como dantes, mas daí até à situação que vivemos agora vai uma grande diferença.

    As últimas medidas apresentadas pelo primeiro-ministro, e que estão integradas na proposta de Orçamento de Estado para o ano de 2012, são um ataque profundo ao funcionalismo público e à classe média de uma forma geral. Nunca se recuou tanto de uma só vez.

    Recuar até quanto? Com uma economia cada vez mais frágil, com o aumento dos desempregados, com salários mais baixos, com impostos cada vez mais altos é caso para perguntar, onde vamos parar?

    Desde que as campanhas eleitorais se transformaram num jogo com batota tudo é possível, só assim se compreende que o que hoje é verdade amanhã seja mentira. Todos jogaram a fazer bluff, uns escondendo a real dimensão da dívida externa e outros, os que estão agora no poder, a representar o papel de bonzinhos, contra o aumento dos impostos e do custo de vida em geral.

    Onde está a sensibilidade social tão apregoada nas campanhas eleitorais? Foram anos de luta e de conquistas que nos colocaram num patamar civilizacional que, aos poucos, nos aproximou dos outros países europeus. E de repente, como num sonho mau, tudo começa a desmoronar. Ninguém explica porquê, o primeiro ministro justifica-se com a troika e limita-se a dizer que tem que ser.

    Com dizia D. Januário Torgal Ferreira em Fátima: «Às pessoas não apresentam provas da realidade das situações, para as quais eu tenho de despejar do meus bolsos o pouco dinheiro que tenho». Chegando mesmo a afirmar que tinha vergonha deste país! E justificava: «Tenho vergonha porque uma casa onde os mais pequenos não se podem sentar à mesa e comer do mesmo pão, que é o pão dos direitos e da dignidade, quem estiver a presidir à mesa deve sentir-se cúmplice».

    Em momentos de crise precisamos de estar todos juntos, e que fazem os governantes?, declaram guerra ao funcionários públicos, numa primeira fase dividem os portugueses e, a seguir, aos particulares vão-lhes fazer seguir o exemplo.

    Enquanto lhes convinha venderam dinheiro barato, tudo foi facilidades, mas esta subida exponencial da dívida externa deve-se acima de tudo aos juros que ninguém controla e poucos põem em causa.

    Neste jogo financeiro, em que tantos perdem, alguém está a ganhar!…

    Por: Fernanda Lage

     

    Outras Notícias

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.