Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-07-2020
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 30-04-2009

    SECÇÃO: Cultura


    Invasão?

    Fotos URSULA ZANGGER
    Fotos URSULA ZANGGER
    ... Não será por acaso que o ENTREtanto é uma estrutura teatral subsidiada pelo Ministério da Cultura. Mas esse cartão de visita é coisa de somenos. Realmente há muitas e muitas companhias teatrais por esse país fora, mesmo subsidiadas – e incluímos nisso Lisboa e Porto – que gostariam de chegar perto da companhia residente do concelho de Valongo.

    “Invasão” – a sua mais recente produção, tomando por tema as Invasões Francesas de há precisamente 200 anos – exprime bem essa volúpia de fazer teatro que se vem revelando em cada uma das peças que vão sendo levadas à cena, de uma forma a um tempo rigorosa e apaixonada, engenhosa e altamente insidiosa, na construção do gosto (lenta lentamente) do público do município, e na reposição de uma verdade além da conveniência dos poderes estabelecidos.

    É certo que esta peça assenta muito no texto do dramaturgo – que conta a estória de um professor de História próximo da jubilação – e cuja fidelidade aos acontecimentos do passado lhe exige mostrar aos seus alunos não apenas uma Napoleão arrogante (isso aqui e fácil), mas também um D. João VI acobardado, uma D. Maria I néscia e beata, além de outras personagens que representam muito bem o estado das relações das pessoas entre si e destas com o planeta (como são o Índio Comelambe, o Feijão Escurinho, ou o Piolho de Cabeça Real).

    Nâo. O que é certo é que a peça assenta sim, e muito, no trabalho do encenador, que faz o(s) actor(es) mover(em)-se num muito disciplinado espaço habitado, e onde aqui surgiu um tapete que se transforma no chapéu de Napoleão, ou um mobiliário desconcertante e prático, de onde se pode extrair uma coroa real do bico de um fogão, ou usar o frigorífico-lavatório-bar, ou a sanita amovível sob o mesmo fogão, para tornar mais evidente a finitude, impureza e vulgaridade mesmo das mais “imponentes” na pose majestades reais, ou para distanciadamente gozar com o tropicalismo alusitano do actor.

    Ou por outra. Certo certo é que a peça assenta na versatilidade octópica, na sereníssima atitude reflexiva e atemporal, ou na universalidade humana vermelha-preta-amarela, ou na verve erudita/popular, ou nas várias decantações de ser monarquicamente imbecil, ou nas reencarnações sucessivas experimentadas, isso sim, magistralmente, pelo actor.

    Dê-se uma vista de olhos à ficha técnica. E por fim, agora, quem quiser... leia isto como se fosse hoje... Quê?!

    FICHA TÉCNICA

    Criação, dramaturgia, encenação e interpretação:

    Júnior Sampaio;

    Cenografia: Vítor Sotto Mayor;

    Adereços e figurinos: Júlio Waterland;

    Música: Carlos Araújo;

    Desenho de luz: Hélder Simões;

    Produção executiva: Amélia Carrapito e Sofia Leal

    Por: LC

     

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.