Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-10-2020
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 15-05-2008

    SECÇÃO: Tecnologias


    Usando o VNC (2)

    O VNC é uma das aplicações de acesso remoto mais antigas e ainda assim ainda uma das mais usadas. Não é tão segura quanto o SSH, nem oferece um sistema de compressão tão eficiente quanto o RDP, mas oferece a vantagem de ser fácil de usar e de estar disponível para praticamente todas as plataformas. É tão flexível que pode ser usada até mesmo a partir do navegador. Existem inúmeros tutoriais sobre o VNC na web, mas a maior parte deles são textos antigos; este tutorial se diferencia deles por ser mais aprofundado e actualizado, abordando as versões actuais.

    No Windows

    (continuação)

    (...)

    O cliente VNC oferece um conjunto de opções de acesso, que permitem alterar o algoritmo de compressão usando, entre diversas outras opções, acessadas através do botão "Options...»:

    As opções são as seguintes:

    View only: Para se conectar a uma sessão em modo de visualização, onde você pode apenas ver o que está sendo feito no ecrã. É útil ao usar o VNC para treinamentos, como citei anteriormente. Na configuração do servidor é possível definir uma senha separada para os clientes que irão apenas ver o ecrã, na opção "View-only password".

    Emulate 3 Buttons: Pressionar os dois botões simultaneamente equivale a pressionar o terceiro botão do rato. Esta opção é útil para quem usa um rato de dois botões e está acessando um servidor Linux.

    Swap mouse buttons 2 and 3: Troca os dois botões do rato dentro do ecrã do VNC, para canhotos ou caso os dois micros estejam configurados de forma diferente.

    Track remote cursor localy: Processa o movimento do rato no cliente e não no servidor. Uma novidade do Tight que faz o movimento do rato ficar muito mais uniforme.

    Scale by xx%: No caso do servidor VNC for Windows, resolução usada na ecrã do VNC é a mesma usada na configuração do vídeo. Esta opção permite comprimir a imagem do ecrã, permitindo que você se conecte a uma máquina com uma resolução de ecrã maior que a da sua sem usar barras de rolagem. Aqui temos um exemplo de um cliente com vídeo a 1024x768 acessando um servidor com resolução de 1280x800, com escala de 75%:

    Full-screen mode: Inicia-se directamente em ecrã cheio (no cliente). Para sair do modo full-screen, pressione F8 e escolha a opção "Full-Screen" no menu.

    Request shared session: Permite que dois ou mais clientes se conectem ao mesmo tempo à mesma sessão do servidor. Nesse caso, os movimentos do rato e o input do teclado são misturados, de forma que só um pode usá-la de cada vez. Esta opção é útil para treinamentos.

    Em seguida temos as opções de compressão, que estão directamente relacionadas ao desempenho do VNC. Você escolhe o algoritmo a utilizar ao conectar-se a partir do cliente. O servidor simplesmente utiliza as configurações solicitadas por ele.

    Cada um dos algoritmos apresenta um certo balanço entre uso da banda da rede e carga de processamento, por isso, a melhor escolha varia de acordo com a situação. O Tight é o que oferece melhor compressão e por isso é o mais recomendável para uso através de conexões lentas, enquanto o CoRRE é mais adequado para uso em rede local, pois consome menos processamento. Vamos a um resumo das características de cada um:

    Tight: Este é o algoritmo usado por padrão ao usar as opções "Default connection options" ou "Low-bandwidth connection" na janela principal. Ele oferece uma dupla compressão de dados, uma semelhante ao PNG, buscando pixels repetidos e substituindo-os por um único código e uma segunda camada, baseada em um algoritmo de compressão desenvolvido pela equipa com base no zlib. Ao usar o Tight você tem acesso a duas opções adicionais, onde pode ajustar o nível de compressão (quanto maior o nível, menor é o volume de dados transferidos, mas maior é o uso de processamento) e também activar a compressão via jpg, estipulando um nível de perda:

    Usar a compressão via jpg permite reduzir brutalmente o volume de dados transmitidos, mas em compensação reduz a qualidade da imagem, assim como no caso de uma foto de baixa qualidade.

    O Tight é o ideal para redes lentas, sobretudo conexões via modem, mas não é uma boa escolha para redes locais ou micros muito lentos, pois a carga extra de processamento faz com que a actualização de ecrã fique lenta ao usar micros antigos (dois Pentium III, por exemplo), mesmo via rede local.

    Hextile: Este algoritmo era o usado pela versão inicial do VNC (o da AT&T), mas continua a ser suportado pelas versões actuais. No Hextile a imagem do ecrã é dividida em áreas de 16x16 pixels e apenas as áreas actualizadas são enviadas ao cliente. Este sistema simples de compressão resulta num grande volume de dados, mas em compensação utiliza pouco processamento. Este é o algoritmo que oferece melhores resultados via rede local, onde o uso de banda não é problema.

    RRE: É um algoritmo ainda mais simples de compressão, que se resume a substituir seqüências de pixels da mesma cor por um único valor, indicando apenas que o cliente deve repetir o pixel x vezes. É eficiente para comprimir ecrãs com menus e textos, mas é ineficiente em relação à compressão de imagens.

    CoRRE: Esta é uma variação do RRE que limita o número de repetições de pixels a 255, permitindo enviar um único bit de dados. Usa mais processamento que o Hextile, mas em compensação usa menos banda, o que o torna uma espécie de meio termo entre ele e o Tight.

    Zlib (pure): Usa o algoritmo Zlib para compactar as imagens, sem perda de qualidade. É o segundo mais eficiente em nível de compressão, perdendo apenas para o Tight. Apesar disso, a carga de processamento no Zlib é consideravelmente maior que a do Tight, mais que o dobro, em muitas situações. O Zlib continua disponível no Tight apenas para manter compatibilidade com o VNC tradicional, que não suporta o algoritmo Tight.

    ZlibHex (mix): Combina o Zlib com o Hexlite para quebrar o ecrã em pequenos pedaços, mantendo a compressão com o Zlib. O uso do processador é semelhante ao Zlib pure, mas existe um ganho perceptível de velocidade quando pequenos pedaços da tela são actualizados (abertura de menus por exemplo), mas nas actualizações de ecrã inteira, ao abrir uma nova janela ou dar scroll numa página aberta no browser, por exemplo, o Zlib puro sai-se melhor.

    Raw: É o oposto do Tight. As imagens são enviadas via rede sem compressão alguma, minimizando a carga sobre o processador. Pode ser útil em redes de 100 megabits, mas com micros muito lentos, abaixo de 133 MHz. A quantidade de dados enviada através da rede é de 50 a 100 vezes maior que a do Tight mas, em compensação, a carga de processamento é quase nula.

    Restric pixels to 8-bit: Esta opção pode ser usada em conjunto com qualquer um dos algoritmos de compressão, forçando o uso de apenas 8 bits de profundidade de cor. Pode ser útil em conexões muito lentas, como uma medida desesperada para comprimir os dados o máximo possível, mas normalmente a redução não compensa a perda de qualidade.

    Por: CARLOS MORIMOTO

     

    Outras Notícias

    · A memória do rato

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.