Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-01-2021
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 10-12-2008

    SECÇÃO: Destaque


    11ª MOSTRA INTERNACIONAL DE TEATRO ‘08

    A oficina de butoh: do movimento à poesia

    Fotos URSULA ZANGGER
    Fotos URSULA ZANGGER
    Uns minutos antes de uma das sessões da oficina de butoh começamos a conversa com Tejo Janssen. O coreógrafo/bailarino surpreende-nos com a sua extrema afabilidade.

    E começa a falar-nos do que é o butoh e um pouco também do seu percurso. O butoh é a transfiguração daquele que dança num outro ser, numa outra coisa. Dança que penetra no fundo na alma, mais do que na representação figurativa, o butoh aproxima-se da poesia e do teatro.

    O termo butoh, tem aliás, na sua génese etimológica, um significado que sugere uma “dança compassada”, pois vem de “bu” – dança, e de “toh” – passo. No início o butoh chegou a ser chamado de ankoku butoh, designação introduzida por Tatsumi Hijikata, mas foi depois abreviada simplesmente para butoh.

    Influenciado pelo expressionismo alemão, o butoh nasce no Japão pós-guerra, a partir das experiências de artistas como Kazuo Ohno e Tatsumi Hijikata. Ohno estuda as técnicas da dança moderna europeia e Hijikata, que criava performances teatrais, na década de 40, é também influenciado pela chegada, em avalanche, da cultura europeia, no período pós-guerra. Estas novas expressões culturais, associadas à cultura tradicional japonesa, como o kabuki – forma de teatro concentrado nos gestos, nas expressões corporais e no espectáculo da beleza física e psicológica, virão a dar origem ao butoh.

    foto
    Tejo fala depois do seu percurso – estudou o butoh no Japão, com Mai-Juku-Min Tanaka, e os próprios Ohno e Hijikata, e passou depois pela Holanda, onde começou a sua carreira internacional e onde estudou Dança e Coreografia, no grupo Shusaku & Dormu Teatro-Dança. Esteve nos festivais de Dança de Nancy em 78/79. Reconhece, no seu próprio trabalho, influências do trabalho de coreógrafos importantes como Pina Bausch e mesmo do trabalho de artistas plásticos como Salvador Dali e outros surrealistas.

    Fala depois da influência do pensamento místico oriental, como o xintoismo, muito próximo da terra, na prática do butoh.

    Tejo Janssen conversa depois um pouco sobre a forma como ele próprio vê o butoh e a atenção que lhe é dada nos circuitos artísticos tradicionais, e na programação cultural mais oficial. E não lhe desagrada esse aspecto quase underground, que preserva o potencial criativo.

    Por: LC

     

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.