Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 30-09-2020
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 30-11-2009

    SECÇÃO: Destaque


    MOSTRA INTERNACIONAL DE TEATRO 2009

    A humanidade de Simone a nu

    Teve início a 18 de Novembro, a 12ª edição da Mostra Internacional de Teatro – MIT, certame que o ENTREtanto Teatro implantou na vida cultural de Ermesinde, ligando a cidade ao teatro do mundo.

    Ao melhor teatro do mundo!

    Depois de, em edições anteriores, o MIT ter homenageado Geninha Rosa Borges (actriz brasileira), em 1999 – na primeira edição não houve homenagem –, Adelaide João em 2000 e depois, sucessivamente Raul Solnado, Júlio Cardoso, Carlos Avilez, Ruy de Carvalho, Natércia Campos, António Capelo, António Reis e Maria do Céu Guerra, o ano passado, chegou agora a vez de homenagear Simone de Oliveira, uma figura do espectáculo cuja carreira e cuja presença em palco muito a ligam ao teatro.

    Fotos URSULA ZANGGER
    Fotos URSULA ZANGGER
    Foi toda uma noite de homenagem em honra de Simone, que o ENTREtanto muito bem fundamentou: «...Não podemos deixar de admirar quem abraçou uma vida inteira, a responsabilidade de pertencer a uma convicção, levando ao palco um dom invulgar (...). Uma carreira, entre outos méritos, marcada pelos prémios de interpretação, talento que impregna as actuações de Simone de Oliveira de dramaticidade e teatralidade. A forma como canta a paixão, a raiva e a revolta: o encanto, a força e as raízes que quase se tornam visíveis e que tal como uma árvore cravada à terra parecem manter cravada ao palco foram razões mais que muitas para esta homenagem (...)».

    E todavia, esta excelência revelou-se sobretudo na tenacidade e raiva com que reagiu ao infortúnio, ou à cadeia de infortúnios que pontuou a sua vida. Como quando, no auge do sucesso, de repente, perdeu a voz e se viu obrigada a retirar-se. Só que Simone não se retirou, reeducou a voz, refez o seu gosto e a sua gestualidade e, movida pela grande alavanca do teatro, reaprendeu a interpretar as canções do seu reportório. Ou como quando, quase logo depois, perde o seu pai, que tanto a tinha acompanhado no lançamento da sua carreira. De tudo isso extraiu Simone força para se reequacionar e para crescer de forma insuspeitada.

    No seu espectáculo “Intimidades”, aliás, Simone não só cantou como falou também de si e do seu sentir. Mostrou-se “patrioteira” e falou dos bósnios que assobiaram o hino nacional no jogo de futebol do Campeonato do Mundo, desejando responder a isso com um religioso silêncio ante o hino da Bósnia Herzegovina numa futura deslocação a Portugal, e beliscou Saramago, pelas peripécias que envolveram “Caim”.

    Numa perfeita simbiose com o piano de Nuno Feist, Simone mostrou que possui afinal muitíssimo mais do que uma bela garganta, um poder interpretativo fascinante.

    E falou dos seus poetas, de Torga, de Mourão-Ferreira, sobretudo de Ary dos Santos.

    De seguida, continuou a expor-se, no video documentário exemplar coordenado por Júnior Sampaio e realizado por Tiago Soares.

    Por fim, foi inaugurada a exposição em sua honra.

    foto

    FICHAS TÉCNICAS

    “INTIMIDADES”: Espectáculo musical com a presença, a voz e as histórias da cantora Simone de Oliveira, e os arranjos e acompanhamento ao piano do maestro Nuno Feist.

    foto

    FICHA TÉCNICA

    “SIMONE DE OLIVEIRA... O PALCO: Vídeo documentário sobre a vida e a carreira de Simone. Coordenação e entrevista de Júnior Sampaio, com realização de Tiago Soares.

    Por: LC

     

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.