Subscrever RSS Subscrever RSS
Edição de 31-10-2020
  • Edição Actual
  • Jornal Online

    Arquivo: Edição de 31-03-2019

    SECÇÃO: Património


    foto

    Acontecimento Insólito em S. Lourenço de Asmes (8.ª e última parte)

    IGREJA PAROQUIAL DE NEVOGILDE
    IGREJA PAROQUIAL DE NEVOGILDE
    Terminamos a 7.ª parte com o falecimento de Álvaro Alão Pacheco e seu sepultamento no cemitério de Agramonte(1) . A filha, Helena Furtado de Antas Alão Pacheco(2), nascida na Rua do Triunfo,em S. Pedro de Miragaia, em 04-04-1879, foi batizada em 19-04-1879, sendo seus padrinhos o avô paterno, morador em casa da batizada, e a avó materna, moradora em Viana. Veio a casar com 23 anos na Igreja paroquial de Nevogilde(3), em 14 de julho de 1902, com Artur de Carvalho Kendall, que era o Diretor do Banco Inglês no Porto, e era natural da Foz do Douro, onde veio a falecer com 91 anos de idade. Tendo a mãe ficado, viúva aos 43 anos de idade.

    CERTIDÃO DE CASAMENTO EM S. LOURENÇO DE ASMES
    CERTIDÃO DE CASAMENTO EM S. LOURENÇO DE ASMES
    O palacete dos viscondes Pereira Machado continuou na sua senda agregadora da aristocracia e burguesia portuense, os eventos culturais, as soirées(4), etc.. Com toda a certeza a família Alão Pacheco era frequentadora assídua de todas as festas e eventos lá realizados. Após anos de convivência, e um presumível namoro escondido, entre o senhor 2.º visconde Pereira Machado e a senhora viúva Dona Rosa Cândida Furtado de Antas da Silva Campos. Depois do casamento da filha, ficou esta sozinha, apoiando-se cada vez mais no visconde, que lhe passou a prestar todo o apoio que ela necessitava. Ele à data era solteiro, com 38 anos de idade, até aí, ia fazendo uma vida de boémio rico. Ela de 50 anos de idade, viúva desde 1896, sozinha desde o casamento da filha em 1902, resolveram casar.

    2.º VISCONDE PEREIRA MACHADO
    2.º VISCONDE PEREIRA MACHADO
    Atendendo à posição de ambos na sociedade burguesa do Porto, aos comentários que provavelmente se iriam fazer sobre um casamento tão desproporcional, e de uma viúva recente (reparem na foto, ainda vestida de luto), colocava-se a questão onde casar, pois ele pertencia à paróquia de Santo Ildefonso e ela à paróquia de Miragaia, em ambas, iria atrair a curiosidade, e como eram bastante conhecidos nesses locais resolveram arranjar um local mais remoto para o fazerem sem chamar tanto a atenção. Então surgiu o nome de S. Lourenço de Asmes, localidade pequena, com cerca de 1600 habitantes(5), uma igreja pequena mas simpática e suficiente para aquilo que pretendiam, ou seja, sair do rebuliço e das más línguas da cidade do Porto.

    D. ROSA CÂNDIDA FURTADO DE ANTAS DA SILVA CAMPOS
    D. ROSA CÂNDIDA FURTADO DE ANTAS DA SILVA CAMPOS
    Pedida a autorização foi concedida, pelo Bispo do Porto, D. António José de Sousa Barroso. Apenas trazendo os amigos como testemunhas, sendo eles, o pai de Rosa, notário público João Caetano da Silva Campos e o proprietário morador na cidade do Porto, Delfim de Lima.

    Podemos então antever uma cerimónia muito simples e reservada, só para entes muito chegados, e foi celebrada pelo Abade da freguesia, Paulo António Antunes, conforme podem comprovar pela certidão de casamento.

    Nunca Asmes (Ermesinde), esta pequena localidade, que apenas tinha tido a sorte de ser escolhida para o entroncamento das linhas de comboio do Douro e do Minho, tinha tido um acontecimento tão ilustre como este do casamento de um visconde.

    IGREJA DE S. LOURENÇO DE ASMES EM 1909
    IGREJA DE S. LOURENÇO DE ASMES EM 1909
    Terá sido de facto essa a razão da realização do casamento em S. Lourenço de Asmes (Ermesinde)? Ou terão havido outras razões? Alguém que tenha meios e tempo que procure saber a razão.

    Assim terminamos esta estória que esperemos, tenha sido do agrado de todos os leitores.

    1-O Cemitério de Agramonte foi inaugurado em 1855.

    2-Fotografia apresentada na parte anterior.

    3-A Igreja de São Miguel de Nevogilde localiza-se na freguesia de Nevogilde, na cidade do Porto. Trata-se de uma igreja erguida no século XVIII, quando Nevogilde contava com poucos habitantes, ligados essencialmente ao trabalho agrícola. De cariz barroco, destaca-se a decoração da fachada que, apesar de simples, expressa nitidamente a exuberância do barroco joanino. De pequenas dimensões, apresenta apenas uma nave e uma capela-mor.

    4-Reunião noturna; serão.

    5-Segundo a Chorographia Moderna do Reino de Portugal, de João Maria Baptista, Asmes teria 1386 hab. em 1875.

    Por: Carlos Marques

     

    Outras Notícias

     

    este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu Este espaço pode ser seu
    © 2005 A Voz de Ermesinde - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
    Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.